Exportação do Brasil ao mercado árabe cresceu 18%

O avanço da vacinação contra a Covid-19 nos países árabes deu impulso às exportações do Brasil para a região no primeiro trimestre do ano, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

As vendas do Brasil para os 22 países que fazem parte da Liga Árabe somaram US$ 2,91 bilhões em receita de janeiro a março deste ano, o significou uma alta de 18,2% na comparação com os três primeiros meses do ano passado. O crescimento em volume foi ainda maior, de 22,5%.

“Além de terem iniciado a vacinação mais cedo, os árabes do Golfo instituíram os passaportes de imunização para ingresso em seus territórios e ações de ampla testagem. Essas medidas ajudaram a conter o número de casos e a viabilizar a atividade econômica. O que vemos nesse momento é o crescimento da demanda doméstica”, explicou o secretário-geral da Câmara Árabe, Tamer Mansour, em material da instituição.

Alimentos como açúcar, frango, carne bovina e grãos, além de minério de ferro, figuraram entre os produtos mais vendidos pelo Brasil para a região de janeiro a março. Os embarques de soja e milho registraram os maiores aumentos em receitas: respectivamente 147,98% e 132,67%. O Brasil é importante fornecedor de alimentos dos países árabes, que dependem de importações para o abastecimento doméstico nessa área.

Mansour acredita que a demanda na região por alimentos deve seguir em alta nos próximos meses, especialmente à medida que o setor turístico retomar suas atividades com a vacinação avançando no resto do mundo. A maior imunização em outros países faz aumentar o número de pessoas dispostas a viajar.

A Câmara Árabe constatou um aumento relevante nas exportações brasileiras para o Bahrein, que foi o segundo destino dos produtos brasileiros no mercado árabe no primeiro trimestre, com aumento de compras em 96% para US$ 406,36 milhões. O país já vacinou 23% da população, que é de 1,5 milhão de habitantes.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Exportação de calçados deve crescer 13% este ano

Artigos Relacionados

Produtos de consumo da China devem atrair marcas internacionais

A primeira Exposição Internacional de Produtos de Consumo da China, que começou nesta sexta-feira e termina no próximo dia 10, em Haikou, capital da...

China ampliou volume de exportações de serviços

A China registrou um déficit comercial de serviços de 66,69 bilhões de iuanes (US$ 10,3 bilhões) no primeiro trimestre deste ano, uma queda de...

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.