Exportação de veículos caiu 43% em janeiro

Houve recuo nos embarques internacionais no mês; já os importados tiveram a maior participação nos licenciamentos desde 2014

35
Um navio ro-ro atraca em um terminal do porto de Lianyungang, na província de Jiangsu, leste da China, para exportação de automóveis, em 20 de agosto de 2023 (Foto: Wang Chun/Diário do Povo Online)
Um navio ro-ro atraca em um terminal do porto de Lianyungang, na província de Jiangsu, leste da China, para exportação de automóveis, em 20 de agosto de 2023 (Foto: Wang Chun/Diário do Povo Online)

As exportações brasileiras de autoveículos recuaram 43% em janeiro, com 18,8 mil unidades vendidas para mercados internacionais, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O número inclui automóveis de passageiros, comerciais leves, caminhões e ônibus.

As lideranças da Anfavea explicaram à imprensa como causa da queda a desaceleração de mercados tradicionais como Argentina, Chile e Colômbia. Esses países diminuíram licenciamentos, impactando os embarques brasileiros.

A queda na exportação ocorreu em todos os segmentos. Entre os automóveis, ela foi de 45,9%, com 14,6 mil unidades embarcadas. O recuo nos embarques de comerciais leves foi de 26,5% para 3,5 mil unidades. A exportação de caminhões caiu 39,1%, para 600 mil e a de ônibus diminuiu 61%, com 113 unidades comercializadas.

Por outro lado, os importados tiveram a sua maior fatia no mercado brasileiro em janeiro. Os autoveículos fabricados no exterior foram 19,5% dos licenciados no País. No primeiro mês do ano passado, eles ficaram com 14,3% do consumo, no mesmo mês de 2022 também com 14,3% e em janeiro de 2021 com 9,4%.

Espaço Publicitáriocnseg

O mercado automotivo brasileiro, entretanto, encerrou o ano de 2023 com aumento nas vendas, atingindo a marca de 2 milhões de emplacamentos, um feito não alcançado desde 2019, de acordo com dados divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que projeta um crescimento expressivo de 13,5% para o ano de 2024.

Com informações da Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui