Fluxo de consumidores tem sétima alta mensal consecutiva

Pelo sétimo mês consecutivo, o fluxo de visitantes no varejo brasileiro voltou a crescer no comparativo mensal. É o que mostra o Índice de Performance do Varejo (IPV), feito em conjunto pela FX Data Intelligence, especialista em visão computacional dirigida por IA, fornecendo insights estratégicos para o varejo, e pela F360º, plataforma de gestão de varejo para franquias, pequenos e médios varejistas, em parceria com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

No comparativo de novembro de 2020 com outubro do mesmo ano, houve aumento de 6,69% na movimentação dos shopping centers e de 21,23% no comércio de lojas de todo o país. As lojas situadas nos centros de compras tiveram o melhor desempenho, com crescimento de 30,07%, enquanto as localizadas em ruas cresceram 8%. É o sétimo mês consecutivo em alta no indicador, refletindo a reabertura do comércio durante a pandemia de Covid-19.

Na análise regional, as lojas físicas do Centro-Oeste tiveram o melhor desempenho no fluxo de consumidores, com 42,61%, seguidas pelos estabelecimentos do Sul, com 41,72%¸ e do Nordeste, com 36,62%. Já as regiões Sudeste e Norte cresceram 19,05% e 3,12%, respectivamente.

Entre os shopping centers, o Nordeste puxou o crescimento do segmento em novembro, com alta de 11,69%. Já os centros do Sudeste cresceram 4,68% e os do Sul, 3,78%. Os centros de compras do Centro-Oeste e do Norte não tiveram amostragem significativa no levantamento.

Nas categorias, beleza apresentou o melhor desempenho de fluxo no período, com 55,28%. Departamento (21,62%), eletroeletrônicos (21,51%), moda (21,36%), utilidades domésticas (19,49%) e ótica (17,84%) também cresceram dois dígitos. Já drogaria, home center e calçados subiram, respectivamente, 9,82%, 4,33% e 2,75%.

Porém, mesmo com datas promocionais e alta no comparativo mensal, o fluxo de visitantes no varejo segue longe do patamar registrado em 2019. No comparativo com novembro do ano anterior, houve queda de 54,57% nos shopping centers e de 37,25% nas lojas físicas. É o melhor patamar dos centros de compras desde março, o primeiro mês da pandemia.

As lojas de rua sentiram menos, com -33,47% e acumulado de -28,30% em 2020. Já as que estão inseridas nos centros de compra ficaram em -38,56% na comparação com novembro de 2019 – o acumulado do ano é de -46,49%.

Entre as lojas físicas, todas as regiões tiveram índice negativo. O menor recuo foi registrado no Nordeste, com -24,77%. O Norte teve queda de 26,98%, seguido por Sudeste, com -41,1% e Sul, com -45,43%. O Centro-Oeste teve o pior desempenho, com -47,11%. O acumulado nacional de janeiro a novembro de 2020 é de -40,91%.

Entre os shopping centers, o pior desempenho foi da região Sul, com -70,81%, seguida pelos centros do Sudeste (-56,92%) e do Nordeste (-41,42%). Os shoppings do Norte e do Centro-Oeste não tiveram amostragem suficiente para análise anual. O acumulado dos dez primeiros meses do ano no país para os centros de compra é de -58,18%.

Apenas uma categoria teve alta na comparação com outubro de 2020: home center, com 8,19%. As demais tiveram recuos de dois dígitos. Eletroeletrônicos caiu 15,79%, seguido por departamento, com -26,9%. Depois aparecem drogaria (-33,05%), utilidades domésticas (-33,64%), beleza (-34,45%), calçados (-34,81%) e ótica (-36,51%). Moda teve o pior desempenho (-48,23%).

As vendas seguiram o padrão do fluxo de consumidores e também continuaram em alta no comparativo mensal em novembro de 2020. Tanto o volume financeiro quanto o de pedidos subiram no levantamento realizado pela F360º, plataforma de gestão financeira com conciliação automática de vendas por cartão para o pequeno e o médio varejista.

Na comparação do total de pedidos realizados em novembro com o de outubro de 2020, as lojas localizadas em shopping centers cresceram 25,08%, enquanto as lojas físicas subiram 22,32%. Entre as regiões, o melhor desempenho foi do Nordeste, com 32,44%, seguido por Centro-Oeste (23,79%), Norte (22,15%), Sudeste (21,29%%) e Sul (15,25%).  Já em relação a novembro de 2019, o número de pedidos realizados caiu 3,25% nas lojas de rua e ficou em -25,33% nas lojas de shopping centers. Entre as regiões, o menor recuo foi no Norte, com -1,8%, seguido por Nordeste e Centro-Oeste, com -4,32% e -5,06%, respectivamente. A região Sul caiu 12,61% e o Sudeste teve o pior desempenho, -14,22%.

Na análise do faturamento, as lojas de shopping cresceram 26,73% na comparação com outubro de 2020, enquanto as lojas de rua subiram 18,11%. O Nordeste teve o melhor desempenho regional, com 24,86%, seguido por Centro-Oeste (21,32%), Sudeste (19,53%), Norte (15,53%) e Sul (12,94%).

Quanto ao volume financeiro em relação a novembro de 2019, as lojas de rua registraram leve crescimento, de 1,15%, e as de shopping centers caíram 10,48%. As regiões Nordeste e Norte cresceram 6,89% e 5,54%, respectivamente. Em contrapartida, Centro-Oeste (-2%), Sudeste (-3,25%) e Sul (-4,98%) tiveram queda.

Leia mais:

Confiança de empresários e consumidores recua na prévia de outubro

Expectativa de inflação dos consumidores subiu para 4,7% em setembro

Artigos Relacionados

TCU aprova venda de refinaria por preço baixo

Decisão surpreendeu petroleiros, que esperam pela justiça e CVM.

Combate à pandemia agrava desigualdade entre países

Economias mais ricas, dependentes de manufatura, tiveram melhor desempenho.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

EUA: CPI teve variação acima do esperado

Foi o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

Latino-americanos viajam aos EUA em busca de imunização

Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos EUA a fim de receber a vacina contra a Covid-19....

Comportamento é misto na Europa nesta manhã

Nesta manhã, Paris opera em queda de 0,10%.