Fim de festa

“É uma festa em que o champanhe já acabou.” A frase é do economista Maurício Dias David, ao comentar relatório da Unctad dando conta de que o fluxo de investimento direto estrangeiro (IDE) para o Brasil cresce percentualmente acima dos demais emergentes. David considera que a crise mundial e a resposta de uma nota só dada pelo Brasil (aumento da taxa de juros) irão inibir a entrada de capital produtivo no país.

Canguru
De acordo com o Departamento de Imigração da Austrália, há alguns anos, apenas cinco mil brasileiros viajavam para o país com o objetivo de fazer cursos. Em 2007, este número subiu para cerca de 12 mil intercambistas. Pelo ritmo de crescimento do primeiro semestre de 2008, a expectativa é que o Brasil envie 15% mais estudantes para a Austrália que no ano passado. Além dos cursos de inglês, as pós-graduações são a grande meta do momento. A agência de intercâmbio Australian Centre, de olho nesse mercado, inaugurou uma filial no Rio de Janeiro. A empresa, que cresceu 50% no ano passado, prevê que a nova loja responderá por 25% a 30% do faturamento nos próximos meses. Segundo a agência, o custo de vida nas principais capitais australianas é bem mais baixo que nos Estados Unidos e na Inglaterra e os salários são o dobro dos pagos nos EUA e na Europa.

Sem medalhas
Para quem acredita num país de classe média com renda residencial de R$ 1 mil, a performance do Brasil nas Olimpíadas pode ser considerada “razoável”, como analisou o presidente Lula, ou até “positiva”, como preferiu o ministro dos Esportes, Orlando Silva. São visões que rebaixam as ambições do país, tanto as olímpicas, quanto as referentes ao desenvolvimento, a patamares próximos da mediocridade. No primeiro caso, destina ao Brasil o pódio do quase nada; no segundo, a medalha de lata dos países em desenvolvimento, ou emergentes no jargão do relatório dos bancos que tanto mobilizam os tecnocratas tupiniquins.

Turismo
A UniverCidade inaugura um ciclo de palestras, nesta quarta, para alunos de Turismo e Hotelaria, que contará com a participação do secretário de Turismo do Rio, Rubem Medina, e do deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ), que falará sobre “Políticas Públicas de Turismo”. O evento será no Teatro da Cidade, em Ipanema.

É a política!
A avaliação é de um observador que acompanha as eleições brasileiras há 30 anos: “Numa campanha morna, candidato sem máquina de governo querer disputar o discurso da eficiência com quem está no poder é suicídio eleitoral.” Para esse analista, só existe uma forma de um candidato sem máquina partidária tentar bater um adversário com apoio de instância de governo: politizar a campanha, para tentar se diferenciar por sua trajetória e sua visão de mundo.

Chineses
O analista cita como exemplo a briga entre a candidata do PCdoB à Prefeitura do Rio, a ex-deputada Jandira Feghali, e seu concorrente do PMDB, o ex-deputado Eduardo Paes, por uma vaga no segundo turno. Ele ressalva, porém, que, com a pasteurização da política, “os candidatos estão cada vez mais chineses”. “Isto é, muito parecidos”, ironiza.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorViúvas” do Menem
Próximo artigoCardápio
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.