Falta combinar com os russos

Se a alternativa que os partidos contrários à presidente Dilma oferecem é o acordão com Michel Temer, eles devem se preparar para voltar a ouvir a voz das ruas. O vice-presidente é acusado de participação nas falcatruas da Lava Jato pelos mesmos delatores que acusam Dilma e Lula (o operador preso em Portugal nesta segunda, Raul Schmidt Felippe Júnior, é tido como sócio do ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada, indicação do PMDB); Temer é réu no TSE juntamente com a presidente; e integra o partido que mais representa continuísmo nos últimos 20 anos. A menos que a mídia e a oposição estejam se preparando para varrer tudo isso para debaixo do tapete no dia seguinte a um possível impeachment, com o beneplácito dos juízes e ministros que hoje atacam o PT, pairaria sobre o vice as mesmas suspeitas que paralisam Dilma.

O PSDB também teria muito o que explicar. Autor da ação no TSE contra os eleitos em 2014, fechar acordo com um dos integrantes da chapa deixaria um cheiro de golpismo explícito no ar. A isto se somaria a fortíssima suspeita de acerto com Eduardo Cunha, que vai se mantendo no comando da Câmara dos Deputados e chefiando o processo de impeachment, sem que nenhum tucano ou integrante do DEM fique ruborizado. Não à toa, Aécio e Alckmin foram escorraçados da manifestação em São Paulo, dia 13.

Pior do que as fortes ligações do PMDB com os desvios da Lava Jato, que ainda não vieram devidamente à tona, pois o foco é o PT, é a proposta que Temer e companhia têm para encontrar uma saída para a crise brasileira. O texto “Uma ponte para o futuro” remete, pelo título, a um filme da série De volta para o Futuro, mas ao terceiro episódio, quando os personagens vão parar no Velho Oeste. As propostas da ala de Temer no PMDB são um retorno a um passado que esperava-se já superado pelo país. Vão de encontro aos que ingenuamente saíram às ruas acreditando em uma mudança na política ortodoxa implantada por Dilma e que levou o Brasil à maior crise desde a Década Perdida – ou pior.

Velhas práticas políticas e retrógrada política econômica são sinônimo de continuidade da efervescência nas ruas.

#vemprasacanagem

Em tempos em que vale tudo na política, o slogan acima até parece criado em Brasília. Mas é o mote de campanha da Sexlog.com, rede adulta de pessoas que queiram realizar todo tipo de fantasia sexual. “Não temos a presunção de discutir política ou defender partidos, mas sim oferecer nossa opção de lazer para que o pessoal faça mais amor e menos guerra”, brinca Mayumi Sato, diretora de marketing do site. Não são poucos os que se interessam pelo sexo, digamos, heterodoxo. O Sexlog.com possui 5 milhões de usuários cadastrados.

Fundos e planos

A Associação de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil (AAPBB) realizará simpósio para discutir questões sobre fundos de previdência complementar fechada e planos de saúde no Brasil. O objetivo é analisar os problemas existentes e apresentar soluções. O evento será realizado em 12 e 13 de abril, no auditório do Clube da Aeronáutica (Praça Marechal Âncora, 16 – Centro – Rio de Janeiro – RJ). Inscrições e informações: aapbb@aapbb.org.br ou (21) 2509-0347.

Uber das rodovias

Um dos fundadores do Uber, Oscar Salazar aposta agora no mercado brasileiro de cargas rodoviárias. Ele se se tornou investidor e diretor da CargoX. A previsão é que nos primeiros dois anos de operação, o investimento chegue a R$ 100 milhões.

Conectada em tempo real por um aplicativo com mais de 100 mil caminhoneiros autônomos cadastrados, a empresa espera uma economia inicial de 30% no valor do frete. “Utilizamos a ociosidade da frota autônoma do país com o cruzamento das rotas de nossos clientes para otimizar os envios”, esclarece Alan Rubio, diretor de Transportes da CargoX.

Apesar de beber na fonte do Uber, a empresa não utiliza amadores, como os motoristas tão criticados por taxistas. São todos caminhoneiros profissionais que já circulam pelas estradas.

Rápidas

O Ipea apresenta nesta terça-feira, em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o Atlas da Violência 2016 *** Nesta quinta e sexta, o Carioca Shopping recebe o “Mega Castelo das Bolinhas”. Na pré-estreia, quarta, o espaço será aberto exclusivamente das 9h às 10h para 40 crianças do Centro Cultural do Jacarezinho, que atende crianças carentes, se divertirem nas mais de 300 mil bolinhas coloridas *** A campanha para comemorar o aniversário da Fundação Dorina Nowill para cegos é assinada pela agência nova/sb *** As canções do grupo Legião Urbana estão no repertório do happy hour que o Shopping Jardim Guadalupe (RJ) realiza sexta-feira, com a Banda Mais do Mesmo. O show é gratuito e começa às 19h30 *** Segundo dados da Anbima, as emissões de debêntures realizadas para refinanciamento de passivos, recompra ou resgate de outros títulos, de janeiro a novembro de 2015, cresceram 8,7% sobre o registrado em 2014. O assunto é tema do 5º Seminário Debêntures, dia 15 de abril, em São Paulo. Mais em www.inovaseminarios.com.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.