31.3 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

Financiamento imobiliário pela inflação custou R$ 65 bi à viúva

Poucos duvidam que os bancos privados vão seguir a Caixa e passar a oferecer financiamento imobiliário corrigido pela inflação, mais juros. As prestações ficam, num primeiro momento, de 30% a 50% mais baratas. Porém, a História mostra que a vantagem inicial pode se transformar em pesadelo.

O Sistema Financeiro da Habitação (SFH), criado em meados da década de 1960, instituiu a correção monetária. Tudo funcionou bem até o final da década seguinte, quando estourou a crise da dívida, na esteira da crise do petróleo. A inflação foi às alturas (em março de 1990, Sarney e Maílson bateram o recorde, com alta de 84,3% no mês), e as prestações pagas pelos mutuários nem ao menos conseguiam abater os juros sobre o saldo devedor, turbinado pela alta dos índices de preços.

As ações se multiplicaram na justiça. Em 1986, o Banco Nacional da Habitação (BNH) foi extinto, em meio a escândalos de corrupção. Os contratos de financiamento efetivados nas décadas de 60 e 70 foram vencendo, e o saldo devedor deixou um rombo enorme no Fundo de Compensação das Variações Salariais (FCVS), criado para atenuar o descasamento entre os reajustes dos salários e a inflação. O resultado foi um rombo de R$ 65 bilhões (em valores atuais) que caiu no colo da Viúva.

Isso não significa que o quadro se repetirá, mas aprender com a História é uma boa forma de evitar erros antigos (e se concentrar em erros novos). Economistas de mercado estimam que a inflação não superará a faixa de 5% ao ano nos próximos cinco anos. São os mesmos especialistas que previam, no final de 2018, um crescimento superior a 2% da economia brasileira em 2019…

A Caixa busca se resguardar. O financiamento corrigido pela inflação exigirá um comprometimento máximo de 20% do salário do mutuário; nos empréstimos imobiliários pela TR, o cliente pode comprometer até 30% da renda. Assim, fica uma folga para o caso de os preços subirem em ritmo mais acelerado.

Reativar a construção civil é um passo importante para reanimar a economia. Novas modalidades de financiamento são importantes. Porém, é preciso estar atento para não cair em armadilhas. No caso de empréstimos com prazo de até cinco anos, a correção pela inflação pode compensar, dizem os especialistas. Todo risco deve ser pesado.

 

Sitiados

Uma mulher foi vítima de bala perdida enquanto estava no trabalho, no Rio de Janeiro, em meio a um confronto entre a polícia e traficantes. Dias atrás, o governador Wilson Witzel, comentando um cidadão baleado enquanto estava no ponto de ônibus, disse que não se deveria ficar esperando condução em meio a uma operação policial.

Será que agora ele vai recomendar que os fluminenses parem de trabalhar?

 

Destruição

Enquanto Bolsonaro segue em sua política de dar destaque ao acessório, de reservas indígenas às chamas na Amazônia, a economia segue congelada.

 

Confirmou

Esta coluna daria o que tem e o que não tem para ouvir o vazamento das prováveis conversas entre integrantes da força tarefa da Lava Jato e a procuradora Jerusa Viecili, após esta ter confirmado – com um pedido de desculpas a Lula – a veracidade da Vaza Jato.

 

Elvis e Queiroz

Certa vez, pesquisa nos EUA mostrou que uma parcela dos norte-americanos acreditava que Elvis não morreu e vivia no porão da Casa Branca. Em 2019, há muitos brasileiros que acreditam que Queiroz habita o Palácio do Alvorada e por isso a agenda de Bolsonaro, lá, virou segredo.

 

Rápidas

As executivas Claudia Woods (diretora-geral Uber Brasil), Paula Paschoal (diretora-executiva do PayPal Brasil), Fiamma Zarife (diretora-geral do Twitter Brasil) e Priscila Laham (VP Comercial da Microsoft) estarão no painel “Líderes em tecnologia: desafios de quem está mudando o mercado”, nesta quinta, no Mercado Livre Experience 2019 *** Marta Porto, pensadora e crítica cultural, lança o livro Imaginação – Reinventando a cultura, com debate sobre o tema, no Centro de Pesquisa do Sesc- SP, nesta sexta-feira *** “Financiamentos de arbitragem” é o tema do seminário que o Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) realizará nesta quinta-feira, das 17h30 às 19h30. Inscrições em iabnacional.org.br

 

 

 

 

 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.

UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021; economista mantém previsão de crescimento do PIB do país em +3,5%.

Exterior abre positivo e Copom no radar interno

Na Ásia, Bolsas fecharam sem sinal único; Hong Kong registrou avanço de 1,08%.

Índice Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos

No momento, o futuro do índice Ibovespa está em alta de 0,03% e o futuro do dólar está em queda de -0,34%.

Comportamento indefinido

Ontem, logo cedo, Europa seguia a trilha de alta dos mercados da Ásia, o mesmo acontecendo com o mercado americano.