Fora da lei

As empresas têm até o próximo dia 11 para se adequar ao novo Código Civil. Segundo o Sebrae, até meados de dezembro apenas 40% de pequenas e médias empresas estavam dentro das normas estabelecidas pelo novo código, em vigor desde janeiro de 2003. O prazo para adequação já fora prorrogado de 11 de janeiro de 2004 para este ano e não há previsão de novo adiamento. Embora não haja penalidades previstas na legislação, a empresa que não se adaptar às novas regras pode ficar impedida de participar de licitações públicas e ter acesso a financiamentos, entre outras limitações.

Sucesso
As reservas argentinas cresceram US$ 5,5 bilhões no ano passado, quase o dobro do que aconteceu com as reservas líquidas brasileiras, que aumentaram apenas US$ 3 bilhões, apesar de todo superávit da balança comercial. Mais uma vez os números desagradaram a equipe econômica brasileira, que viu os vizinhos – que rasgaram o receituário do FMI – colher mais uma boa notícia.

Vulnerabilidade
No conceito de liquidez internacional (inclui empréstimos ponte com FMI) as reservas brasileiras em moeda forte em dezembro de 1996 eram de US$ 60,1 bilhões (não havia dívida com FMI). Em novembro de 2004 estavam em US$ 50,1 bilhões (com US$ 27,9 bilhões de dívida com o FMI), sobrando de reservas reais apenas US$ 22,2 bilhões – segundo o Banco Central, o país deve ter fechado o ano com US$ 25,4 bilhões em reservas líquidas.

Eleito
Samuel Klein, presidente da Casas Bahia, foi escolhido como Personalidade de Vendas de 2004 pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB-SP). A cerimônia de entrega da 42ª edição do prêmio – antes chamado de Homem de Vendas – acontecerá no dia 17 de janeiro, às 12h, no Clube Atlético Monte Líbano (Av. República do Líbano, 2267- São Paulo). A premiação deve levantar o ânimo de Klein, que pilota o sucesso das Casas Bahia junto ao consumidor de baixa renda, mas foi citado, no final de 2004, no relatório da CPI do Banestado – que acabou morta e enterrada sem aprovar a proposta do relator.

Varibras
“A Varig é, junto com a Petrobras, um símbolo de empresa nacional, e não pode ser deixada ao relento”, sublinhou Fernando Peregrino, chefe de gabinete da governadora do Rio, Rosinha Garotinho, durante a entrega da Medalha Tiradentes ao presidente da Varig, Luiz Martins, ontem, na Assembléia do Rio. Peregrino, representando a governadora, salientou que o governo fluminense considera a Varig mola propulsora da economia brasileira.

Linha auxiliar
A diplomação de Nelson do Posto (PMDB) como prefeito de Guapimirim (RJ) na manhã de ontem garantiu a efetivação como deputado estadual do líder do governo, Noel de Carvalho (PMDB), que toma posse hoje. Com a saída de deputados para exercer mandatos de prefeito e vice-prefeito, o PSC passou à condição de segunda maior bancada, saltando de oito para 11 representantes. A bancada do PMDB perdeu quatro membros e ganha três e continua sendo a maior da Casa, com 20 deputados.

Brasil na telona
O ano começa com um avanço, ainda que modesto, para o cinema nacional. Este ano, as salas de cinema, espaços ou locais de exibição pública comercial estão obrigadas a destinar, no mínimo, 35 dias de sua programação a pelo menos dois filmes nacionais. No fim de 2004, o presidente Lula e o ministro da Cultura, Gilberto Gil, assinaram o decreto 5.328, ampliou a reserva de mercado para a produção nacional para este ano. O exibidor que descumprir  a lei está sujeito à multa de 5% da renda média da bilheteria apurada no semestre anterior à infração multiplicada pelo número de dias em que a legislação foi ignorada. Apesar de restrita, a reserva para a produção local enfrenta a resistência de produtores que, além preferirem enlatados norte-americanos, ainda não entenderam que a formação de público começa pela produção local.

Artigo anteriorNome e sobrenome
Próximo artigoÉtica americana
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.