Exportação de café bate recorde pelo terceiro mês seguido

Receita cambial gerada com a exportação de 4,3 milhões de sacas em novembro de 2020 foi de R$ 2,9 bilhões.

As exportações dos cafés do Brasil, considerando a soma de café arábica, conilon e solúvel torrado & moído, em novembro de 2020 registraram, pelo terceiro mês consecutivo, novo recorde histórico mensal, ao atingirem 4,3 milhões de sacas de 60kg, volume 32,2% maior do que em novembro de 2019. O café solúvel foi responsável por 7,2% das exportações com o volume equivalente a 313,4 mil sacas. O café conilon teve uma participação de 7,7%, com a exportação de 334 mil sacas, enquanto o café arábica se destacou com 85,1% do total embarcado ao atingir 3,7 milhões de sacas. Vale destacar o aumento de 33,9% na exportação do café arábica se comparada a novembro de 2019, bem como o significativo crescimento de 63,6% no volume exportado de café conilon, nos mesmos termos comparativos.

Com relação à receita cambial, o valor gerado pelas exportações dos cafés do Brasil no mês de novembro de 2020 foi US$ 542 milhões, um aumento de 32,3% se comparado com o valor de novembro do ano passado. Na conversão em reais, considerando a cotação média do dólar de aproximadamente R$ 5,35 no mês de novembro de 2020, a receita das exportações em moeda brasileira atingiu por volta de R$ 2,9 bilhões, a maior receita para o mês de novembro dos últimos cinco anos, um expressivo aumento de 72,5% se comparada a novembro de 2019.

Ao analisarmos os números do atual ano civil, janeiro a novembro de 2020, a receita cambial gerada com as exportações de café foi US$ 5 bilhões, aumento de 6,7% se comparada com a receita dos 11 primeiros meses de 2019. Na conversão em reais, o valor foi equivalente a R$ 25,9 bilhões, que representa um crescimento de 40%, em relação ao mesmo período do ano passado.

Já segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o país deverá encerrar este ano com uma safra recorde de café, de acordo com estimativa do quarto levantamento da safra de café 2020. Segundo o com o levantamento, para a safra de café 2020 no Brasil a expectativa é a produção de 63,08 milhões de sacas beneficiadas de café arábica e conilon. A Conab informou que essa será “a maior safra da história”, com um aumento de 27,9% na comparação com a colheita de 2019; e de 2,3% sobre o recorde anterior, obtido em 2018 (61,7 milhões de sacas).

“Além da bienalidade positiva do café arábica, o clima também contribuiu para o desenvolvimento das lavouras. A produção do grão superou a de 2018, chegando a 48,77 milhões de sacas. Em relação ao ano passado, o aumento é de 42,2%. Já o conilon, com produção estimada em 14,31 milhões de sacas, não teve o mesmo desempenho. O volume foi 4,7% menor que o obtido na safra anterior, o que pode ser atribuído às poucas chuvas nas regiões produtoras do Espírito Santo, principal produtor da variedade”, informa a Conab.

Segundo a companhia, o estado que terá a maior produção de café é Minas Gerais, com 34,65 milhões de sacas, número 41,1% maior do que o obtido em 2019. O carro chefe foi o café arábica, que responde por mais de 90% do café do estado.

Em segundo lugar está o Espírito Santo, que produziu 13,96 milhões de sacas ao longo do ano. Na comparação com o ano anterior, a safra apresenta uma redução de 12,41%. Foram 9,19 milhões de sacas de conilon e 4,77 milhões de sacas de arábica.

São Paulo está em terceiro lugar, com 6,18 milhões de sacas e aumento de 42,4%. Segundo a Conab, a Bahia totalizará 3,99 milhões de sacas, o que representa um acréscimo de 32,9%, na comparação com a produção obtida em 2019. Rondônia produziu 2,44 milhões de sacas (crescimento de 11,2%).

A Conab informa que, em novembro, as exportações brasileiras de café foram recordes. “O aumento foi de 32% sobre o mesmo mês de 2019, com o embarque de 4,3 milhões de sacas (60 kg), considerando-se a somatória de café verde, solúvel e torrado/moído. De julho a novembro, foram 19,8 milhões de sacas, o que representa aumento de 15% sobre 2019”.

A companhia informou que a competitividade do café brasileiro no mercado mundial melhorou devido à valorização do dólar. Cerca de 74% da produção da safra 2020/21 já se encontrava comercializada em novembro. No mesmo período de 2019, este percentual estava em 71%.

 

Com informações da Agência Brasil

Leia mais:

Árabes compram 13% mais café brasileiro

Brasil bateu recorde nas exportações de café em setembro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

Últimas Notícias

China emite 3,32 trilhões de yuans em títulos do governo local

Os governos locais da China emitiram mais de 3,32 trilhões de yuans (cerca de 494,8 bilhões de dólares americanos) em títulos nos primeiros cinco meses deste ano, mostram os dados do Ministério das Finanças nesta quinta-feira.

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.