Fonte segura

São fortes os comentários no eixo Rio-São Paulo de que um grande grupo segurador estrangeiro está para desembarcar no Brasil de olho nas perspectivas do mercado doméstico a médio prazo. De acordo com esses comentários, o ex-presidente da Real Seguros Júlio Bierrenbach já teria sido sondado sobre a possibilidade de presidir a sucursal brasileira do grupo.

“Melô” do BC
Já passou da hora dos tecnocratas do Banco Central deixarem a postura de “tô nem aí” e tomar algumas decisões que minimizem os efeitos da greve dos bancários. Pagar contas ou depositar cheques virou uma loteria, com os clientes obrigados a romaria por agências – que um dia podem funcionar, no outro não -, supermercados e casa lotéricas. O que não falha são os descontos em conta corrente, mantidos, enquanto a compensação de cheques segue falhando, deixando contas no “vermelho” de uma hora para outra. O único risco da ação do BC é que, seguindo o que ocorre nos últimos anos, mais uma vez ele favoreça os bancos e piore ainda mais a situação dos consumidores.

Deriva
A surpreendente decisão da Secretaria de Pesca do governo federal de desapropriar parte de um estaleiro no Rio de Janeiro para instalar um terminal pesqueiro é mais um lance na batalha que está sendo travada contra o governo fluminense. A medida, a primeira vista, parece ser favorável ao estado, mas esconde uma casaca de banana. Ao optar pela área (há um mês nem existia um projeto), o governo federal acabou tirando a principal vantagem desse estaleiro na disputa pela construção de 22 navios para a Petrobras – concorrência que está para ser divulgada nos próximos dias. Diversos investidores tinham interesse em arrendar parte do estaleiro para fazer as obras das embarcações no Rio. Como o filé mignon será desapropriado, crescem as chances dos “estaleiros virtuais” – empresas que nem área têm – e das obras irem para outros estados.

Ostracismo
Aliás, a Secretaria de Pesca é tão apagada que poucas pessoas saberiam dizer o nome de seu titular – é José Fritsch. Quando Lula fez a reforma ministerial, ao final de seu primeiro ano de governo, a brincadeira corrente é que não se cogitou em trocar o secretário com status de ministro porque ninguém se lembrava dele.

Comunidade
O presidente da Associação de Entidades Portuárias de Portugal, José Moraes, se reúne hoje com o presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), Antonio Carlos Soares, que preside também a Associação Brasileira de Entidades Portuárias (Abep). Entre outros assuntos, vão tratar da possível criação da uma instituição de administradoras de portos em todos países de língua portuguesa, para estreitar a cooperação e trocar informações técnicas e operacionais.

Copo cheio
Criada no último dia 16, em São Paulo, a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça nasce com objetivos ambiciosos. Tendo como principal objetivo tornar a bebida conhecida em todo o mundo e competir no mercado internacional, a meta da câmara é chegar ao fim da década com produção de 42 milhões de litros de cachaça. Mesmo que a meta não seja alcançada, uma coisa é certa: as reuniões da câmara nunca serão um porre.

Lição
Cuba conta atualmente com 100% de escolarização na faixa etária de seis a 11 anos. O índice de analfabetismo é um dos mais baixos do mundo, por volta de 0,2%. Ontem o vice-ministro de Educação de Cuba, Guillermo Palmero, se encontrou com a governadora Rosinha Garotinho e fechou acordo de cooperação com o Governo do Estado do Rio na área de educação, especialmente na alfabetização e pré-escola.

Memória seletiva
Quem acredita não ser verdadeira a maledicência de que o ego dos publicitários faz com só se lembrem de seus casos de sucesso, deve se preparar para ver Nizan Guanes incorporar ao seu portfólio um novo case: a campanha de Jorge Bittar nas eleições para prefeito do Rio, que leva a assinatura do publicitário baiano.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorChoque nos preços
Próximo artigoAuto-explicável

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...