FMI receita: forneça recursos para pessoas e empresas atingidas

Para técnicos do Fundo, medidas durante a guerra facilitarão a saída depois de passada a crise.

Internacional / 21:38 - 1 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ao contrário de outras crises econômicas, a queda da produção atual não é motivada pela demanda: é uma consequência inevitável de medidas para limitar a propagação do coronavírus. “O papel da política econômica é, portanto, não estimular a demanda agregada, pelo menos não imediatamente. Em vez disso, a política tem três objetivos: garantir o funcionamento de setores essenciais, fornecer recursos suficientes para as pessoas atingidas pela crise e evitar interrupções econômicas excessivas.

A recomendação é dos integrantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) Giovanni Dell’Ariccia, Paolo Mauro, Antonio Spilimbergo e Jeromin Zettelmeyer, no estudo “Políticas econômicas para a guerra da Covid-19”.

As famílias que perderem sua renda direta ou indiretamente por causa de medidas de contenção precisarão de apoio do governo. Os benefícios do desemprego devem ser expandidos e estendidos, e as transferências de dinheiro são necessárias para alcançar os trabalhadores por conta própria e aqueles sem emprego.

O fechamento da empresa causaria perda de know-how organizacional e término de projetos produtivos a longo prazo. As interrupções no setor financeiro também amplificariam os problemas econômicos. Os governos precisam fornecer apoio excepcional a empresas privadas, incluindo subsídios salariais, com condições adequadas, receita o FMI.

A promoção da recuperação terá seus próprios desafios, incluindo níveis mais altos de dívida pública e possivelmente novas faixas da economia sob controle do governo. “Mas o sucesso relativo na primeira fase garantirá que a política econômica possa voltar ao seu funcionamento normal. As medidas fiscais para aumentar a demanda se tornarão cada vez mais eficazes à medida que mais pessoas puderem deixar suas casas e voltar ao trabalho”, diz o Fundo Monetário Internacional.

Se as medidas para conter a disseminação do vírus forem bem-sucedidas, o aumento necessário no índice da dívida pública terá sido considerável, mas as taxas de juros e a demanda agregada provavelmente permanecerão baixas na fase de recuperação. Nessas circunstâncias, o estímulo fiscal será apropriado e altamente eficaz nas economias mais avançadas. E isso facilitará a saída das medidas excepcionais introduzidas durante a crise”, finaliza.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor