Fato novo

O século começa com um evento que promete desdobramentos fundamentais para a luta contra o neoliberalismo. Em janeiro, o Fórum Social Mundial (FSM) se reúne, em Porto Alegre, com o objetivo de se tornar um espaço internacional para reflexão e organização “de todos os que se contrapõem às políticas neoliberais e estão construindo alternativas para priorizar o desenvolvimento humano e a superação da dominação dos mercados em cada país e nas relações internacionais”, como anuncia o manifesto do fórum.
O FSM será realizado anualmente, em janeiro, simultaneamente ao Fórum Econômico Mundial, que reúne em Davos, Suíça, a nata dos representantes do pensamento neoliberal e tem como principal base organizacional uma fundação suíça consultora da ONU e financiada por cerca de mil empresas multinacionais.
Já o FSM, que se propõe a ser um “contrapoder planetário dos cidadãos”, está constituído por ONGs, movimentos sociais, sindicatos, associações e entidades religiosas de todo o mundo. O fórum não pretende se restringir ao debate de idéia e promete organizar ações de caráter local e mundial na defesa de suas propostas.
Gênese
A proposta para criar o FSM surgiu das mobilizações de 1988, na Europa, contra o Acordo Multilateral de Investimentos (AMI), uma espécie de constituição mundial do sistema financeira que se sobrepunha às leis nacionais. E cresceu durante as grandes manifestações em Seattle, durante o encontro da Organização Mundial do Comércio (OMC), em novembro de 1999, e dos protestos em Washington contra as políticas do FMI e do Banco Mundial (Bird).
Como destaca o manifesto do fórum, essas mobilizações fizeram com que as instituições internacionais, “há décadas habituadas a tomar decisões que afetam a vida de centenas de milhões de pessoas, fora de qualquer controle democrático, descobrissem que têm, a partir de agora, de prestar contas à opinião pública”.
O FSM conta ainda com a simpatia de intelectuais, artistas, políticos e outras personalidades que já confirmaram sua participação na plenária de janeiro. São nomes como os escritores José Saramago e Eduardo Galeano, o diretor do Le Monde Diplomatique, Bernard Cassen, o ex-craque Raí, o prêmio Nobel da Paz José Ramos Horta, Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do Jubileu 2000 do Japão, Yoko Kitazawa.

Suspeito
A Polícia Federal desmente que pretenda indiciar o Raio de Bauru (RB) pelas três dias seguidos de apagão. Precavidos, os advogados do RB já entraram com pedido de habeas corpus.

Defesa
O juiz Lalau não será imolado em praça pública sem que pelo menos uma voz se levante em favor do seu direito de defesa. O até então desconhecido Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) acaba de divulgar manifesto se solidarizando com o advogado Alberto Zacarias Toros, em virtude “dos ataques que lhe vêm sendo dirigidos em decorrência de estar ele, com dedicação e eficiência, patrocinando a defesa de Nicolau dos Santos Neto”. O manifesto é assinado pelo renomado advogado Marcio Thomaz Bastos, um dos passes mais valorizados do direito brasileiro.

Doação
O secretário de Justiça e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, João Luiz Duboc Pinaud, e o diretor do Desipe, Manuel Pedro Silva, entregam hoje duas toneladas de alimentos não perecíveis à Campanha Natal sem Fome, na barraca de arrecadação instalada na Cinelândia, Centro da cidade. Os alimentos foram doados pelos detentos das penitenciárias Alfredo Trajan (Bangu II) e Hélio Gomes (Frei Caneca), que cederam um dia de almoço para fazerem a doação. Os alimentos serão transportados por um caminhão cedido pela Polícia Militar.

Brasileiro de 2002
O senador Pedro Simon (PMDB-RS) foi escolhido “O Brasileiro do Ano 2000”, na área política, pela revista IstoÉ. O prêmio será entregue a Simon e outras personalidades destacadas nas áreas de ciência, cultura e social, em São Paulo, dia 18. Segundo a revista, Pedro Simon foi escolhido por sua contribuição à ética na política, característica que marca toda a atividade do senador e se reflete em sua atuação parlamentar e na vida pública.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDestino melhor
Próximo artigoCavernas

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.