Factóide

O anúncio do presidente FH de que pretende estender a correção do FGTS tungada em passado recente por inspiração de muitos dos seus auxiliares presentes deve ser tratado no verdadeiro e único sentido que encerra: como reles boca de urna para candidatos governistas em CTI eleitoral. Sua divulgação a cerca de dez dias das eleições mostra que, para reduzir o tamanho da sova nas urnas, vale até contrariar -ainda que sem deixar o campo da retórica – dogmas do ajuste fiscal, mas também desmoraliza os números fabricados no forno da equipe econômica.
De fato, com a mesma ligeireza que previa a nova versão do apocalipse na esteira de um suposto rombo de R$ 38 bilhões, o governo, sem citar prazos e valores, anuncia a intenção de estender o direito já conquistado por poucos na Justiça aos demais. A naturalidade com que a imprensa “chapa branca” anunciou a suposta boa nova é apenas reveladora do grau de submissão a que esse tipo de jornalismo se deixou arrastar.
Essa súbita inversão, no entanto, não terá – e aqui fica o alerta desta coluna aos mais ingênuos – a menor conseqüência prática. Tudo o que deseja o governo, além de dividendos eleitoreiros, é ganhar tempo, tirar o assunto do foco da campanha eleitoral e conquistar poder de barganha para alongar prazos e obter parcelamentos dignos de obras de igreja.
Para chegar a essa conclusão, basta recordar seu longo passivo com os interesses que não os do andar de cima e não se encontrará um solitário exemplo que desminta o principal silogismo que governa o tucanato: qualquer despesa que não esteja a serviço do pagamento do serviço da dívida (R$ 142 bilhões, em 99) deve ser reduzida e, se possível, eliminada. O resto é factóide.

Estatal
Comentário do diretor de Comércio Exterior da Fiesp, Franz Reimer, que participou sexta-feira de seminário sobre crescimento sustentado, em São Paulo: “O projeto das termelétricas não está evoluindo como o esperado. Só quando tem participação da Petrobras é que o projeto deslancha.”

Direitos
O Ministério da Previdência Social anuncia que tem vencido cerca de 70% das ações envolvendo benefícios que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal de Justiça. Apesar disso, aumentou o número de segurados que recorreram à Justiça e o ministério estima em 20 mil o número de ações em que a Previdência é citada.

Vale tudo
Uma misteriosa interferência interrompeu a entrevista que o candidato do Prona à Prefeitura do Rio, professor Marcos Coimbra, concedeu à Radio Bandeirantes, na última quarta-feira. O programa Saara Show vem ouvindo todos os candidatos sem problemas mas, quando chegou a vez de Coimbra responder a pergunta de um ouvinte sobre a fabricação da bomba atômica no Brasil, uma música de Milton Nascimento interrompeu a transmissão. A partir deste momento, toda a vez que o candidato do Prona tentava responder a alguma pergunta, voltava a música, intercalada com outra de Tim Maia. Diversos ouvintes ligaram para a rádio reclamando da interferência. A produção do programa estuda nova entrevista com Coimbra, pois entende que ele foi prejudicado. Mesmo entendimento tem o desembargador Antonio Carlos Amorim, que estava presente aos estúdios da rádio.

Faz de conta
A empresa Vésper – que na teoria da Anatel deveria ser concorrente da ineficiente Telemar – já ganhou apelido na praça: Papai Noel; algumas pessoas acreditam que existe, mas ninguém nunca viu.

Máquina
Líder das pesquisas para a Prefeitura de Vitória – única capital a ter um tucano na cabeça -Luiz Paulo Velloso montou respeitável esquema publicitário para trombetear seus feitos. A assessoria de comunicação da Prefeitura tem 38 jornalistas, 20 profissionais a mais que TV Gazeta, afiliada da Globo no estado.

Decola Santos Dumont
O movimento Decola Galeão, com o qual a Infraero e o Governo do Estado, entre outros, tentam aumentar a movimentação no Aeroporto Internacional do Rio, parece que está ganhando um concorrente. Duas empresas aéreas receberam autorização para lançar novos vôos  – para Brasília e Vitória, com aviões de grande porte – do congestionado Santos Dumont. O aeroporto localizado no Centro da cidade está à beira da saturação, a pista não suporta tantos pousos e decolagens e até os taxis têm dificuldade de parar junto ao terminal, pela manhã e à noite. Enquanto isso, o Aeroporto Internacional, com terminal recém-inaugurado, trabalha com grande ociosidade.

Artigo anteriorCaixa preta
Próximo artigoCompetitividade II
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.