Faixa etária de 18 a 24 anos cresce 204% entre MEIs

Pesquisa também identificou o fenômeno da 'pejotização', com contribuições tanto da reforma trabalhista de 2017 quanto da pandemia.

De acordo com um levantamento realizado pela plataforma DataHub, entre janeiro e setembro de 2021, a quantidade de Microempreendedores Individuais (MEI) com idades entre 18 e 24 anos cresceu 204% na comparação com o mesmo período de 2019. Também houve um aumento significativo de 58,13% no número de mulheres atuantes na categoria.

“Com a pandemia, ganharam força atividades como a preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo, fornecimento de alimentos para consumo domiciliar, serviços de entrega e promoção de vendas. Esses novos microempreendedores certamente enxergaram essas oportunidades”, diz André Leão, Chief Product Officer (CPO) da DataHub

Na comparação entre 2020 e 2019, houve crescimento de cerca de 14% no número de novos MEIs. Já em 2021, essa quantidade deu um salto de 34% quando comparada ao ano anterior, totalizando mais de 2,285 milhões de novas microempresas.

“Esses dados podem ser considerados reflexo da ampla vacinação no país e das flexibilizações nas restrições sanitárias, o que acabou por reaquecer o mercado de bens e, sobretudo, o de serviços, como cabeleireiros, manicures e pedicures”, afirma Leão.

Ao analisar os dados do MEI em conjunto com os da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), a pesquisa identificou o fenômeno da “pejotização”, com contribuições tanto da reforma trabalhista sancionada em 2017 quanto da pandemia. Nesse caso, em vez de as empresas realizarem contratações sob a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), vale um acordo em que o trabalhador emite uma nota fiscal – ou seja, abre uma empresa ou se torna uma Pessoa Jurídica (PJ) -, e passa a prestar um serviço.

Segundo o relatório, mais de 3,438 milhões de pessoas que atuavam em regime CLT, entre 2016 e 2020, se tornaram Microempreendedores Individuais. Apesar da soma de Pessoas Físicas que foram dispensadas e possuem MEI ser maior em 2019 (851.564) que em 2020 (772.584), a parcela de trabalhadores que abriu o MEI antes da demissão tem uma tendência crescente desde 2017. Em 2020, essa categoria chegou a 221.601, um aumento de 48% em relação ao ano anterior.

Até outubro de 2021, o número de Microempreendedores Individuais no Brasil era de 10.799.652. Mais de 50% dos MEIs estão concentrados na Região Sudeste, sendo São Paulo o estado com a maior participação (27,55%), seguido por Minas Gerais (11,59%) e Rio de Janeiro (10,84%).

Dos trabalhadores que atuaram em regime CLT entre 2016 e 2020 e possuem MEI ativo, mais de 50% também estão localizados na região sudeste – cerca de 54% são homens e 40% são mulheres.

Considerando os MEIs abertos após demissão, 56,49% tem idades entre 31 e 50 anos.

Entre janeiro e setembro de 2021, a quantidade de homens MEIs aumentou 49,68%, na comparação com o mesmo período de 2019.

No mesmo período, houve crescimento de 78,57% no número de MEIs com idades entre 25 e 30 anos. Mais de 50% dos MEIs têm entre 31 e 50 anos.

Na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), o trabalho mais registrado por MEIs é cabeleireiro, manicure e pedicure, seguido por comércio varejista de artigos de vestuários e acessórios e promoção de vendas, respectivamente. Tais posições representam profissionais cadastrados na capital de São Paulo.

Leia também:

Desemprego deve gerar aumento de informais e MEIs em 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.

Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.

Últimas Notícias

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.

Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.