Fato do príncipe: governo pagará salários?

Advogado afirma que, em paralisação determinada pelo poder público, este deve arcar com os pagamentos.

Medida adotada na Itália foi encampada pelo Dieese e deveria fazer parte das bandeiras das centrais sindicais diante da recessão agravada pelo coronavírus: o governo italiano arcará com 80% dos salários dos trabalhadores dos setores que sofrerem maiores impactos das quarentenas e isolamentos de regiões.

Leonardo Jubilut, advogado especialista em direito do trabalho, afirma que alguns doutrinadores, dentre eles Arnaldo Süssekind e Martins Catharino, têm entendimento que, em caso de paralisação temporária dos serviços derivada de factum principis, o governo responsável deverá arcar com o pagamento dos salários dos empregados da empresa prejudicada.

O que é o “fato do príncipe”? É caracterizado pela paralisação temporária ou definitiva do trabalho ou prestação do serviço em decorrência de ato praticado por autoridade pública (federal, estadual ou municipal). “É necessário, para sua evidência, a presença dos seguintes requisitos: ato administrativo inevitável praticado por autoridade competente; interrupção temporária ou definitiva da prestação dos serviços; e não concorrência, direta ou indireta, do empregador para a prática do ato”, explica Jubilut.

O fundamento da “teoria do fato do príncipe” reside na ideia de que a Administração não pode causar danos ou prejuízos aos administrados, ainda que em benefício da coletividade; sendo que, inevitáveis esses prejuízos, surge a obrigação de indenizar.

Isto posto, caso venha a ser necessária a paralisação temporária de atividades privadas, decorrente de ordem pública (federal, estadual ou municipal) poderá a empresa invocar a aplicação do artigo 486 da CLT, transferindo ao ente pública a responsabilidade pelos pagamentos decorrentes aos salários de seus empregados”, analisa o advogado.

 

Força maior

A inadimplência de obrigações das empresas igualmente movimenta os advogados. Daiana Mourão de Andrade, do escritório Alceu Machado, Sperb & Bonat Cordeiro, afirma que a legislação isenta o devedor de responsabilidade pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior.

A advogada lembra que as epidemias de gripe H1N1, H3N2 e Influenza B motivaram o descumprimento de diversos contratos, os quais foram enquadrados pelo Superior Tribunal de Justiça e pelas Câmaras de Conciliação e Arbitragem como caso fortuito ou força maior, do que se extrai não se poder imputar responsabilidade e sanções às empresas que porventura atrasarem a produção e entrega de seus produtos, quando comprovarem serem dependentes de matérias-primas e insumos provenientes de países com gravames decorrentes do surto do coronavírus.

Certamente, cada caso deverá ser pontualmente avaliado, sabendo-se que a preservação das atividades empresariais é essencial para a recuperação da economia brasileira, sobretudo ante o instável panorama econômico mundial”, finaliza Daiana.

 

Posse virtual

Os novos embaixadores do turismo do Rio (2020) tomaram posse através de um vídeo postado nas redes sociais, uma vez que a Fundação Cesgranrio e o Portal Consultoria em Turismo, promotores do evento, resolveram não realizar a cerimônia presencial prevista para esta quarta-feira. Segundo o coordenador geral do projeto, professor Bayard Boiteux, é a primeira vez nos últimos 35 anos que a cerimônia é cancelada.

Entre os novos embaixadores, que foram escolhidos por um júri presidido por Ana Botafogo, estão Milton Cunha, Bruno Chateaubriand e Magda Cotofre.

Atualmente são 160 embaixadores, entre os quais o colunista que vos escreve.

 

Saúde

Até quarta-feira, 186 mil casos confirmados de coronavírus, com 7,5 mil mortes. A cada minuto, 5 crianças menores de 5 anos morrem por desnutrição; outras tantas por doenças que poderiam ser evitadas. Ao todo 5,4 milhões morrem por ano. Que a ação não se limite ao coronavírus.

 

Rápidas

A YES! Idiomas ganhou, pelo 14° ano consecutivo, o Selo de Excelência em Franchising 2020, concedido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) *** Mais eventos cancelados: a Apas Show 2020 não ocorrerá de 18 a 21 de maio; nova data ainda não foi marcada. O SindusCon-SP adiou por prazo indeterminado os eventos que se realizariam sobre a NR-18 em São Paulo (19) e Ribeirão Preto (25).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.