Firjan fala em redução da atividade industrial na Baixada

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Sondagem Industrial da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Sistema Firjan), abrangendo as cidades de Itaguaí, Japeri, Mangaratiba, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados e Seropédica, aponta que, em setembro, houve queda da atividade industrial na região. O indicador de volume de produção atingiu 44,5 pontos e com isso a indústria supriu a demanda por seus produtos através da redução do nível de estoques. A pesquisa sinaliza ainda que a baixa atividade teve reflexos no mercado de trabalho, com o registro de queda no número de empregados. A pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, dia 9, varia de zero a cem pontos. Os valores abaixo de 50 indicam redução ou pessimismo e acima de 50 representam aumento ou otimismo. Com relação às condições financeiras, os empresários entrevistados se mostraram insatisfeitos no terceiro trimestre. A situação financeira ruim (35,1 pontos) mostrou-se mais disseminada entre os empresários, com a queda da margem de lucro e a dificuldade de acesso ao crédito. Para os próximos seis meses, os empresários da região esperam um aumento da demanda por produtos, tendo como reflexo a perspectiva de aumento na compra de matérias-primas. Com relação às exportações, os industriais estão pessimistas. Neste cenário, o número de empregados deve se manter estável. - A crise pode ser uma grande oportunidade para inovarmos, com criatividade podemos fechar bons negócios. Apesar de enfrentamos uma fase muito difícil, precisamos acreditar em dias melhores - enfatizou Carlos Erane de Aguiar, presidente da Representação Regional Firjan e do Centro Industrial do Rio de Janeiro (Cirj) Baixada Fluminense Área I, Nova Iguaçu. Situação continua ruim - Já a sondagem abrangendo as cidades de Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Magé, São João de Meriti (na Baixada Fluminense) e até Teresópolis (na Região Serrasa) aponta que os empresários industriais mostraram-se insatisfeitos com as condições financeiras de suas empresas no terceiro trimestre do ano. Diante da baixa margem de lucro e da dificuldade no acesso ao crédito, o indicador relacionado à situação financeira registrou 35 pontos. A pesquisa, divulgada na última quarta, varia de zero a 100 pontos. Os valores abaixo de 50 indicam redução ou pessimismo e acima de 50 representam aumento ou otimismo. A federação também sinaliza que, em setembro, houve redução da atividade industrial na Baixada. O indicador de volume e de produção marcou 38,2 pontos. Com isso, a demanda por produtos industriais foi suprida através da redução do nível de estoques. Por conta da baixa atividade, o número de empregados registrou queda na comparação com o mês anterior. A sondagem revela que, para os próximos seis meses, os empresários da região esperam redução da demanda por produtos. Como consequência, a perspectiva é de queda na compra de matérias-primas e no número de empregados. Apesar disso, projetam aumento das vendas para o exterior. - A sondagem industrial da Baixada reflete a situação crítica em que a economia do Brasil e as empresas se encontram. Através do Conselho Empresarial da Firjan, continuaremos pensando em saídas estratégicas, lutando para solucionar problemas que afetam a indústria e pelo desenvolvimento econômico da região - ressaltou Roberto Leverone, presidente da Representação Regional Firjan e do Cirj Baixada Fluminense Área II, em Duque de Caxias.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor