FMI: reduzir corrupção eleva arrecadação. E no Brasil?

Lava Jato alega combater desvios, mas de lá para cá economia do país foi ladeira abaixo.

Artigo do Fundo Monetário Internacional analisou mais de 180 países e constatou que os mais corruptos cobram menos impostos, pois as pessoas pagam subornos para evitá-los, inclusive por meio de brechas fiscais elaboradas em troca de propinas. Além disso, quando os contribuintes acreditam que seus governos são corruptos, é mais provável que eles evitem pagar impostos.

Em geral, segundo o FMI, os governos menos corruptos cobram mais 4% do PIB em receitas tributárias do que os países no mesmo nível de desenvolvimento econômico com níveis mais altos de corrupção. “As reformas de alguns países geraram receitas ainda maiores. A Geórgia, por exemplo, reduziu significativamente a corrupção, e as receitas fiscais mais do que duplicaram, subindo 13 pontos percentuais do PIB entre 2003 e 2008. As reformas de Ruanda para combater a corrupção, desde meados da década de 1990, deram frutos, e as receitas fiscais aumentaram 6 pontos percentuais do PIB.”

E o Brasil nisso? Desde o início da Lava Jato, a “mãe de todas as operações contra a corrupção”, as receitas só caem. Claro que a operação não é a culpada pela crise econômica do país, levado à beira do abismo pelas políticas ultraneoliberais. Mas a Lava Jato deu sua contribuição ao ajudar a destruir empresas e setores inteiros, beneficiando os concorrentes do exterior.

Quanto à corrupção, fica claro que operações midiáticas têm alcance curto; pior ainda se suas intenções forem contaminadas por critérios políticos. O combate exige medidas efetivas de controle e fiscalização. Isso não foi feito, nem proposto pela Lava Jato. O pacote que o dublê de juiz e ministro Sergio Moro elaborou se concentra em punições e salvos-condutos para policiais que não cumprem a lei. Os corruptos brasileiros continuam onde sempre estiveram; agora, com o cuidado de gravar conversas para poderem usar em delações pra lá de premiadas.

 

Se não compra, não vende

De 2002 a 2014, o número de empregados formais no Brasil cresceu de 23 milhões para 39 milhões, e foi justamente o período de maior valorização do salário mínimo”, ressaltou Mônica Damous Duailibe, representante do Sindicato dos Auditores Fiscais do Trabalho em audiência pública na Comissão dos Direitos Humanos (CDH) do Senado.

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) destacou que uma perda do poder aquisitivo dos trabalhadores teria consequência imediata na economia: “Isso não é questão de partido. É uma questão de país. Se você tira o poder de compra, tira o poder de venda. Se o comércio não vende, a indústria não produz e o governo não arrecada”, avaliou.

 

Promoção do turismo

A Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ, com o apoio da Fundação Cesgranrio e da Sérgio Castro Imóveis, realizará dia 8 de junho uma oficina sobre Marketing Turístico, a cargo do professor Bayard Boiteux.

O evento tratará dos fundamentos do turismo e do marketing, do mercado mundial de viagens e do turismo no Brasil, da promoção e sua aplicação no dia a dia das empresas. A atividade está sendo coordenada pela Escola de Turismo Cieth, no Centro do Rio. Mai informações em cieth.com.br

 

Censura

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) manifestou solidariedade com a equipe de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) responsável pelo 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira.

A pesquisa não agradou ao governo, que decidiu censurá-la. Similar ao que faz com o Censo: insatisfeito com os resultados do IBGE, pretende quebrar o termômetro.

 

Foragido

Em 2018, o neto do Figueiredo assinou artigo no blog do amigo Constantino (“Lula, o privilegiado”) por não ter sido o petista preso pelo Japa da PF. Em 2019, Paulo Figueiredo foi declarado foragido. Nota de rodapé nos jornalões num dia, assunto encerrado no outro. Privilegiado?

 

Rápidas

A posse da presidência e diretoria da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) para o biênio 2019/2021 será no próximo dia 5, às 11h. Angela Maria Machado da Costa foi reeleita. O Monitor Mercantil participa do Conselho Diretor através da Fundação ARO, braço cultural do jornal *** Dia 6 haverá nova edição do Arius Day, no Hotel Renaissance, São Paulo. O tema é “Carteiras Digitais – Pagamento Mobile com QR-Code e a revolução nos meios de pagamento”. Informações: ariusday.com.br/ *** O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) está com inscrições abertas até 31 de julho para o curso de pós-graduação em Terapia Nutricional. As aulas começam em agosto e terão duração de um ano.

 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.