Filme velho

Os empresários ligados à Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), que tanto pediram a privatização da atividade, estão solicitando investimento total no valor de US$ 1,5 bilhão em modernização de equipamento e informatização nos portos brasileiros. Preferem, é claro, que o dinheiro saia dos cofres do BNDES.

Causa própria
O acordo do Brasil com o FMI servirá apenas para garantir pagamento aos bancos credores do país, a maioria dos EUA e muitos deles em dificuldades, alfineta o economista norte-americano Lyndon LaRouche. Opinião, aliás, endossada pelo Wall Street Journal, em sua edição de ontem – apesar do economista e a publicação raramente concordarem sobre algum tema. A bíblia dos mercados financeiros publicou que os bancos pressionaram Bush temerosos do estrago que um calote brasileiro causaria. LaRouche não vê outra solução para a crise que não congelar a dívida atual, manter uma cotação real-dólar e acabar com a livre conversibilidade.

Efeito Orloff
O acordo com o FMI – que surpreendeu os mais desavisados pelo valor, três vezes maior do que o inicialmente estimado – permite algumas conclusões iniciais:
1 – A situação é pior do que se imaginava;
2 – Nem o governo – mais especificamente, a equipe econômica – nem o FMI acreditam mais numa vitória do candidato governista e partiram para engessar o próximo presidente;
3 – Quem assumir a Presidência em janeiro de 2003 vai ter a seu lado a sombra de De La Rúa; como deve ser um candidato de oposição à atual política econômica – e todos têm sido críticos, inclusive o governista Serra, que ontem falou, em entrevista a uma rádio, que “a vaca estava indo para o brejo” – a situação fica mais delicada. A paciência do povo brasileiro, ainda que maior que a do argentino ou do uruguaio, tem limites – Collor que o diga.

Bola fora
A divulgação do acordo comprovou, uma vez mais, que o endeusado “mercado” não tinha a mínima idéia do que estava acontecendo, mas ainda assim conseguia emplacar suas previsões (esta coluna, polidamente, evita falar em “chutes”) e especulações nas colunas de plantão nos “jornalões”. No dia do acordo, alguns jornais publicavam números com erro de 100%.

Ressaca
Só agora – e o MM espera ter contribuído para isso – alguns empresários do setor produtivo estão se dando conta de que o acordo com o FMI é a tentativa de perpetuar a estagnação econômica, com direito a arrocho tributário ainda maior.

A favor do contra
Parece não restar mais dúvidas de que as declarações do ex-presidente Fernando Collor “a favor” de Ciro Gomes são provocadas pelos “colloridos” que integram a campanha – não de Ciro, mas de seu adversário José Serra. Repercutidas pela mídia governista, as declarações de Collor são uma forma de tentar “queimar” o candidato da Frente Trabalhista.

Plano B
Tantas opções estão sendo oferecidas ao Brasil depois que a Aeronáutica constatou que o Projeto FX (compra de caças modernos) vai atrasar que o sítio da Internet [email protected] (www.defesanet.com.br) já fala num programa FX do B. A Aeronáutica cogitou, para fazer a transição entre a aposentadoria do Mirage e a chegada dos novos aviões, trazer via leasing caças Kfir C10 usados da Força Aérea  Israelense. Mas os concorrentes que disputam o Projeto FX correram para apresentar seu plano B, com aviões de séries mais antigas. O objetivo é fincar o pé e ganhar pontos na futura concorrência – que, apesar do atraso, deverá sair.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOlho vivo
Próximo artigoSalão de beleza

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.