FMI é de morte

Em seu convescote pelo Brasil, o diretor-geral do FMI, Rodrigo Rato, foi, apenas raramente, instado a comparar os resultados da política econômica recomendada ao país com a performance das nações que passaram ao largo de semelhante receituário. Nessas escassas ocasiões, Rato recorre a hábito recorrente a gurus de países com déficit de crescimento: recomendar que se dobrem as apostas no mercado futuro das mesmas políticas que mantêm o produto interno bruto (PIB) do Brasil patinando, em média, em 2% ao ano. Tem o mesmo efeito, prático, do fim do cavalo da piada que, quando estava acostumando a viver sem comer, morreu.

3 x 4
Se, como diz o ditado, uma foto vale por mil palavras, os opositores do presidente Lula devem emoldurar a foto publicada na primeira página da Folha de São Paulo de quarta-feira. É uma síntese, em 29,5 cm por 8,5 cm, captada com rara sensibilidade pelo repórter fotográfico Alan Marques, das relações entre o FMI e o governo Lula, personificadas na reverência do ministros Antônio Palocci e Henrique Meirelles ao professoral diretor-geral do fundo, Rodrigo Rato. Tudo sob o olhar complacente do presidente. Deve ser exibida toda vez que Lula ameaça bravatear que, ao pagar, com antecedência de dois anos, US$ 15,6 bilhões ao FMI, encerrou uma relação colonial que permitiu que perdurasse durante três dos seus quatro anos de governo. O efeito promete ser mais devastador do que a comprometedora pasta com que Collor encurralou o petista, em 1989.

Formação
O Circuito Feira do Empreendedor, promovido pelo Sistema Sebrae, gerou cerca de R$ 15 milhões de negócios em 2005. Cento e setenta mil pessoas visitaram os dez eventos que integraram o circuito, no Rio de Janeiro, Amapá, Paraíba, Maranhão, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Acre, Roraima e no Distrito Federal. Ao todo 1.250 expositores apresentaram seus produtos. Cerca de 45 mil empreendedores foram capacitados pelo Sebrae durante os eventos. Em 2006, o foco da iniciativa estará voltado aos temas inovação, perfil do empreendedor local e desenvolvimento regional. Estão previstos 14 eventos a partir de maio, em Pernambuco. O circuito deverá ser encerrado no Rio Grande do Sul, em dezembro.

Porre
A vodca Smirnoff foi eleita a favorita no ranking de destilados, deixando uma marca de cachaça na segunda posição, de acordo com pesquisa de penetração e preferência realizada pelo Instituto Ipsos, entrevistando 1.450 pessoas, entre 18 e 65 anos, das classes A/B/C, no ano passado. A Smirnoff ficou com 36% da preferência, mais que o dobro do que o vice, que ficou com 16%.

Sul
A Digitel S/A anunciou a instalação de uma unidade em Alvorada (RS), no terreno anteriormente destinado à Dell Computer, hoje instalada em Eldorado do Sul. A indústria eletrônica investirá na planta, nos próximos dez anos, R$ 100 milhões.

Segurança seletiva
Para aumentar a segurança no trânsito, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) proibiu o uso de pneus recapados ou recauchutados em veículos de duas e três rodas; quem for pego terá de pagar multa no valor de R$ 127,69 e perderá cinco pontos na carteira de habilitação. A diferença de preço entre um pneu novo e um recuperado pode chegar a até 50%. Garante o presidente do Contran, Alfredo Peres da Silva, que a medida é mais um item de segurança para diminuir o número de acidentes envolvendo motociclistas. Difícil entender, porém, porque o pneu é inseguro para motos mas permitido para os demais veículos.

Aula
Adesivo colado na janela traseira de um carro na Paulista: “Nunca tão Poucos roubaram Tanto de tanta gente”. O brasileiro tem mesmo pouca memória; se esqueceu rapidamente da privatização tucana.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPintando o sete
Próximo artigoDia da caça

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.