Façam seu jogo

Diretor da revista Foreign Policy e autor do livro Ilícitos: como contrabandistas, traficantes e piratas estão mudando o mundo, Moisés Naim escreveu artigo no jornal espanhol El Pais com título provocador: “A arrogância dos economistas”. Ele ironiza a imagem de ciência exata assumida por alguns economistas e cita alguns exemplos reais. Um deles: um estudo sobre países que teriam maior possibilidade de alto desempenho econômico nos próximos anos, o catedrático de Economia de Harvard Richard B. Freeman chegou à conclusão de que, para o êxito econômico de um país, “a sorte parece tão importante como a política econômica”.

Sabatina
O Conselho Regional de Economia do Rio (Corecon-RJ) acaba de criar o Centro de Estudos para o Desenvolvimento, uma unidade de estudos e pesquisa que, no futuro, se tornará autônoma. Presidida ex officio pelo presidente do conselho, João Paulo de Almeida Magalhães, o centro tem como vice-presidente executivo o economista do BNDES Maurício Dias David – ambos integrantes do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL. As atividades começam nesta quinta-feira, com uma reunião com o governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, pré-candidato do PMDB à presidência da República. O CED planeja realizar encontros com todos os candidatos, para apresentar as propostas e idéias dos economistas do Corecon-RJ.

Oxidou
A fabricação de produtos químicos de uso industrial recuou 1,04%, ano passado, em relação ao ano anterior. No mesmo período, as vendas internas caíram 3,07%. Apesar dos índices negativos, o número de pessoas empregadas pela indústria química cresceu 3,18% no ano. Os dados são da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

Raposa no galinheiro
Os players que fizeram apostas conservadoras sobre o voto do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, no seu bota-fora do STF antes de voltar à vida partidária, em março, não se decepcionaram. Jobim votou parcialmente a favor à ação direta de constitucionalidade (Adin), com a qual a Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) pretende impedir que o Código de Defesa ao Consumidor seja aplicado aos bancos. Para Jobim, as operações financeiras são assunto exclusivo do Banco Central, uma espécie de sindicato da categoria.

Perto
O Estado do Rio de Janeiro abre a série de palestras O BNDES Mais Perto de Você, em 2006. O objetivo é divulgar o método de atuação, os programas e linhas de financiamento do banco, esclarecendo aos empresários as formas de acesso ao crédito. Técnicos do BNDES apresentarão a palestra e estarão disponíveis para responder as perguntas dos empresários. A palestra será no próximo dia 6 e as inscrições devem ser feitas no site www.bndes.gov.br/palestras.asp. Em 2005, o banco fez 25 apresentações em 21 cidades.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRedundante
Próximo artigoAridez

Artigos Relacionados

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Brasil: 3% da população, 6% dos desempregados do mundo

Pode colocar na conta de Bolsonaro–Guedes.

Últimas Notícias

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.

Inadimplência cresce e atinge 61,94 milhões de brasileiros

Número de inadimplentes no país teve crescimento de 5,59% em comparação a abril de 2021; média das dívidas é de R$ 3.518,84.