Fora do ar

Disposto a conferir à própria performance na estréia do horário eleitoral, o candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, acabou reforçando a audiência da concorrência. O tucano se atrasou e chegou ao restaurante, que costuma frequentar desde 1994, exatamente quando seu programa estava sendo encerrado: “Peguei o adversário”, reagiu, quando entrou no restaurante e olhou para televisão, que exibia as primeiras cenas do programa do candidato do PCO, Rui Pimenta.

Basta à violência – 1
As associações Nacional de Jornais (ANJ) e Nacional dos Editores de Revistas (Aner), junto com entidades representativas das emissoras de rádio e televisão (Abert/Abra/Abratel) divulgaram a nota “Basta à violência”, em que cobram um engajamento real de todos os governos e propostas concretas dos candidatos para a situação de segurança:
“Nos últimos tempos o povo brasileiro assiste a uma escalada da violência contra a vida, contra o patrimônio e, nas últimas semanas, contra as instituições democráticas.
“Vandalismo generalizado contra o patrimônio público e privado, sequestros e assassinatos vêm colocando a população brasileira na condição de refém das organizações criminosas.
“Sensíveis a este drama vivido pela população, os veículos de comunicação, unidos em suas entidades representativas, deliberaram tomar uma enfática posição comum. Isso porque o Brasil está pagando caro demais pela descoordenação das autoridades federais e estaduais na questão da segurança pública.
“O que está ameaçado neste momento, com a escalada da violência e da desordem, não é apenas o cotidiano civilizado a que todos os cidadãos têm direito. É a própria sobrevivência da sociedade democrática, porque sua manutenção depende da autoridade, credibilidade e prestígio das suas instituições. Infelizmente, esses problemas  estão colocando em xeque o estado democrático de direito porque a criminalidade está corroendo a certeza da aplicação da lei em função da impunidade.
“É urgente e fundamental que aqueles que dirigem o governo e o Estado brasileiro em seus diferentes níveis tomem medidas responsáveis e eficazes contra o crime. Assim como os que  pretendem dirigir expressem com clareza suas propostas. E que todos demonstrem inequivocamente o compromisso com o resgate da ordem pública e com a harmonização dos esforços dos Estados e  União.
“Propomos que o debate eleitoral que se inicia seja efetivamente também um espaço público de reflexão sobre estratégias e propostas concretas para a área de segurança com o objetivo de resgatar a confiança dos brasileiros nas suas autoridades. Propomos que este assunto esteja no centro do debate eleitoral, porque é o centro das preocupações de todos os brasileiros.
“A imprensa, que sempre esteve alinhada às grandes causas da cidadania, está convicta de que o próximo passo para a consolidação da democracia em nosso país passa pelo restabelecimento imediato da ordem pública.
“Os meios de comunicação, unidos, na sua sagrada missão de informar e garantir a liberdade de expressão, cobrarão veementemente, dos atuais e futuros governantes, soluções eficazes na defesa da sociedade brasileira.”

Basta à violência – 2
O curso de Turismo da UniverCidade acaba de criar um Núcleo de Segurança Turística. Vai propor soluções e medidas para os governos federal, estadual e municipal. Será supervisionado pelo professor Bayard Boiteux, com a colaboração do tenente Douglas Andrade, da Policia Militar do Rio.

Todos ganham
A Câmara Americana de Comércio (Amcham) enviou carta a 55 senadores e a 56 deputados de 11 distritos aduaneiros dos Estados Unidos em que reivindica a manutenção do Brasil no Sistema Geral de Preferência (SGP). O programa permite que os Estados Unidos importem do Brasil 3.359 produtos sem o pagamento de tarifas de importação. A carta inclui a apresentação de estudo demonstrando a economia gerada às empresas com a isenção de imposto.
Até dezembro, a participação do Brasil no programa será revista pelo governo norte-americano. “Devemos nos conscientizar que o SGP é importante não apenas para     empresas brasileiras, mas também para as norte-americanas”, afirma Hélio Magalhães, presidente do Conselho de Administração da Amcham.
Em 2005, as exportações destinadas aos EUA alcançaram US$ 24,4 bilhões. Cerca de US$ 3,6 bilhões desse total foram realizadas através do SGP, representando uma economia às empresas de US$ 128 milhões.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConsultoria companheira
Próximo artigoCrédito fraco

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso