Exportação de componentes de calçados somam US$ 175 milhões

De janeiro a maio, houve alta de 21% ante mesmo período de 2021; houve aumento em embarques para os Emirados Árabes e América Latina.

As exportações brasileiras de componentes para couro, calçados e artefatos somaram US$ 175 milhões de janeiro a maio, 21% mais do que no mesmo período do ano passado. Apenas no mês de maio, os embarques de componentes somaram US$ 37,38 milhões, 33% mais do que no mesmo período de 2021. O momento segue positivo para o setor, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal).

“Dos oito principais destinos das exportações, cinco são da América Latina. Os países também registraram um incremento médio superior aos registros medianos (32% contra 21%)”, avaliou em nota o gestor de Mercado Internacional da Assintecal, Luiz Ribas Júnior. Ele ressaltou que segue o movimento de crescimento dos embarques, especialmente para países da América Latina, que sofrem com os altos custos dos fretes da China.

O gestor destacou o aumento dos embarques para os Emirados Árabes Unidos e para a República Dominicana, resultados de ações realizadas no primeiro semestre. “As exportações para os Emirados aumentaram 98% (para US$ 947,2 mil) e para a República Dominicana 43% (para US$ 468 mil). Ambas são resultantes de negociações que ocorreram durante o Inspiramais, em janeiro, e na APLF (feira ocorrida em Dubai), em abril”, contou.

A China segue sendo o principal destino dos produtos brasileiros, mesmo com crescimento abaixo da média geral. Os principais produtos embarcados são químicos para tratamento de couros. Entre janeiro e maio, as exportações para o país asiático somaram US$ 39,88 milhões, valor 11% maior do que em igual intervalo do ano passado.

O segundo principal comprador do período foi a Argentina, que importou o equivalente a US$ 39,2 milhões em componentes brasileiros, 60% mais do que nos cinco primeiros meses de 2021. O terceiro destino foi Portugal, para onde foram enviados o equivalente a US$ 24,3 milhões, alta de 49% ante o mesmo período do ano passado.

Os principais estados exportadores entre janeiro e maio foram Rio Grande do Sul, com US$ 100,5 milhões, 17% mais do que no mesmo intervalo de 2021; São Paulo, com US$ 17,88 milhões, 31% a mais no mesmo comparativo, e Bahia, com US$ 16 milhões, 72% a mais no mesmo intervalo de 2021.

Nos cinco primeiros meses do ano, o principal material exportado pelo setor foi químicos para couros, com crescimento de 9%. Na sequência, apareceram os segmentos de cabedais, com crescimento de 24%; químicos para calçados – adesivos, também com incremento de 24%; solados, com crescimento de 66%; laminados sintéticos, alta de 26%; e palmilhas com crescimento de 27%.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Exportação brasileira de ovos cresceu 33%

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Petróleo termina abaixo de US$ 100 por barril nos EUA

Queda de mais de 8% nesta terça-feira.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido