Freio democrático

Para eleitores ainda em dúvidas sobre os benefícios das eleições, a trajetória das passagens de ônibus nas principais cidades brasileiras fornece exemplo didático. Enquanto este ano, pelo menos até antes o segundo turno, o aumento médio no país é de 2,48%. Ano passado, o aumento médio chegara a 18,37%. No Rio de Janeiro, de Cesar Maia (PFL), a alta, em 2003, foi de 7,69% e em São Paulo, de Marta Suplicy (PFL), chegou a 21,43%. Em Salvador, de Cesar Borges (PFL) o aumento alcançou inacreditáveis 34,55%.

Brasil agrícola
O Brasil continua firme na sua caminhada para se firmar no setor de agronegócio, que concentra apenas 9% das exportações mundiais. Mês passado, o Brasil exportou 6,4 mil toneladas de produtos lácteos, que totalizaram US$ 8,046 milhões. No mesmo período, as importações ficaram em US$ 7,226 milhões, gerando superávit de US$ 820 mil. Em setembro de 2003, o segmento tivera déficit de US$ 7,5 milhões, como resultado de exportações de US$ 3,9 milhões e importações de US$ 11,4 milhões. Entre setembro passado e o mesmo mês de 2003, as exportações cresceram 106%; enquanto que as importações caíram 27,6%.

Leite na boca
O faturamento externo do setor foi impulsionado pela alta dos preços no mercado internacional. No começo do ano, a tonelada do leite em pó integral era negociada entre US$ 1.900 e US$ 2.050 na Europa. Hoje, o preço do produto varia de US$ 2.250 a US$ 2.400 por tonelada. Pena que num país com uma produção com a brasileira um copo de leite continue inacessível para boa parte de sua própria população.

Caseiro
“Estou convencido de que a crítica ao crescimento com poupança externa é hoje uma tarefa tão importante para os economistas brasileiros e latino-americanos como foi, nos anos 40 e 50, a crítica da lei das vantagens comparativas. Naquela época, o objetivo era proteger a indústria infante. Hoje, é conservar o controle sobre a taxa de câmbio e impedir que ela se valorize artificialmente pela entrada de capitais e pelo aumento do endividamento.” A afirmação é do economista e ex-ministro Bresser Pereira que, em artigo publicado segunda-feira na Folha de S.Paulo, diz que “a história do desenvolvimento é muito clara a respeito: o capital se faz em casa; os países não têm alternativa senão crescer com seus próprios recursos”.

Morte
A morte e a vida após a morte são os temas centrais da segunda sessão plenária do Fórum Mundial Espírito e Ciência, promovido pela Legião da Boa Vontade (LBV) no ParlaMundi, em Brasília, entre os próximos dias 20 e 23. O mais famoso astrônomo brasileiro, Ronaldo Rogério Mourão, confirmou sua participação para falar sobre a vida e a morte no cosmos. Dos Estados Unidos, virá a presidente do Comitê de Espiritualidade, Valores e Interesses Globais de ONGs nas Nações Unidas, Diane Williams. Especialistas de vários países também confirmaram presença.

Juro jabuticaba
“O banco que paga muito, assim como o país que paga muito, fica mal visto, atrai desconfiança, perde aplicadores. Pagar juros demais não é uma boa política.” A frase – uma exceção entre seus pares – é do diretor de Crédito da Nossa Caixa, Joaquim Elói de Toledo, em entrevista à revista IstoÉ Dinheiro. O economista com doutorado pelo Massachusetts Institut of Technology (MIT) diz que, em 1995, a Nossa Caixa tinha taxas de remuneração de depósitos muito elevadas. “Eu as reduzi e os depósitos aumentaram.” Ele afirma que as estratosféricas taxas de juros provocam alta da inflação.

Aviso
O professor Luiz Pinguelli Rosa, ex-presidente da Eletrobrás, adverte em artigo no boletim da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), que simulações realizadas pela Coppe/UFRJ apontam que, em 2007, a demanda ultrapassa a oferta. Ele assinala que a energia no Brasil só não é mais barata devido aos erros da privatização – que levaram ao racionamento em 2001 – e não foram corrigidos pelo modelo energético do governo Lula. Frisa ainda o especialista que está havendo alguma recuperação econômica, “apesar da política econômica”, e o pior seria faltar energia. As simulações da Coppe levaram em conta o andamento de obras de construção de usinas e também muitos projetos que ainda não saíram do papel.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPasseio
Próximo artigoEfeito PT

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.