Fecomércio-RJ mais que o dobro

A Federação do Comércio do Rio (Fecomércio-RJ) teve de acatar liminar a pedido de integrantes do Conselho de Representantes para examinar as contas do presidente da Federação, Orlando Diniz, que será votada pelo Conselho. A entidade não queria a presença de técnicos que auxiliassem os conselheiros. Em pauta, a alta nas despesas dos departamentos, que saltou de R$ 8,516 milhões, em 2011, para R$ 18,624 milhões, em 2012.
Não é a única disputa da Fecomércio-RJ na Justiça: a entidade tenta barrar intervenção da Confederação Nacional do Comércio (CNC) no Sesc estadual.

Clima
Se manifestantes alhures se mobilizam em defesa de seus direitos, e, alguns poucos entre eles, recorrem a paus e pedras, entre outros artefatos, a imprensa tupiniquim concorda que esses movimentos sejam batizados de Primavera Árabe. Se coisa análoga ocorre no Brasil, aí, vira Inverno Paulista ou Carioca. Certamente, a diferença de tratamento não se deve apenas às diferenças das estações.

Primavera Paulista
O vigor adquirido pelo movimento contra o aumento das passagens, particularmente em em São Paulo, surpreende e incomoda muitos por razões variadas. Em primeiro lugar, por representar uma fagulha no marasmo político que acompanha o ufanismo vazio que engolfa o Brasil já há quase duas décadas. Também é singular que tenha como alvo um dos setores que mais maltratam os brasileiros, como o de transporte, e, ao mesmo tempo, tão amigável como anunciante da imprensa decrépita. Para os acomodados e contemplados, é surpreendente o despertar de brasileiros, essencialmente jovens, que se indignam e, mais grave, ousam se levantar para protestar contra seus descalabros. Diante disso, o aumento da passagem de 6,6% é apenas uma face de uma questão que se soma aos mais variados tipos de desrespeito aos usuários, como atrasos constantes, tarifas extorsivas e serviços precários.

Guetos
O vigor demonstrado pelas manifestações contra o aumento do preço das vantagens expõe o caráter retrógrado e datado da imprensa que tentou reduzir a cobertura à criminalização do movimento e a sua desqualificação. E, ao mesmo tempo, desautoriza grupelhos que, inseguros quanto à capacidade de as idéias justas se imporem quando ganham concretude, tentam se apropriar da mobilização recorrendo a atos inconsequentes e predatórios. Esse tipo de marginal político é alimentado, registre-se, pela demofobia de governantes para os quais povo só existe em períodos eleitorais, e que consideram natural acionar a violência policial de forma totalmente desproporcional. Em ambos os casos, são movimentos inúteis que não têm força para aprisionar as ebulições sociais.

O povo manda
Conselheiro do Clube de Engenharia, Paulo Matri apóia a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apresentada pelo deputado federal Nazareno Fontes (PT-PI) que estabelece que as decisões definitivas de mérito proferidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sobre Ações Diretas de Inconstitucionalidade (Adin), entre outras decisões, “deverão ser encaminhadas à apreciação do Congresso Nacional, que, se manifestando contrariamente à decisão judicial, deverá submeter a controvérsia à consulta popular”.
“Se a atual proposta do deputado Nazareno já estivesse incorporada à Constituição, quando o Supremo decidiu sobre a Adin3.273, esta decisão seria apreciada pelo Congresso e, se ele se posicionasse contrário à decisão do STF, o povo seria chamado a votar em um plebiscito sobre a preferência ou não ao monopólio estatal do petróleo no país. Assim, quem tem o poder, segundo a própria Constituição, opinaria. Por isso, sou favorável à atual PEC do deputado Nazareno”, declarou Metri.

Financiamento
A implantação de um novo Sistema Financeiro Internacional Complementar voltado para o financiamento de projetos sustentáveis nos países em desenvolvimento e seus reflexos sobre o comércio exterior de serviços será o tema da palestra do professor Virgilio Gibbon, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços (ENAServ 2013), que será realizado dia 25, em São Paulo. O ENAServ 2013 é um evento organizado pela AEB e pelo MDIC, em parceria com a FecomercioSP, e será realizado em São Paulo, dia 25. As inscrições permanecem abertas e podem ser feitas pelo site www.enaserv.com.br.

Multi-étnica
Pela primeira vez, morreram mais cidadãos brancos estadunidenses  do que o número de nascidos. Isso só era esperado para daqui a sete anos. Em três décadas, prevêem as entidades ligadas ao censo, as minorias vão ser o grupo étnico majoritário nos Estados Unidos. Atualmente, os brancos somam 64% da população. Os asiáticos tiveram crescimento de 2,9%, os negros, de 1,3%, e os hispânicos, de 2,2%. Estes já representam um em cada seis estadunidenses.

Invasão chinesa
O parlamento da Nicarágua aprovou projeto de concessão à China para construção de um canal ligando o Atlântico e o Pacífico, o que vai gerar concorrência com o já congestionado Canal do Panamá. A concessão será por 100 anos.
 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSP marca 2,21%
Próximo artigoGeraldo Haddad

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.