Fim da isenção sobre dividendos afeta o 0,01% mais rico

Topo da pirâmide recebe R$ 230 bilhões e só paga 1,8% de imposto.

Semana passada, a coluna comentou sobre as críticas vindas da Faria Lima à proposta de acabar com a isenção de Imposto de Renda sobre lucros e dividendos recebidos por pessoas físicas. Entrevista do secretário especial da Receita Federal, José Tostes, ao Estadão revela porque as pressões vindas da Faria Lima e outros endereços nobres são tão fortes. Segundo Tostes, os afetados caberiam em 10 composições do metrô paulista – embora raramente usem o meio de transporte: são exatamente 20.858 pessoas.

Em uma população de 213.297.370 (dados do IBGE, estimativa desta segunda-feira), temos aí os tais 0,01% do topo da pirâmide brasileira. Que receberam R$ 230 bilhões sem pagar um centavo de imposto. Considerando todos os rendimentos tributáveis desse pequeno grupo de endinheirados, a alíquota média de imposto que eles pagam é de 1,8%. Quem ganha de 10 a 15 salários mínimos paga uma taxa efetiva de 9,7% – 5 vezes mais.

Uma reclamação de tributaristas é que a carga tributária vai aumentar. O secretário da Receita aponta que não pode haver confusão entre pessoa física e jurídica. Em estudo de feito ano passado pelo economista Sérgio Gobetti, especialista no assunto, mostra que, entre as companhias abertas, a carga tributária média é de 22%, bem inferior ao que dizem os porta-vozes da Faria Lima.

 

Conhecer para atuar

Entender o mercado de consultoria é o primeiro passo para o ingresso de executivos em transição de carreira e aposentados das áreas pública e privada. Vejamos os números:

– 90,2% dos potenciais clientes têm conhecimento do consultor pela indicação de cliente satisfeito

– 57,2%, pela indicação de outro consultor.

Os números também mostram a participação das mulheres no segmento (40,3%) e o amadurecimento do setor: 64,7% dos profissionais têm mais de 40 anos, sendo 28,2% com 60 anos ou mais.

O consultor Luiz Affonso Romano, coordenador da pesquisa anual Perfil das Empresas de Consultoria do Brasil, mostra que o estudo é um panorama completo sobre o setor.

 

Mãe de todas as crises

O professor Nouriel Roubini alerta para a “mãe das crises de dívida estagflacionárias” nos próximos anos. “A estagflação da década de 1970 em breve encontrará as crises da dívida do período pós-2008. A questão não é se, mas quando”, alerta em artigo.

 

Rápidas

A Qualicorp fechou um acordo com o Banco Inter que possibilitará os mais de 11 milhões de clientes contratar planos de saúde coletivos por adesão de forma digital, diretamente no aplicativo do banco *** FGV Educação Executiva realizará nesta terça, 18h, o webinário “Cadeias Globais de Valor: como o Brasil pode disputar investimentos com a Ásia”, com o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz. Inscrições aqui *** Entre 8 e 18 de julho, Petrópolis receberá o Serra Wine Week, com a participação de 21 estabelecimentos e ofertas de vinhos com descontos de até 37%.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.

Evangélicos querem votação presencial na PL dos Cassinos

Alternativa é pressionar Arthur Lira para retirar o projeto de pauta.

Últimas Notícias

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.