Fim do pacto

Só um tolo ou ingênuo pode acreditar que, retirando Dilma da Presidência, o Brasil resolveria a crise de poder, sempre latente, mas que se instalou de forma aguda nos últimos anos. Só uma elite muito empedernida pensa que um novo pacto de classes se resolverá com um golpe de mão. A radicalização de medidas que retiram direitos tidos como perenes pela população só agravará a tensão, com consequências, como já disse esta coluna, imprevisíveis, porém com certeza, graves.

O ministro do Supremo Marco Aurélio desposa esta tese, como afirmou na quarta-feira: “Nós não teremos a solução e o afastamento das mazelas do Brasil apeando a presidenta da República. O que nós precisamos, na verdade, é de entendimento, de compreensão e de visão nacional.”

Como escreveu em artigo publicado na terça-feira o economista Ranulfo Vidigal, integrante do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL, “o Brasil de hoje vive um fim de ciclo econômico e pacto de classes, onde a composição de governo e a definição de políticas públicas incorporavam oligarquias regionais, empresariado industrial, rentistas, agronegócio, construção civil pesada e residencial e os interesses dos capitais externos no petróleo e na indústria automobilística”.

Este acerto está em vias de extinção e os intelectuais orgânicos que representam os interesses do capital financeiro anunciam, aos quatro ventos, que para voltarem ao jogo exigem estabilidade monetária e responsabilidade fiscal, na forma de encolhimento dos gastos sociais expandidos na fase áurea do ciclo econômico recente. O que permitiu reduzir a pobreza e a indigência, mas ainda revela um caminho longo para redução das desigualdades de acesso aos ativos básicos (capital humano, infraestrutura, inovação) necessários para o incremento da qualidade de vida nas sociedades modernas.”

Uma trégua do grande capital e da mídia aliada, com o impeachment de Dilma, não passará disso: uma interrupção temporária. A solução é bem mais profunda.

Confiança

Pesquisa mostra que O Globo é o jornal mais confiável do país. Donde se conclui que as pesquisas estão cada vez menos confiáveis.

Nível 7

Com indiciamentos no trensalão e prisões na máfia da merenda, O Globo não teve como evitar colocar os tucanos José Serra e Geraldo Alckmin nas manchetes. Mas a blindagem de Fernando Henrique Cardoso subiu para o nível 7: citado na delação premiada de Pedro Corrêa, o ex-presidente foi ignorado pelo jornal mais confiável do país. Também citado na compra de votos para reeleição de FHC, o Itaú ficou igualmente ausente das matérias. Em outras ocasiões, delação premiada, ainda que sem prova alguma, é tratada pela mídia como condenação.

Nota paulista

Para auxiliar a resgatar créditos junto ao programa da Nota Fiscal Paulista, o aplicativo Créditos NFP mostra ao usuário qual o saldo disponível, além de notificar sobre novos créditos e possibilitar o saque automático para a conta corrente. Hoje são mais de R$ 4,5 bilhões não resgatados, e anualmente cerca de R$ 700 milhões expiram e voltam para os cofres públicos.

Rápidas

O Polo de Plantas Ornamentais de Guaratiba realiza a segunda edição do evento Jardins do Rio, que reunirá os produtores locais em um espaço ao ar livre, onde também estarão expostos oito ambientes criados por paisagistas convidados. Os visitantes poderão provar pratos produzidos pelos restaurantes dos polos gastronômicos de Barra e Pedra de Guaratiba. A mostra começa nesta sexta e se estende pelo final de semana, das 9h às 18h, no Espaço Galeria Jardim (Sítio Meio do Mato), Estrada da Ilha 200, Ilha de Guaratiba (RJ) *** O projeto de lei de autoria do deputado estadual Sebastião Santos (PRB) que institui o Roteiro Turístico do Peão do Boiadeiro, integrado pelos municípios de Barretos, Bebedouro, Colina, Monte Azul Paulista e Viradouro, foi aprovado na Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A proposta retornará para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e em seguida para votação em plenário *** O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) e os deputados federais Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Leonardo Picciani (PMDB-RJ) são os convidados do programa Mariana Godoy Entrevista que vai ao ar nesta sexta-feira, a partir das 23h10, ao vivo, na RedeTV! *** O Secretário de Estado de Turismo do Rio de Janeiro, Nilo Sérgio Felix, irá ministrar a aula inaugural do curso de Turismo da Facha, com o tema “O Turismo no Estado do Rio de Janeiro”. Será dia 6, às 10h, no auditório da Faculdade (Rua Muniz de Barreto,51 – Botafogo – RJ). A aula será aberta a todos os interessados *** A Abes anuncia Francisco Camargo como novo presidente da entidade e Paulo Milliet Roque como vice-presidente *** O engenheiro agrônomo Hugo Borsari é o novo diretor do Negócio de Sementes de Soja da Bayer. O executivo tem 13 anos de experiência no agronegócio *** Luciana Coen, diretora de Comunicação Corporativa e Responsabilidade Social da SAP Brasil, passa a integrar o Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.