Fim de festa

O aprofundamento da crise internacional pode  levar ao desaparecimento de 40% das empresas de private equity – investimentos em empresas de maior risco com objetivo de obter retorno superior à média de mercado – do mundo nos próximos três anos. A conclusão é do livro Get Ready for the Private-Equity Shakeout, da Iese Business School, de Barcelona, e da empresa global de consultoria The Boston Consulting Group (BCG). Autores do livro, o professor Heinrich Liechtenstein, da Iese, e Heino Meerkatt, sócio-sênior e especialista em private equity do BCG, baseado em Munique, o livro baseia-se em dados públicos de empresas de private equity, portfólio de empresas, bancos e cotações de credit default swaps (CDS), além de análises deles sobre níveis de transações de empréstimos e probabilidades de inadimplência.

Direção oposta
Segundo os autores, o impacto mais importante da crise nas de equity funds será mais forte do que nas demais. Ele calculam que entre 20% e 40% daquelas empresas vão naufragar, 30% vão sobreviver e o restante enfrentará enormes dificuldades: “Quase todas empresas de private equity foram capazes de obter um crescimento exponencial devido a um clima financeiro e econômico favorável de forma incomum e, em particular, em consequência de quatro importantes aceleradores do crescimento: quantidades muito grandes de crédito barato, lucratividade em crescimento em todos os setores, preços em elevação dos bens e a alocação de recursos significativos de investidores institucionais em fundos de private equity. A recente crise financeira e econômica colocou rapidamente todos esses fatores correndo na direção oposta.”

Castelos&castelos
Como esta coluna previu na edição do fim de semana, o deputado Edmar Ferreira não emplacou a semana que inicia no cargo de corregedor da Câmara dos Deputados. Na verdade, mais do que as irregularidades de que foi acusado, Ferreira caiu pelo simbolismo. A imagem de um castelo avaliado em R$ 25 milhões numa região extremamente simples de Minas transformou o deputado eleito pelo DEM num forte candidato à ira da opinião pública. Pena que, com o governo torrando R$ 162 bilhões em juros, apenas em 2008, os brasileiros não sejam mobilizados com a mesma intensidade contra uma política que permite a um reduzido grupo de rentistas o direito de comprar castelos à custa do desvio de dinheiro do setor produtivo.

Folia
O comércio lojista carioca espera um crescimento de cerca de 10% nas vendas de Carnaval em relação ao ano passado. Segundo pesquisa do Clube dos Diretores Lojistas (CDL-Rio), roupas esportes (30,8%), fantasias (23,1%), adereços para o carnaval (19,2%) e tecidos (15,4%) serão os produtos mais comprados. O preço médio das compras será de cerca de R$ 80, e os clientes deverão utilizar o cartão de crédito parcelado (53,8%) como forma de pagamento.
Aldo Gonçalves, presidente da entidade, diz que a expectativa de uma demanda aquecida neste período de verão e Carnaval leva em consideração que no ano passado fevereiro foi um mês de movimento fraco para o comércio lojista.

Artigo anteriorEnsino com cerveja
Próximo artigoPrestação
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.