Fidelização ou rua!

Eleita “uma das melhores empresas para se trabalhar” no ranking de uma revista semanal, uma tradicional instituição de ensino recorreu a metodologia bastante heterodoxa para se submeter à avaliação de seus próprios funcionários. Além de terem de acessar computadores do próprio curso para responder ao questionário do levantamento, os funcionários tinham de digitar seu número de matrícula no formulário.

Convite ao gasto
Economia de até 40% nos custos de aquisição de serviços e produtos se o sistema de carta-convite for eliminado da Lei de Licitações. Esta é a previsão da Associação Brasileira de Municípios (ABM), que defende que as compras sejam feitas por leilão – presencial ou eletrônico. Outras alterações na Lei das Licitações serão sugeridas pela entidade no III Seminário Nacional de Gestão Pública, dia 12, em Brasília. A ABM quer a correção dos valores de licitação pela variação acumulada da inflação desde 1993, ano em que foi editada a lei. As prefeituras, hoje, estão obrigadas a licitar qualquer despesa acima de R$ 8 mil.

Contas abertas
O seminário da ABM marcará o lançamento do Portal da Transparência Municipal. Com as informações, o cidadão poderá acompanhar e avaliar, pela Internet, a solicitação, liberação e aplicação de recursos públicos, descobrindo indícios de irregularidades por sua própria investigação, promete a entidade. Inscrições para o seminário pelo site www.abm.org.br

Trava ideológica
Na contramão do senso comum, o economista João Sicsú, da UFRJ, afirma que não foi a economia que blindou a política, mas a política é que continua blindando a economia. Ele alerta, no entanto, que, longe de positivo, esse engessamento embute grave ameaça à existência de um democracia efetiva: “Processo eleitoral sem possibilidade de mudança é eleição sem política, política sem possibilidade de mudança não é política, e democracia sem política não é democracia”, afirma Sicsú, em entrevista à edição eletrônica do Correio da Cidadania.

Democracia cosmética
Para Sicsú, “os liberais têm sido muito habilidosos e vitoriosos no terreno da política e da disputa de idéias. Nas eleições de 2002, por exemplo, ganharam de uma só vez o governo e a oposição. Nas eleições de 2006, apóiam os dois principais candidatos em intenção de votos. Podem, novamente, fazer dobradinha. Isso ninguém pode negar: a principal arena dos liberais é a política e a disputa de idéias. Vencem as eleições e ganham as condições para implementar o seu modelo na economia. Eles têm afirmado a idéia de que a continuidade é um valor universal, tal como a honestidade, a sinceridade. Mas a continuidade de qualquer coisa é apenas uma possibilidade, não é um valor universal.”

Biodiversidade
Responsável pelo Programa de Conservação da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Bráulio Dias está no Rio para discutir com empresários o engajamento do setor privado na Convenção de Diversidade Biológica (CDB). A reunião será realizada nesta terça-feira, às 10h, no auditório do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), localizado na Avenida das Américas, 1155 / sobre-loja – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro (RJ).

Mais TI
Com mais de meio milhão de empresas de pequeno e médio porte na América Latina (companhias de dez a 499 funcionários), a consultoria IDC espera que esse segmento invista cerca de US$ 10 bilhões em tecnologia da informação (TI) em 2006. Para 2009, a expectativa é que o total alcance US$ 14 bilhões. Mais da metade das 1.900 empresas entrevistadas vai aumentar o orçamento de TI em 2006, quando comparado a 2005. A Argentina é o país que apresenta maior crescimento de investimento no segmento de pequenas e médias empresas, seguido pelo Brasil. As prioridades de investimentos para este ano são: soluções de segurança, seguidas das soluções de ERP (auxílio ao planejamento).

Buraco
As condições do asfalto de rodovias privatizadas, como a Dutra ou a Ponte Rio-Niterói, não condizem com os pesados pedágios cobrados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMeião
Próximo artigoCapital financeira

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.