25 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

FMI: teste de Covid é imprescindível para contenção da pandemia

Segundo uma pesquisa divulgada nesta quainta-feira pelo FMI, os bairros pobres sofrem mais infecções e mortes por Covid-19 do que os mais ricos. A pandemia e os esforços para controlá-la afetaram desproporcionalmente os pobres, tanto dentro quanto entre os países.

Segundo o FMI, ao contrário dos bloqueios, informações melhores por meio de testes generalizados impulsionam inequivocamente a economia ao reduzir o risco de infecção ao interagir com outras pessoas. “construímos uma conexão mais precisa entre riqueza e saúde relacionada à pandemia. A análise baseada em modelo mostra que testes mais abrangentes e rápidos podem fornecer informações vitais para melhor conter a propagação do vírus, beneficiando a todos, mas especialmente os pobres. Nossa pesquisa vai além da maioria dos modelos epidemiológicos, examinando o comportamento individual e as escolhas com base na renda, em vez de focar apenas na idade, sexo e outros dados demográficos”, diz o estudo.

De acordo com o órgão, é provável que as vacinas sejam implantadas gradualmente nos próximos meses e anos, mas, enquanto isso, as taxas de infecção continuam a aumentar em alguns países a uma taxa mais rápida do que nos primeiros dias da pandemia. Bloqueios, distanciamento físico e uso de máscaras têm sido as ferramentas mais usadas para conter a pandemia. No entanto, testes baratos e rápidos podem ser outra alternativa.

Renda

O FMI afirma que o comportamento e as escolhas que colocam os indivíduos mais pobres na linha de frente da infecção durante uma pandemia costumam ser produto da necessidade. Primeiro, muitos trabalhadores de baixa renda são empregados em serviços considerados essenciais durante a pandemia (como mercearias e serviços de entrega) ou empregos com opções limitadas de trabalho remoto. Em segundo lugar, os bairros mais pobres tendem a ter populações mais densas, o que é mais propício ao contágio. Terceiro, as pessoas nas comunidades mais pobres também tendem a ter muito poucas economias de emergência, limitando sua capacidade de reduzir as horas de trabalho para reduzir os riscos de infecção (por exemplo, trabalhadores informais autônomos).

Segundo o FMI, indivíduos mais ricos podem reduzir o risco de infecção porque têm a opção de trabalhar menos e limitar o tempo que passam fora de casa. “O efeito dessas escolhas é dramático”, diz o estudo.

As simulações do modelo indicam que, embora um pouco mais de 10% das famílias ricas sejam infectadas pelo vírus, mais da metade das famílias pobres seriam infectadas em um período de dois anos. Isso também se reflete, segundo o FMI, na incidência de mortes, onde o modelo sugere que as famílias pobres têm cerca de quatro vezes mais probabilidade de morrer. Esses números sugerem que as famílias pobres arcam com o peso dos custos de saúde da pandemia.

Questões de teste

De acordo com o FMI, duas medidas políticas importantes podem ajudar a aliviar o grande impacto da epidemia sobre os pobres até que vacinas e terapêuticas eficazes estejam amplamente disponíveis e fornecidas a todos os que delas precisam.

Segundo o órgão, em primeiro lugar, o apoio direcionado à renda para as famílias mais pobres ajudará diretamente a proteger seu consumo contra o grande choque econômico adverso. Em segundo lugar, melhorar as informações sobre a disseminação e contenção da pandemia com testes generalizados aumenta a capacidade de identificar e isolar novos casos, reduzindo os riscos de infecção. Os últimos testes rápidos são baratos – a Organização Mundial da Saúde negociou recentemente US$ 5 por teste e, com o aumento da demanda e da produção, os preços podem cair para US$ 1 ou menos. Sua simplicidade significa que qualquer família ou empresa pode usá-los (nenhum equipamento médico ou laboratório necessário para avaliar), sem qualquer processamento ou registro centralizado. Embora uma estratégia de teste em massa possa não prevenir todos os surtos, em geral ela pode reduzir a propagação da pandemia e colocá-la sob controle, especialmente quando combinada com uso de máscara, lavagem das mãos e distanciamento físico.

O uso de testes para identificar e isolar casos positivos é ainda mais eficaz no controle da epidemia em países com maior proporção de famílias mais pobres. Nossa pesquisa mostra que, se metade das pessoas infecciosas assintomáticas fosse identificada, as mortes seriam reduzidas em quase três quartos em um ano. As pessoas pobres são as que mais se beneficiam, com sua taxa de fatalidade Covid-19 caindo em cerca de três quartos com testes massivos aprimorados, em comparação com uma queda de cerca de metade para os mais abastados.

De acordo com o FMI, ao contrário dos bloqueios, informações melhores por meio de testes generalizados impulsionam inequivocamente a economia ao reduzir o risco de infecção ao interagir com outras pessoas. Quando nenhuma pessoa infectada assintomática é testada e o vírus se espalha sem ser detectado, a queda do PIB é de impressionantes 15% no primeiro ano para a economia representativa. Quando os riscos de infecções são maiores, as pessoas optam por se retirar e reduzir a atividade econômica conforme podem. A perda diminui para apenas 3,3 por cento do PIB se 50 por cento das infecciosas assintomáticas forem identificadas por meio de testes e isoladas para reduzir o contágio. Isso é possível com um teste com uma taxa positiva verdadeira de 80% (sensibilidade), se cerca de 60% de toda a população pudesse ser testada semanalmente.

Com o potencial de evitar grandes perdas de PIB e os custos comparativamente baixos e decrescentes dos testes rápidos, os retornos dos testes generalizados combinados com o uso de máscaras são enormes. Essa abordagem também poderia reduzir algumas das desigualdades agravadas pela pandemia, ajudando famílias pobres e mais vulneráveis a enfrentarem melhor a crise.

São Paulo

Mesmo o FMI afirmando que o teste da Covid-19 é imprescindível para melhorar as informações sobre a disseminação e contenção da pandemia e reduzindo os riscos de infecção, a Prefeitura de São Paulo não registrou resultados de 109.872 testes de covid-19, entre setembro e outubro. Nesse período, o prefeito Bruno Covas negou várias vezes que a pandemia estivesse se agravando na cidade. Entre março e agosto, no máximo 3% dos testes realizados ficaram sem registro de resultado. Entretanto em setembro, esse índice subiu para 31% e chegou a 58% em outubro. Com isso, milhares de prováveis casos positivos deixaram de ser considerados nos indicadores da pandemia.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Artigos Relacionados

Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) caiu 2,2% em janeiro de 2021 e passou para 105,8 pontos. Segundo explicou a Confederação...

Itens mais procurados têm relação com o lar, home office e transporte

No ano em que os brasileiros enfrentaram as restrições sociais da pandemia da Covid-19 e passaram mais tempo em casa, a procura por itens...

Fábrica fechada pela Petrobras poderia suprir demanda por oxigênio

Pequena modificação levaria planta de fertilizantes a produzir o gás hospitalar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.