Falta trabalhador qualificado; cadê o Senai?

Indústria bajula Bolsonaro e critica falta de formação do empregado, mas deveria fazer autocrítica.

Fatos e Comentários / 21:38 - 19 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A destruição da indústria brasileira não impede que o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, cole em Bolsonaro e Paulo Guedes. A falta de coerência ocorre em outros casos. As entidades empresariais sempre reclamam da falta de formação do trabalhador e colocam a educação como principal problema a ser resolvido no país. Mas apoiam a redução de verbas para o setor. Em novembro de 2019, Skaf aplaudiu a proposta de desfiguração da Constituição (PEC) que desvincula as despesas dos orçamentos públicos. Traduzindo: retira verbas da educação e da saúde.

Pesquisa da CNI divulgada esta semana mostra que as indústrias reclamam da escassez de trabalhadores qualificados; 85% delas realizam treinamentos dentro da própria empresa. A formação técnica da mão de obra é um dos objetivos, senão o principal, do Senai. Que é comandado pelo CNI e, nos estados, pelas federações, como a Fiesp. Faltou autocrítica?

Falta coerência também nos ataques aos governos petistas. Dados mostram que o percentual de estudantes do ensino médio matriculados em cursos profissionalizantes ultrapassa 40% na Alemanha, na Dinamarca, na França e em Portugal e atinge cerca de 70% na Áustria e na Finlândia. No Brasil, apenas 9,7%.

Em 12 anos de governos de Lula e Dilma, foram criadas 282 escolas técnicas federais, três vezes mais do que foi construído em quase um século. No Governo Bolsonaro, nenhuma.

 

Colesterol alto

O risco de doenças cardíacas é um dos destaques da campanha em prol da saúde da mulher que a Med-Rio lançou neste ano. O motivo para a campanha é alertar que 50% das mulheres que realizam check-up na clínica – especializada, desde 1990, em medicina preventiva e que já realizou mais de 150 mil exames – têm apresentado altos níveis de colesterol, que é um fator de risco para AVC e infarto. Atualmente, essas doenças matam ou incapacitam as mulheres duas vezes mais do que todos os cânceres femininos, destaca o diretor médico da Med-Rio, Gilberto Ururahy.

 

Preferência pela PEC 110

Entre as duas principais propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso, a PEC 110/2019 reúne medidas mais consistentes, avaliam a gerente de consultoria tributária da Roit Consultoria e Contabilidade, Caroline de Souza, e a advogada Lilian Ribeiro, sócia da LRibeiro Advogados. A PEC 110 possui vantagens em relação à 45/2019, afirmam.

Uma diferença é que a 110 substitui nove tributos, enquanto a outra PEC prevê a substituição de apenas cinco. Nesse sentido, sublinha Caroline de Souza, a PEC 110 faz uma simplificação tributária mais ampla.

A gerente de consultoria acrescenta outra diferença: contempla a possibilidade de incentivos fiscais a alguns setores produtivos e atividades econômicas específicas. Na PEC 45 não há previsão nesse sentido.

Para a advogada, outra vantagem é que proporciona maior segurança jurídica, ao não eliminar benefícios anteriormente implantados. “A PEC 110 também dá maior autonomia para estados e municípios”, acrescenta Lilian Ribeiro.

 

Rei do lixo

Quem tem um pouco mais de idade se lembra do banqueiro Michael Milken, considerado o “rei das junk bonds” no final dos anos 1970 e início dos 80. Foi condenado por extorsão e manipulação fraudulenta do mercado. Pois acabou de ser indultado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, junto a três milionários condenados por corrupção.

 

Alto risco

A estratégia dos Bolsonaro em relação à morte do miliciano Adriano da Nóbrega é de alto risco. O presidente o chamou de capitão e disse que foi um herói. Acusa a PM da Bahia de tê-lo executado. O problema é que, se a polícia fizer seu trabalho e descobrir as ligações do miliciano, a família Bolsonaro ficará não só exposta, mas vulnerável.

 

TTT

Título da Folha explicita a relação da grande mídia com o governo: “No primeiro ano de Bolsonaro, educação, saúde e social pioram, criminalidade recua e economia vê equilíbrio”. Os jornalões toleram os malucos, temem os milicos e torcem pelos malacos.

 

Rápidas

O FGV Ibre realiza o I Seminário de Análise Conjuntural do ano logo após a divulgação do PIB de 2019 pelo IBGE. O evento será em 9 de março, entre 16h e 18h. Mais informações no portal do Ibre *** O Caxias Shopping receberá no último sábado de fevereiro o projeto “Ponto de Leitura” do Sesc RJ *** O Supermercados Mundial, tradicional rede carioca, espera um incremento de cerca de 10% na venda de bebidas neste Carnaval, comparado ao ano passado.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor