Fantoche?

Intuitivo e bom comunicador, o presidente Lula conseguiu resumir no encontro com metalúrgicos da Rolls-Royce em São Bernardo o que resta a um governo que se submete à tercerização do Estado: saber dos aumentos de preços pela imprensa e ser xingado de “filho da mãe por uma coisa que eu não fiz”. A percepção expressa com rara felicidade por Lula ajuda a iluminar o debate interno sobre a “autonomia” do Banco Central. Caso contrário, Lula também vai continuar a ser informado do aumento do preço do dinheiro (juros) pelos jornais e ter a mãe xingada por aquilo que não fez: desemprego, falta de crescimento, violência, pobreza etc. Bom filho, Lula, além de bem dirigir o país, ajudaria a preservar a memória da mãe.

A versão da guerra
O atentado contra as instalações da Al-Jazeera em Bagdá, que resultou na morte de um cinegrafista e o ferimento de outro, bem como os disparos contra o Hotel Palestine, que vitimaram três jornalistas, eram a preparação indispensável para o festival de propaganda dos invasores servido à opinião pública mundial ontem. Com a recuperação do monopólio das imagens, os Estados Unidos ofereceram um show grotesco para transformar a vitória num fato consumado e sinalizar a versão sinistra que será exibida nos próximos dias, com a transformação de carnificina em rendição e celebração seletivas.
Assim, no dia seguinte em que militares não poupam nem jornalistas ocidentais não incorporados às tropas, as imagens exibidas estão “limpas” de civis mortos, incluindo crianças e velhos. Em lugar delas, “cineminha” sobre iraquianos sorridentes com a presença dos invasores, estátuas de Saddam Hussein derrubadas, traduzindo por catarse vandalismo, depredação e saque. A edição não impediu, porém, a presença de pistas sobre o caráter B da produção de Bush. Um cartaz improvisado em inglês com um bye bye a Saddam exibido por curdos desmoraliza e põe em dúvida a seriedade de cenas exibidas semelhantes supostamente ocorridas em outras partes do Iraque. Além disso, hastear uma bandeira dos EUA sobre uma estátua do presidente iraquiano é mais emblemático do caráter da ocupação do país pretendida pelos norte-americanos que mil discursos antiimpério.

Meio controle
A declaração do ministro da Casa Civil, José Dirceu, de que Lula participa das medidas econômicas adotadas pelo governo e decide sobre elas, com exceção do futuro dos juros, a cargo do Comitê de Política Monetária (Copom), equivale à da mulher ingênua que garante ter total controle sobre seu corpo, exceto sobre estar ou não grávida. Talvez, por isso, como diz Dirceu, “Lula vive um misto de angústia e ansiedade e uma obsessão pela busca do crescimento econômico com inclusão social”. Como o Copom não vai a voto, a população, angustiada e ansiosa, exerce sua obsessão por mudanças sobre o presidente.

Apêndice
Foi patético o papel desempenhado por Tony Blair na reunião com George Bush, na Irlanda do Norte. Com um emblemático silêncio sobre o papel da ONU no governo de ocupação a ser instalado no Iraque, Bush desqualificou qualquer especulação “mais amenas” sobre o futuro do país. O episódio deveria servir para arquivar definitivamente as versões dos que, mesmo contrários à invasão norte-americana, procuram atribuir a Blair uma espécie de papel de contenção de Bush, ou de “menos ruim” da dupla beligerante. Na verdade, a síntese da atuação de Blair se resume a 11 letras: irrelevante!

Desenvolvimento
O ex-deputado tucano Márcio Fortes foi nomeado para presidir o Conselho Empresarial de Desenvolvimento e Turismo da Associação Comercial do Rio de Janeiro. A posse deve acontecer até o final do mês.

Barrados
A revista Forbes Global, braço internacional da tradicional publicação norte-americana, traz na edição que chega às bancas a lista das 400 melhores companhias de grande porte. Não basta estar entre as maiores; os últimos resultados e a percepção dos editores da revista sobre o mercado no qual atuam pesam na seleção. Entre os grandes grupos que ficaram de fora da lista estão as norte-americanas IBM e HP, o inglês HSBC, o japonês Sumitomo, e o holandês ING – este, no Brasil detém expressiva participação na Sul América Seguros.

Clonagem
Como diria o PT ao presidente FH: reajuste de 1% para servidor não é aumento, é esmola!

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMãezona
Próximo artigoPatada

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

#Occupy Bovespa

Um mês depois de o MST ter-se lançado na Bolsa, MTST ocupa B3, para protestar contra Bolsonaro, especulação, fome e desemprego.

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.