Faturas em atraso geram perda de US$ 3 tri

Estudo feito pela multinacional britânica Sage mostra que uma de cada dez faturas é paga em atraso às pequenas e médias...

Estudo feito pela multinacional britânica Sage mostra que uma de cada dez faturas é paga em atraso às pequenas e médias empresas ao redor do mundo, gerando um prejuízo nada desprezível de US$ 3 trilhões para a economia global. A inadimplência impacta diretamente os negócios de 40% das organizações ouvidas. Isso significa que os empresários das pequenas empresas tiveram que reduzir custos, cortar salários da equipe e atrasar pagamento de seus fornecedores. Em média, os donos de pequenos negócios no país gastam 14 dias de seu ano de trabalho correndo atrás de pagamentos em atraso.

Proteger o relacionamento com o cliente foi o principal motivo apontado pelos empresários para tomar medidas mais enérgicas. No Brasil, o motivo foi citado por 35% dos entrevistados. Crise à parte – até porque o estudo foi feito com 3 mil empresas de 11 países, alguns deles em situação mais confortável que o Brasil – o fato é que muitas grandes empresas se aproveitam do seu peso para realizar fluxo de caixa atrasando o pagamento a companhias menores. O motivo alegado é sempre algo burocrático, mas o resultado é o mesmo: alguns dias a mais de prazo.

 

Muita atenção

Proposta elaborada pelo Ministério das Minas e Energia, que está em análise na Casa Civil, prevê trocar os débitos de R$ 6 bilhões das geradoras de energia elétrica no Mercado de Curto Prazo (MCP) pelo aumento de prazo de outorga de concessões das hidrelétricas envolvidas.

A medida seria a solução do impasse do GSF (siga em inglês – Generation Scaling Factor, para definir o risco hidrológico), travado por liminares judiciais desde 2012.

Pelo valor e pelas companhias envolvidas, é preciso muito cuidado. É só olhar para as petroleiras, que ganharam uma isenção fiscal de centenas de bilhões com a desculpa de que o imposto por elas devido estava sendo questionado na Fazenda.

 

Primeira vez na AL

A cidade do Rio de Janeiro vai receber mais de 8 mil profissionais de 130 países, entre os dias 12 e 17 de agosto de 2018, quando acontecerá o XXI Congresso Mundial de Ciência do Solo (21st WCSS). “Nas próximas décadas, a pesquisa em ciência do solo deverá propor práticas agrícolas resilientes que possam acomodar as alterações ambientas e climáticas e a segurança alimentar. O estudo do solo é essencial e estratégico para questões como a qualidade da água, a diminuição da pobreza e a produção de energia renovável”, lembra o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Flávio Camargo, presidente do Congresso.

Realizado pela International Union of Soil Science e organizado pela Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS), o 21WCSS tem como tema “Ciência do solo: para além da produção de alimentos e de energia” e acontecerá no Windsor Covention & Expo Center (Barra da Tijuca). Será a primeira que o Congresso acontecerá na América Latina.

A Embrapa Solos (Rio de Janeiro-RJ), uma das coorganizadoras, organizará uma exposição histórica da Ciência do Solo Brasileira. “Também faremos o lançamento mundial do Programa Nacional de Solos do Brasil, Pronasolos”, conta o chefe de pesquisa e desenvolvimento do centro de pesquisa carioca José Carlos Polidoro. Detalhes em www.21wcss.org

 

Meirelles e Pezão devem explicações

Um amigo da coluna encontrou com um militante do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe), que pediu para não ser identificado. O ativista afirma que o Ministério da Fazenda fazia arresto de até R$ 500 milhões mensais nas contas do Governo do Rio de Janeiro. O confisco deixou de ser feito nos últimos sete meses, o que gerou uma boa folga no caixa. O ministro Henrique Meirelles e o governador Luiz Fernando Pezão devem apresentar satisfações públicas sobre o assunto. Afinal, o que aconteceu com a bolada?

 

Desconsideração

Com R$ 10 no bolso, um braço na tipoia e dificuldade para viajar em ônibus, trem ou Metrô, o militante citado na nota anterior esperava o depósito do 13° salário de 2016.

 

Rápidas

A Couromoda, que comemora 45 anos em 2018, abre o calendário de vendas e eventos brasileiros em 15 de janeiro, no Expo Center Norte, em São Paulo *** Dados do Rio Convention & Visitors Bureau apontam que, até 2027, o Centro do Rio receberá 96 eventos técnico-científicos, entre congressos, feiras e convenções. Durante este período, 419 mil congressistas terão passado pela região, deixando uma receita estimada em US$ 244 milhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

AstraZeneca continuará a aumentar o investimento na China

AstraZeneca, a gigante farmacêutica britânica, está otimista sobre as perspectivas econômicas e o crescimento do setor de saúde chinês, e continuará a aumentar seu investimento na China, disse Leon Wang, vice-presidente executivo da AstraZeneca, informou o Chinanews.com nesta quarta-feira.

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.