Explosão grega

O suicídio do aposentado grego diante do Parlamento daquele país, numa reação desesperada, contra os reiterados ataques à sobrevivência da população, pode ser a agulha que faltava para deflagrar a Primavera Européia, num movimento análogo ao detonado pelo jovem ambulante tunisiano que ateou fogo ao próprio corpo. Um pequeno trecho da carta deixada por Dimitris Christoulas, de 77 anos, e publicada pelo diário grego To Vima, dá uma amostra do momento vivido pela população do país: “Creio que os jovens sem futuro algum dia vão pegar em armas na Praça Sintagma (em Atenas, onde ele se matou), para pendurar aqueles que traíram a nação, como os italianos fizeram com Mussolini em 1945.”

Dilma acertou
As reações do mercado financeiro e seus porta-vozes na imprensa contra os fortes cortes de juros no Banco do Brasil e, em breve, na Caixa Econômica Federal, não devem intimidar a presidente Dilma. Ao contrário, pela grita dos gigolôs dos juros, a presidente acertou na mão, ao iniciar o processo para fazer com que o Brasil, enfim, após duas décadas, ter juros normais. Sobre o lucro dos bancos públicos, é bom lembrar que, quando a atual administração assumiu o BB, não faltaram corvos do mercado financeiro recomendando que os acionistas se desfizessem dos papéis. Quem rebarbou tal tipo de conselho, embolsou lucros generosos.

Cerco à PF
Com o ibope em alta devido às ações contra acusados de crimes de colarinho branco, a Polícia Federal (PF) tem, no entanto, tido seu atrapalhado afetado pelo corte de cerca de R$ 281 milhões sofrido no orçamento da corporação em 2011. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) e da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) fizeram levantamento sobre as limitações provocadas pela mistura de cortes de verbas e falta de pessoal. Os resultados, segundo as associações, são alarmantes: operações paradas, crise no setor de passaportes e falta de segurança nas fronteiras. As entidades advertem ainda que essa situação pode repercutir em problemas com a Copa do Mundo e Olimpíadas

Aparelhamento ameaçado
Responsável pelo combate à corrupção e ao crime organizado, a PF viu o orçamento do Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades fim da Polícia Federal (Funapol), inicialmente previsto em R$ 479 milhões, ser reduzido em 28%. Já os gastos com diárias, transporte, hospedagem e alimentação de policiais federais em missão ou operações oficiais custeados pelo Funapol foram limitados a R$ 58 milhões em 2011, queda de cerca de 35% em relação aos R$ 89,8 milhões usados em 2010.

Burocracia
Para a ADPF, a restrição orçamentária é grave e pode comprometer ações, inviabilizando o planejamento estratégico e o processo de modernização do órgão: “A Polícia Federal possui projetos importantes esquecidos pela burocracia estatal e pela insensibilidade política da área econômica do governo, como a reestruturação das carreiras e a reorganização administrativa das unidades e chefias da Polícia Federal, adicional de provimento nas fronteiras, concursos para admissão de novos servidores policiais e administrativos e o controle migratório nos aeroportos”, destaca o presidente em exercício da ADPF, Bolivar Steinmetz.

À deriva
A decisão do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), de, sem licitação, de passar o controle das Barcas S.A. para a CCR, concessionária da ponte Rio-Niterói, foi duramente criticaa pelo engenheiro Roberto D”Araujo, do Instituto Ilumina: “No mundo da regulação de serviços públicos, isso chega às raias do ridículo, pois uma mesma empresa privada passa a controlar as duas únicas vias de comunicação entre essas cidades”, destacou D”Araujo.
Indignado com a caótica situação dos transportes no Rio e com a postura leniente do governo estadual, o especialista salienta que, “se as agências reguladoras brasileiras fossem eficientes e dotadas de legislação correta, até se poderia aguentar esse absurdo, mas, como sabemos, isso está longe de ser verdade”.

SPC às avessas
O Serasa possui todas as informações de qualquer cidadão brasileiro: CPF, CNPJ, carteira de identidade, endereços residencial e profissional, telefones residencial e profissional, números de telefones de pessoas que servem como referência e mais alguma coisa. Tudo isso, para monitorar o cliente, obrigando a manter seu bom nome junto ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Agora, falar com o Serasa é uma missão impossível. Está na hora de existir mão dupla nessas relações que também se aplicam às prestadoras de serviços (telefonia, gás, água e bancos).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaro&pobre
Próximo artigoNovo tripé

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

81% dos brasileiros têm contas em mais de uma instituição financeira

Oito em cada dez brasileiros têm conta em mais de uma instituição financeira, ou seja, controla suas finanças de força desagregada. É o que...