Falta trabalhador qualificado; cadê o Senai?

Indústria bajula Bolsonaro e critica falta de formação do empregado, mas deveria fazer autocrítica.

A destruição da indústria brasileira não impede que o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, cole em Bolsonaro e Paulo Guedes. A falta de coerência ocorre em outros casos. As entidades empresariais sempre reclamam da falta de formação do trabalhador e colocam a educação como principal problema a ser resolvido no país. Mas apoiam a redução de verbas para o setor. Em novembro de 2019, Skaf aplaudiu a proposta de desfiguração da Constituição (PEC) que desvincula as despesas dos orçamentos públicos. Traduzindo: retira verbas da educação e da saúde.

Pesquisa da CNI divulgada esta semana mostra que as indústrias reclamam da escassez de trabalhadores qualificados; 85% delas realizam treinamentos dentro da própria empresa. A formação técnica da mão de obra é um dos objetivos, senão o principal, do Senai. Que é comandado pelo CNI e, nos estados, pelas federações, como a Fiesp. Faltou autocrítica?

Falta coerência também nos ataques aos governos petistas. Dados mostram que o percentual de estudantes do ensino médio matriculados em cursos profissionalizantes ultrapassa 40% na Alemanha, na Dinamarca, na França e em Portugal e atinge cerca de 70% na Áustria e na Finlândia. No Brasil, apenas 9,7%.

Em 12 anos de governos de Lula e Dilma, foram criadas 282 escolas técnicas federais, três vezes mais do que foi construído em quase um século. No Governo Bolsonaro, nenhuma.

 

Colesterol alto

O risco de doenças cardíacas é um dos destaques da campanha em prol da saúde da mulher que a Med-Rio lançou neste ano. O motivo para a campanha é alertar que 50% das mulheres que realizam check-up na clínica – especializada, desde 1990, em medicina preventiva e que já realizou mais de 150 mil exames – têm apresentado altos níveis de colesterol, que é um fator de risco para AVC e infarto. Atualmente, essas doenças matam ou incapacitam as mulheres duas vezes mais do que todos os cânceres femininos, destaca o diretor médico da Med-Rio, Gilberto Ururahy.

 

Preferência pela PEC 110

Entre as duas principais propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso, a PEC 110/2019 reúne medidas mais consistentes, avaliam a gerente de consultoria tributária da Roit Consultoria e Contabilidade, Caroline de Souza, e a advogada Lilian Ribeiro, sócia da LRibeiro Advogados. A PEC 110 possui vantagens em relação à 45/2019, afirmam.

Uma diferença é que a 110 substitui nove tributos, enquanto a outra PEC prevê a substituição de apenas cinco. Nesse sentido, sublinha Caroline de Souza, a PEC 110 faz uma simplificação tributária mais ampla.

A gerente de consultoria acrescenta outra diferença: contempla a possibilidade de incentivos fiscais a alguns setores produtivos e atividades econômicas específicas. Na PEC 45 não há previsão nesse sentido.

Para a advogada, outra vantagem é que proporciona maior segurança jurídica, ao não eliminar benefícios anteriormente implantados. “A PEC 110 também dá maior autonomia para estados e municípios”, acrescenta Lilian Ribeiro.

 

Rei do lixo

Quem tem um pouco mais de idade se lembra do banqueiro Michael Milken, considerado o “rei das junk bonds” no final dos anos 1970 e início dos 80. Foi condenado por extorsão e manipulação fraudulenta do mercado. Pois acabou de ser indultado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, junto a três milionários condenados por corrupção.

 

Alto risco

A estratégia dos Bolsonaro em relação à morte do miliciano Adriano da Nóbrega é de alto risco. O presidente o chamou de capitão e disse que foi um herói. Acusa a PM da Bahia de tê-lo executado. O problema é que, se a polícia fizer seu trabalho e descobrir as ligações do miliciano, a família Bolsonaro ficará não só exposta, mas vulnerável.

 

TTT

Título da Folha explicita a relação da grande mídia com o governo: “No primeiro ano de Bolsonaro, educação, saúde e social pioram, criminalidade recua e economia vê equilíbrio”. Os jornalões toleram os malucos, temem os milicos e torcem pelos malacos.

 

Rápidas

O FGV Ibre realiza o I Seminário de Análise Conjuntural do ano logo após a divulgação do PIB de 2019 pelo IBGE. O evento será em 9 de março, entre 16h e 18h. Mais informações no portal do Ibre *** O Caxias Shopping receberá no último sábado de fevereiro o projeto “Ponto de Leitura” do Sesc RJ *** O Supermercados Mundial, tradicional rede carioca, espera um incremento de cerca de 10% na venda de bebidas neste Carnaval, comparado ao ano passado.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.