34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

“Fernandécada”

Quando assumiu a presidência do banco, o presidente do BNDES, Carlos Lessa, encontrou duas instituições financeiras. Uma de financiamento, saudável, e outra de privatizações, “de transferência de propriedade de empresas públicas para empresas nacionais ou estrangeiras”. Esse banco, segundo ele construiu uma carteira de passivo de péssima qualidade, vide o caso da AES. “Na Fernandécada (anos 90) em função dessas operações ligadas às privatizações, cresceram muito os ativos e passivos do banco, sem a economia acompanhar. As operações de passivos dependiam de recursos do banco e o capital próprio do não cresceu. Em 1995, o passivo era de 5% e, agora, pulou para 20%. Isto obrigou o BNDES a dolarizar suas operações e passou a operar com uma cesta de moedas”, acusou Lessa.

Paz dos cemitérios
Um dos principais defensores dentro do governo do aumento dos gastos públicos como alavanca para a retomada do desenvolvimento econômico, Carlos Lessa usou o regime salazarista português (entre 1932 e 1968) como referência para criticar o apego aos fundamentos macroeconômicos. “Se houve um governante que respeitou os fundamentos macroeconômicos foi o Salazar. Durante seu período, as contas públicas sempre foram superavitárias.” Mas, completou Lessa, “Portugal de Salazar não foi a lugar nenhum. Perfeito equilíbrio macroeconômico e zero de crescimento.”

Estrela
A Varig foi eleita pelos leitores da revista Viagem e Turismo como a Melhor Empresa Aérea em Rotas Internacionais. A companhia – que disputou o título com empresas de todo o mundo que ligam o Brasil ao exterior – venceu pela terceira vez consecutiva o concurso O Melhor de Viagem.

Datamec
Acionistas minoritários da Datamec comemoram o que consideram o primeiro round vencido contra a Caixa Econômica Federal envolvendo cerca de R$ 9 milhões. Segundo ação defendida pelo escritório Tavares, Matteoni, Freitas de Souza & Figueira de Mello, a CEF incorporou a Datamec em 1966 e, 20 anos depois, vendeu-a para a Unisys, sem contudo pagar aos primeiros donos, que venceram a ação na 17ª Vara Federal de Brasília. A Caixa recorreu da decisão.

Macro
O Ibmec Business School criou o Ibmec Debates, para discussão, uma vez por mês, de cenários macroeconômicos e perspectivas para a economia brasileira. O primeiro encontro será hoje, sobre perspectivas econômicas para 2004, e contará com Gustavo Franco, Cláudio Considera, Arilton Teixeira e Hamilton Kai. O evento começa às 14h. Informações e inscrições: (21) 3284-4000 ou contactcenter@ibmecrj.br

Interior
BNDES, UFRJ, Uerj e CSN se unem hoje para viabilizar um pólo universitário na região do Médio Vale Paraíba, em especial em Volta Redonda (RJ). Iniciativa da deputada Cida Diogo (PT), o encontro terá também a presença dos ministros do Desenvolvimento Econômico e Social, Tarso Genro, e da Educação, Cristóvam Buarque.

Primeira mão
Somente para refrescar a memória. Em 4 de julho passado, sob o título “Submissão prorrogada”, esta coluna publicou a seguinte nota: “Mesmo sem consultar os babalorixás, ouvir outros oráculos ou ler as estrelas, esta coluna antecipa: apesar de todas negativas, o governo Lula vai acabar renovando o acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que vence em setembro. Pelo visto, o país está condenado a continuar, como diria o vice-presidente, José Alencar, garroteado durante os quatro ano de mandato petista.”

Duplo sentido
A nova retórica petista passou a comparar o acordo com o FMI à contratação do cheque especial, algo a ser usado em caso de necessidade. Num país em que os juros do cheque especial ultrapassam os 150% ao ano, a comparação ou é uma agressão à inteligência nacional ou uma crítica ferina à política ditada pelo fundo.

Artigo anteriorCorporativismo ianque
Próximo artigoConcentração
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.