Factóide

O anúncio do presidente FH de que pretende estender a correção do FGTS tungada em passado recente por inspiração de muitos dos seus auxiliares presentes deve ser tratado no verdadeiro e único sentido que encerra: como reles boca de urna para candidatos governistas em CTI eleitoral. Sua divulgação a cerca de dez dias das eleições mostra que, para reduzir o tamanho da sova nas urnas, vale até contrariar -ainda que sem deixar o campo da retórica – dogmas do ajuste fiscal, mas também desmoraliza os números fabricados no forno da equipe econômica.
De fato, com a mesma ligeireza que previa a nova versão do apocalipse na esteira de um suposto rombo de R$ 38 bilhões, o governo, sem citar prazos e valores, anuncia a intenção de estender o direito já conquistado por poucos na Justiça aos demais. A naturalidade com que a imprensa “chapa branca” anunciou a suposta boa nova é apenas reveladora do grau de submissão a que esse tipo de jornalismo se deixou arrastar.
Essa súbita inversão, no entanto, não terá – e aqui fica o alerta desta coluna aos mais ingênuos – a menor conseqüência prática. Tudo o que deseja o governo, além de dividendos eleitoreiros, é ganhar tempo, tirar o assunto do foco da campanha eleitoral e conquistar poder de barganha para alongar prazos e obter parcelamentos dignos de obras de igreja.
Para chegar a essa conclusão, basta recordar seu longo passivo com os interesses que não os do andar de cima e não se encontrará um solitário exemplo que desminta o principal silogismo que governa o tucanato: qualquer despesa que não esteja a serviço do pagamento do serviço da dívida (R$ 142 bilhões, em 99) deve ser reduzida e, se possível, eliminada. O resto é factóide.

Estatal
Comentário do diretor de Comércio Exterior da Fiesp, Franz Reimer, que participou sexta-feira de seminário sobre crescimento sustentado, em São Paulo: “O projeto das termelétricas não está evoluindo como o esperado. Só quando tem participação da Petrobras é que o projeto deslancha.”

Direitos
O Ministério da Previdência Social anuncia que tem vencido cerca de 70% das ações envolvendo benefícios que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal de Justiça. Apesar disso, aumentou o número de segurados que recorreram à Justiça e o ministério estima em 20 mil o número de ações em que a Previdência é citada.

Vale tudo
Uma misteriosa interferência interrompeu a entrevista que o candidato do Prona à Prefeitura do Rio, professor Marcos Coimbra, concedeu à Radio Bandeirantes, na última quarta-feira. O programa Saara Show vem ouvindo todos os candidatos sem problemas mas, quando chegou a vez de Coimbra responder a pergunta de um ouvinte sobre a fabricação da bomba atômica no Brasil, uma música de Milton Nascimento interrompeu a transmissão. A partir deste momento, toda a vez que o candidato do Prona tentava responder a alguma pergunta, voltava a música, intercalada com outra de Tim Maia. Diversos ouvintes ligaram para a rádio reclamando da interferência. A produção do programa estuda nova entrevista com Coimbra, pois entende que ele foi prejudicado. Mesmo entendimento tem o desembargador Antonio Carlos Amorim, que estava presente aos estúdios da rádio.

Faz de conta
A empresa Vésper – que na teoria da Anatel deveria ser concorrente da ineficiente Telemar – já ganhou apelido na praça: Papai Noel; algumas pessoas acreditam que existe, mas ninguém nunca viu.

Máquina
Líder das pesquisas para a Prefeitura de Vitória – única capital a ter um tucano na cabeça -Luiz Paulo Velloso montou respeitável esquema publicitário para trombetear seus feitos. A assessoria de comunicação da Prefeitura tem 38 jornalistas, 20 profissionais a mais que TV Gazeta, afiliada da Globo no estado.

Decola Santos Dumont
O movimento Decola Galeão, com o qual a Infraero e o Governo do Estado, entre outros, tentam aumentar a movimentação no Aeroporto Internacional do Rio, parece que está ganhando um concorrente. Duas empresas aéreas receberam autorização para lançar novos vôos  – para Brasília e Vitória, com aviões de grande porte – do congestionado Santos Dumont. O aeroporto localizado no Centro da cidade está à beira da saturação, a pista não suporta tantos pousos e decolagens e até os taxis têm dificuldade de parar junto ao terminal, pela manhã e à noite. Enquanto isso, o Aeroporto Internacional, com terminal recém-inaugurado, trabalha com grande ociosidade.

Artigo anteriorCaixa preta
Próximo artigoCompetitividade II
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bolsonaro veta lei que dá acesso a quimioteria oral

No dia 1º de julho, Câmara havia aprovado 'PL da Químio Oral", por 398 votos a favor e apenas 10 contra.

Intervenção chinesa continua a incomodar as Bolsas

Tudo isso em dia de perspectivas globais do FMI.

Balanços guiarão, aparentemente, os mercados hoje

Europa e Nova Iorque precavidas, Ásia continua em queda livre.

Confiança da construção atinge maior nível desde março de 2014

Índice teve alta de 3,3 pontos e chegou a 95,7; já inflação do setor cai para 1,24% em julho.

IPCA-15 apresentou alta de 0,72% em julho

Maiores contribuições vieram da categoria habitação (2,14%), que contribuiu com 0,32%, e de transporte (1,07%), que adicionou 0,22%.