Fome sobe 30% na AL e Caribe e atinge 59,7 milhões de pessoas

E a insegurança alimentar afeta 92,8 milhões .

Um novo relatório publicado pelas Nações Unidas aponta que a fome na América Latina e no Caribe atingiu seu ponto mais alto desde 2000. Os dados mostram que houve mais 30% de pessoas sem acesso a alimentação entre 2019 a 2020, atingindo 59,7 milhões.

De acordo com o representante regional da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Julio Berdegué, a região enfrenta uma situação crítica de segurança alimentar.

Segundo ele, nos últimos seis anos, houve um aumento de quase 79% no número de pessoas que vivem com fome. Atualmente, a prevalência na América Latina e no Caribe é a maior dos últimos 15 anos. Embora ligeiramente abaixo da média mundial, o estudo mostra que apenas entre 2019 e 2020, a taxa de famintos subiu em 2%.

Entre 2018 e 2020, o Brasil apresentou uma das percentagens mais baixa de desnutrição no continente, sendo inferior a 2,5%. Países como Cuba e Uruguai possuem dados semelhantes.

O Haiti é o país com a maior taxa, superando 48%. A Venezuela vem na sequência, com 27% (resultado do embargo comercial imposto pelos Estados Unidos) e a Nicarágua aparece em terceiro lugar, com mais de 19%.

Insegurança Alimentar

O relatório também aponta que a insegurança alimentar afetou 41% da população na região em 2020. O número representa 60 milhões de pessoas a mais na situação em comparação com 2019. O aumento total é de 9%, o maior em relação a outras regiões do mundo. Apenas na América do Sul, a o número subiu 20,5% nos últimos seis anos.

Os casos de insegurança alimentar severa, ou pessoas que ficaram sem comida ou passaram um dia ou mais sem comer, atingiu 14% no último ano. São 92,8 milhões afetados, contra 47,6 milhões em 2014.

O relatório aponta que a insegurança alimentar afetou homens e mulheres de forma desigual. Em 2020, 41,8% das mulheres na região enfrentaram o problema, em comparação com 32,2% dos homens.

A lacuna tem crescido nos últimos seis anos, subindo drasticamente de 6,4% em 2019 para 9,6% em 2020.

Os dados também mostram que outras formas de desnutrição aumentaram na região: um em cada quatro adultos sofre de obesidade na América Latina e no Caribe. Entre as crianças, o sobrepeso subiu nos últimos 20 anos e já atinge 3,9 milhões, sendo que 7,5% possuem menos de cinco anos. O grupo é 2% maior que a média mundial. O problema é maior nos países da América do Sul, onde 8,2% dos menores tem excesso de peso.

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, lamentou que a região esteja “perdendo a batalha contra todas as formas de desnutrição”.

Segundo Carissa Etienne, para acabar com a fome e proporcionar bem-estar e vida saudável para todos, é necessário transformar os sistemas agrícolas e alimentares e fornecer dietas saudáveis.

Da Redação com informações da FAO – ONU.

Leia também:

ONU calcula R$ 38 bi para matar a fome de 45 milhões

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis

Pronampe ainda não atende plenamente microempresas

Para entidade é necessário auxiliar o setor na retomada econômica.

Inadimplentes quitam dívidas negativadas de serviços como água e luz

Segundo a Serasa, sete em 10 débitos contraídos no setor de utilities em abril foram recuperados em até 60 dias após negativação.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis