Ficção

O líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), informou que o Ministério da Fazenda deve enviar, até o final desta semana, a nova proposta do governo para a reforma tributária. Madeira confirmou que a reforma é uma das prioridades do governo para o segundo semestre e disse que o Congresso não vai esvaziar este ano, apesar das eleições. “Vai ter mais gente do que se pensa”. A reforma já vem sendo debatida no Congresso há pelo menos três anos, sempre com profunda resistência da Fazenda, que não quer mudar nada, especialmente a cobrança de contribuições compulsórias, que não são repartidas com estados e municípios. Acreditar que e o assunto é prioridade e será votado em plena reta eleitoral é duvidar da inteligência dos eleitores. Mesmo que fosse verdade, seria um desrespeito com os parlamentares que discutiram o tema até agora votar às pressas uma proposta saída da cartola de tecnocratas.

Novo modelo
O MST reivindica mudanças no modelo econômico e agrícola, voltado para a agricultura familiar. No período de 1995 a 1998, mais de 400 mil agricultores perderam suas terras e mais de 800 mil trabalhadores rurais assalariados ficaram desempregados. Dos 32 milhões que passam fome, mais da metade vive no campo. Os sem-terra também estão se mobilizando contra multinacionais, como a Monsanto e a Norvatis, produtoras de sementes transgênicas. Essas duas empresas, no entender do MST, pretendem dominar o mercado de sementes, encarecendo-as e dificultando o acesso do pequeno produtor a este insumo. O movimento quer o imediato cancelamento da autorização para a produção e comercialização de transgênicos até que um estudo científico sério a respeito dos efeitos desse tipo de semente sobre os seres humanos e o meio ambiente.

Voz das ruas
Confiante em seu poder de comunicação com a população, Brizola não se mostra preocupado com as pesquisas de opinião e diz que “sente nas ruas” que já ultrapassou o PT. O candidato do PDT à Prefeitura do Rio voltou a cobrar do governo federal responsabilidade no desenvolvimento do estado e não poupou críticas ao uso, pelo governador Anthony Garotinho, dos royalties do petróleo para pagar dívidas: “Constitui-se num erro, porque está trocando um bem de valor líquido por dívida podre, que não foi feita por nós.” Brizola também comemorou o apoio do líder do MST, João Pedro Stédile, à sua candidatura.

Revogado
O presidente em exercício da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), Pedro Fernandes (PFL), disse ontem que irá revogar, após o recesso parlamentar, o pagamento de benefício de auxílio-moradia de R$ 2.225,00 a todos os deputados estaduais, autorizado por ele próprio. Apenas os que morar fora da Capital vão receber o auxílio. A medida aumentaria os salários dos deputados em até 37%, iria beneficiar por tabela cerca de 3 mil servidores, onerando o Tesouro estadual em mais de R$ 10 milhões por mês.
A decisão do deputado pefelista de conceder o auxílio-moradia a todos os deputados seria conseqüência da liminar concedida no último dia 14 pelo vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Marco Aurélio de Mello, que estendeu o benefício aos juizes do Rio. O secretário estadual de Administração, Hugo Leal, disse ontem que vai enviar documento ao governador Anthony Garotinho explicando que, se o benefício for mantido, o estado não terá dinheiro para pagar o 13º salário dos servidores.

Brioches
O jornal do Sindicato dos Urbanitários traz uma matéria revoltada contra a Light que, segundo os sindicalistas, teria, a pretexto de dar dicas de economia, recomendado aos empregados que não fizessem lanche. O jornal acha que a empresa quer que o trabalhador passe fome. Melhor seria dar um aumento salarial.

Low
A baixa popularidade do presidente Fernando Henrique Cardoso foi motivo de matéria na edição de ontem do The Wall Street Journal. A publicação afirma que os sinais de melhora da economia não estão se refletindo nos índices de aprovação de FH. “Economistas acreditam que a economia vai crescer 3,4% esse ano e 4% em 2002. Observadores explicam que a população não se beneficiou porque o crescimento está vindo de companhias que investem na economia, e não do aumento no consumo”, diz o jornal norte-americano.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComemoração
Próximo artigoChoque

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Últimas Notícias

Brasil é o 9º país que mais gastou com tarifa pré-paga

No Uzbequistão paga-se somente R$ 0,11 pelo mesmo benefício.

Faria: De R$ 9,7 bi de multas, só R$ 900 milhões foram pagos no setor

Menos de 10% das multas aplicadas são pagas.

PEC dos Precatórios abre espaço de R$ 65 bi no Orçamento de 2022

Precatórios não pagos podem chegar a R$ 121 bilhões em 2026.

Setor de defesa e segurança exportou US$ 1,57 bilhão até novembro

Indústria gerou no Brasil 2,9 milhões de empregos.

Dieese: 13º de metalúrgicos do ABC pode injetar R$ 3,6 bi na região

Total de 1,275 milhão de pessoas são beneficiadas com o pagamento do 13º salário na região.