França: Sarkozy pega três anos de prisão

Nesta segunda-feira, o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, de 66 anos, foi condenado a três anos de prisão por corrupção e tráfico de influência. As informações são do portal G1. Segundo a publicação, “a sentença foi dada em um caso de suborno a um juiz pelo ex-presidente em troca de informação privilegiada sobre uma investigação da sua campanha presidencial”. Cabe recurso.

Já de acordo com o MSN, “a condenação torna Sarkozy o segundo ex-presidente na França a ser condenado por corrupção, mas o primeiro a ter que ir para a prisão. Antes dele, Jacques Chirac (1995-2007), seu antecessor e durante anos seu mentor político, foi condenado a dois anos de prisão por desvio de fundos, mas em regime aberto.”

“Apesar da condenação, o Tribunal Correcional de Paris decidiu que dois dos três anos da sentença estão isentos de cumprimento e o terceiro ano da condenação pode ser convertido em prisão domiciliar ou vigilância com o uso de tornozeleira eletrônica. O tribunal condenou o advogado do ex-presidente, Thierry Herzog, a uma sentença semelhante e o impediu de exercer a advocacia por cinco anos. O magistrado Gilbert Azibert, então membro do Supremo Tribunal com quem Sarkozy teria feito contato em busca de informação privilegiada, também foi condenado. A investigação começou após conversas telefônicas entre Sarkozy e seu advogado, obtidas pela polícia em 2014, revelarem o contato com Azibert para obter informações em um processo contra o ex-presidente. A sentença aponta que o caso tem ‘gravidade particular’ em razão de ter sido cometido por um ex-presidente, que ‘usou seu cargo e seus relacionamentos’ para ‘seu interesse pessoal'”, diz o G1.

Segundo o MSN, “o conservador, que comandou a França entre 2007 e 2012, sempre negou as acusações e afirmou que foi vítima de uma caça às bruxas por parte de promotores que teriam usado meios excessivos para espionar seus negócios.”

 

Com informações do G1 e do MSN, citando a Associated Press, Reuters e DPA

Leia mais:

China declara eliminação de pobreza extrema

Venda cai, mas árabes são o segundo destino de alimentos do Brasil

Artigos Relacionados

Apenas 15% das indústrias adotaram trabalho intermitente

Dieese alerta que precarização reduz consumo.

Empresas de famílias empregam 60% da mão-de-obra mundial

Unctad está apoiando empresas familiares.

Inflação sobe nos EUA e leva cotação do ouro junto

Bolsas de valores alternaram altas e baixas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Rádios FM poderão antecipar aumento de potência e área de cobertura

Antes, emissoras só podiam solicitar mudança a cada dois anos e de forma gradual.

Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

Propostas da Consulta pública são os primeiros passos para colocar em prática o sistema de transferências instantâneas com o exterior.

Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril

Segundo o Procon-SP, a taxa média de empréstimo pessoal foi de 6,1% ao mês.

Mercados com poucas oscilações

PEC fura-teto preocupa.

Por preços de combustíveis, IPCA deve desacelerar

Por outro lado, os preços dos serviços devem continuar em patamares baixos, influenciados pelas medidas de restrição e pelas fracas condições do mercado de trabalho.