Faria: De R$ 9,7 bi de multas, só R$ 900 milhões foram pagos no setor

Menos de 10% das multas aplicadas são pagas.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria participou nesta quarta-feira de uma audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) e disse que o leilão das redes de telefonia móvel de quinta geração (5G) pode corrigir falhas na aplicação de recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust).

Criado em 2000, o Fust arrecadou o equivalente a R$ 36 bilhões por meio da contribuição de 1% sobre a receita operacional bruta das empresas telecomunicações. Segundo Faria, “nenhum centavo” foi gasto na universalização das telecomunicações. Realizado em novembro, o leilão do 5G arrecadou R$ 47,2 bilhões que, segundo o ministro, serão aplicados na expansão da rede em localidades sem internet.

— A gente tem um fantasma que se chama Fust, que já existe há mais de 20 anos e foi criado para que a gente pudesse resolver o ecossistema de internet. De R$ 23 bilhões do Fust arrecadados em valores nominais, que hoje dariam R$ 36 bilhões, nenhum centavo foi utilizado em telecom. A prioridade do Fust qual foi? Abater déficit e juros. Superávit primário. A gente está fazendo uma correção do Fust — disse Fábio Faria.

A audiência pública foi sugerida pelos senadores Rodrigo Cunha (PSDB-AL), presidente da CCT, e Jean Paul Prates (PT-RN), que deve apresentar um relatório sobre a implantação das redes 5G como política pública fiscalizada neste ano pela comissão. Jean Paul questionou o ministro sobre punições impostas às empresas de telefonia que eventualmente descumpram as obrigações previstas no edital do leilão.

— A gente tem um histórico muito difícil no Brasil. São 63 mil multas aplicadas, que somam R$ 9,7 bilhões. Desses, apenas R$ 900 milhões foram pagos e arrecadados de fato. Ou seja, menos de 10%. Se contar o que foi cancelado pela Justiça ou prescreveu, dá cerca de 7%. Se o ritmo das multas continuar sendo esse, a impunidade fica estabelecida. Como dar mais efetividade? — questionou Jean Paul Prates.

Segundo Fábio Faria, a implementação do 5G “é muito mais fácil” de fiscalizar. De acordo com o ministro, como o funcionamento das redes depende da instalação dos cabos de fibra ótica, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tem como saber in loco se o serviço foi ou não prestado pela operadora.

— Ou tem a fibra ou não tem a fibra. A empresa deixa bens e valores em garantia. No momento em que parar de investir em qualquer obrigação, ela perde 100% de tudo o que fez. É feita uma nova licitação naquele momento e chama-se um novo player para entrar no lugar. Se a empresa não cumprir, ela vai perder. Os equipamentos ficam — explicou o gestor.

O ministro defendeu o modelo não arrecadatório escolhido pela Anatel para o leilão do 5G. Para ele, o formato atraiu empresas privadas para a concorrência, que tem como meta assegurar a conexão de internet nos 5.570 municípios brasileiros e em 9.800 pequenas localidades sem qualquer forma de acesso à rede.

— O país tem 39,5 milhões de brasileiros sem internet. A gente não teria como conectá-los sem o leilão não arrecadatório. Quando as empresas têm um desembolso muito grande no começo, ficam sufocadas para fazer investimentos. As 9.800 localidades sem internet receberão, no mínimo, o 4G. Isso significa que, ao final dessas obrigações, nenhuma cidade, localidade ou comunidade rural ficará sem internet. Quem vai ser beneficiado? Não é só a empresa do agronegócio, que vai ter o 5G funcionando. É a comunidade indígena que fica no interior do Acre, que vai ter no mínimo o 4G — disse.

Fábio Faria afirmou que a Anatel deve realizar um novo leilão do 5G em 2022. A disputa deve pôr à venda 15% de faixas remanescentes, a maior parte no espectro de 26GH. Esse lote deve ser usado para atender obrigações imposta pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para o atendimento de escolas.

— No próximo ano, podemos ter mais um leilão contemplando esse espectro, assim que a modelagem de negócio fique mais clara. A gente tem hoje 85 mil escolas no Brasil: 7 mil não têm internet e 78 mil têm internet de péssima qualidade. Mal funciona o 3G. Todas as escolas rurais também receberão conexão — previu Fábio Faria.

Da Agência Senado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Importação de óleo pelo Brasil quase dobrou em 2021

Somadas a gás natural, compras passam de US$ 18 bilhões.

Taxa única sobre ultrarricos garantiria saúde universal

10 trilionários ganharam US$ 15 mil por segundo durante pandemia.

Mercado de trabalho: OIT revisa para baixo previsão para 2022

Guy Ryder: 'já estamos vendo danos duradouros ao mercado de trabalho, juntamente com um aumento preocupante da pobreza e da desigualdade.'

Últimas Notícias

Empregos na saúde ultrapassa 4,6 milhões

O número de pessoas empregadas na cadeia produtiva da saúde cresceu 0,6% entre agosto e novembro do ano passado ao atingir 4.652.588 de trabalhadores,...

RJ terá dificuldades de pagar R$ 92 bi à União

O Governo do Estado do Rio de Janeiro poderá encontrar dificuldades para cumprir o pagamento de R$ 92 bilhões devidos à União. Isso porque...

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Petrobras: recorde de produção no pré-sal em 2021

A Petrobras atingiu recorde anual de produção no pré-sal em 2021, ao alcançar 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed). Esse...

Médicos de SP mantêm greve na quarta-feira

Após se reunirem com o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, na tarde desta segunda-feira, o Sindicato dos Médicos de São...