Exportação de trigo para árabes foi recorde em janeiro

Embarques brasileiros de trigo ao bloco renderam US$ 26,78 milhões no primeiro mês de 2021.

Em janeiro deste ano as exportações brasileiras de trigo e misturas com centeio para os países árabes somaram US$ 26,78 milhões, um recorde na série histórica desde 2017. O volume do mês foi de 124.715 toneladas e os principais compradores foram Arábia Saudita e Palestina. Os dados são da Inteligência de Mercado da Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

Segundo o analista de agronegócio da consultoria Tendências, Felipe Novaes, o recorde está inserido em um contexto mais amplo. Entre os fatores está a oferta brasileira, que está alta em decorrência período de colheita, além da valorização do dólar que torna mais competitivo o produto brasileiro. Há ainda a demanda da região do norte da África e do Oriente Médio e a menor oferta em importantes países produtores.

Sobre o consumo dos árabes, Novaes lembra que o crescimento já ocorre desde o último ano. “Entre 2020 e 2021, o USDA prevê aumento de consumo na ordem de 2,5% ao ano, em média, para o norte da África e do Oriente Médio, onde se concentram os países árabes”, destacou ele, em entrevista à ANBA sobre dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). A taxa está acima dos últimos cinco anos, quando o crescimento do consumo na região alcançou média de 1,1% ao ano.

Ainda segundo o USDA, para atender as necessidades de consumo as nações dessa região do norte da África e Oriente Médio devem importar mais trigo. No biênio que inclui 2020 e 2021, o crescimento médio nas compras deve ser de 4,6% ao ano.

Já na ponta produtora, o Brasil veio de uma queda na produção, frente a problemas climáticos, que prejudicaram a comercialização em 2020. Neste ano, a safra que começou a ser colhida recentemente vem recuperando o fôlego das exportações.

“O desenvolvimento do trigo brasileiro na safra corrente foi menos prejudicado, de modo que os produtores estão possivelmente aproveitando a janela de oportunidade de exportação aberta pela taxa de câmbio em patamares bastante elevados (real historicamente desvalorizado ante o dólar), justamente na época do ano em que há mais trigo novo disponível no mercado”, disse ele, lembrando que a oferta interna deve crescer 24,9% segundo levantamento divulgado pela Conab neste mês.

A pandemia do coronavírus também afetou a comercialização do trigo no mundo.

“Há sinais de implementação de barreiras tarifárias e não tarifárias de importantes países produtores de trigo, uma vez que o contexto de pandemia gerou aumento de preocupação com questões relacionadas à segurança alimentar no mundo”, explicou o analista citando como exemplos a Rússia, a Ucrânia e a Argentina. Para Novaes, há tendência que essas nações passem a priorizar a segurança alimentar doméstica, diminuindo suas exportações.

No Brasil, dados coletados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia da Universidade de São Paulo (Cepea-Esalq/USP) mostram que o preço do trigo está em alta neste mês, sustentado pela baixa oferta. A explicação também está na demanda externa.

Embora estejam com alta disponibilidade de trigo, a atenção de quem vende têm se voltado ao mercado internacional.

“Os produtores nacionais já anteciparam a comercialização de grande parte do volume produzido, fato que já vem sendo observado na forte alta das exportações em dezembro de 2020 e janeiro de 2021, cujos volumes totais foram mais de cinco e três vezes maiores na comparação com dezembro de 2019 e janeiro de 2021, respectivamente”, pontuou o analista da Tendências.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia mais:

Exportação de amendoim in natura cresceu 38% em 2020

Exportação de calçados cai, mas há sinais de melhora

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi

Títulos mais procurados foram os vinculados à taxa Selic

Mais de 62 milhões de brasileiros possuem compras parceladas

Cartão de crédito foi a principal modalidade de crédito utilizada nos últimos 12 meses; 52% admitem não controlar gastos de compras parceladas.

Covid pode ter matado de 80 mil a 180 mil profissionais de saúde

Para OMS, categoria deve ter prioridade na imunização em todo o mundo.

Últimas Notícias

SUS gastou R$ 3 bi com acidentes de trânsito em 10 anos

O Brasil registrou 27.839 indenizações pagas por acidente de trânsito com vítimas fatais entre janeiro e outubro de 2020. Os números mostram que, a...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

Atlantic Bank aporta R$ 3 milhões em hub com 48 fintechs

Público-alvo são empresas que desejam verticalizar suas receitas no setor financeiro.

‘Melhores do Seguro e Resseguro’

Na próxima terça-feira (26), às 18 horas, a Revista Insurance Corp irá transmitir em seu canal no Youtube o prêmio "Melhores do Seguro e...