Fria Suíça reflete clima quente no Brasil

A participação brasileira em Davos foi alvo de críticas da esquerda e da direita. A primeira centrou fogo no despreparo e na falta de visão mundial do Governo Bolsonaro. A segunda, pragmática, cobrou compromissos com as reformas tão necessárias para colocar mais dinheiro no cassino mundial.

O discurso do presidente do Brasil não foi apenas curto; foi irrelevante, esquivando-se de compromissos que, esperava a banca mundial, Jair Bolsonaro assumiria em sua estreia nos salões acarpetados. Os motivos podem ser especulados. O cancelamento de entrevistas nesta quarta-feira, não só do presidente, mas também de seus dois homens fortes – Sérgio Moro e Paulo Guedes – reforça a tese de tensões internas.

O ministro da Economia se esforçou para que a delegação chegasse à Suíça com uma proposta de reforma da previdência alinhavada. O lado mais pragmático do governo entendeu que seria um risco apresentar abertamente um plano aos financistas em meio a uma tumultuada composição no Congresso Nacional.

Além disso, Jair Bolsonaro está cada vez mais próximo das denúncias contra o filho Flávio, que passaram do terreno das práticas habituais do baixo clero para lavagem de dinheiro e ligação com a milícia. Tudo isso aprofunda a disputa interna, em que, por um lado, o presidente se vê obrigado a se escorar ainda mais na dupla que lhe dá sustentação, mas, por outro, fica enfraquecido no campo político para avançar em reformas antipopulares. O resultado dessa equação ditará as próximas semanas do governo.

 

Reprovado

Não se pode responsabilizar o Governo Bolsonaro pelos problemas no acesso ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu); o débito vai para a conta do Governo Temer. Mas cabe aos atuais dirigentes resolver a questão que está deixando milhares de estudantes precocemente de cabelos brancos.

Através do Sisu se tem acesso às universidades públicas – onde o ensino, em geral, é melhor, além de ser gratuito. O site de inscrição está praticamente fora do ar, provavelmente por conta da mudança na forma de divulgação das notas mínimas feita pelo Ministério da Educação (MEC).

A reação do MEC segue o script: primeiro, negação do problema; depois, culpa-se os estudantes. Nota distribuída pelo Ministério diz que “a instabilidade foi causada por um grande volume de acessos espontâneos na rede do MEC. O sistema, que nas edições anteriores, recebia de 25 a 30 mil acessos simultâneos, registrou hoje picos de até 350 mil acessos simultâneos”.

Recomenda-se passar logo à fase seguinte: reconhecer a besteira feita e adiar o prazo de inscrição. Empurrar com a barriga só prolonga a agonia dos estudantes e aumenta o desgaste dos dirigentes.

 

Em branco

Nos planos de ação de 100 dias e de 180 dias do Governo Wilson Witzel não são mencionadas, uma única vez, as palavras “milícia” e “tráfico”.

 

Rápidas

O primeiro almoço com empresário de 2019 da Associação Comercial do Rio de Janeiro será 12 de fevereiro, com o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, com o tema “Desafios para o Brasil” *** A Trevisan Escola de Negócios anuncia a contratação de VanDyck Silveira, ex-presidente do Grupo Ibmec, para o cargo de CEO *** Neste sábado, das 16h às 20h, o Shopping Grande Rio faz mais uma edição da ação integrada junto ao Sesc RJ, com atividades e serviços gratuitos *** A Marinha abriu concurso de admissão às Escolas de Aprendizes-Marinheiros. As inscrições poderão ser feitas, até 13 de fevereiro, em www.ingressonamarinha.mar.mil.br *** Nesta quinta, Dia Nacional do Aposentado, o Instituto Defesa Coletiva e o Procon-BH lançam o projeto Crédito Consciente para Idosos. A partir das 10h, haverá exibição gratuita, no Cine Santa Tereza, do filme Covardia Capital, que apresenta casos reais de superendividamento de idosos. Inscrições: (31) 3024-6091 *** O Center Shopping Rio promoverá, no sábado, a partir das 15h, o circuito de atividades Agita Kids *** Nesta quinta-feira, o Shopping Nova Iguaçu recebe em seu palco a cantora Maira Hench, a partir das 19h30 *** O Grupo Quabales, de jovens percussionistas da Bahia, e o maestro Marcelo Ghelfi, acompanhado de orquestra, participam do Projeto Batuque Sinfônico, dia 25, como parte da Programação Cultural do Aniversário de São Paulo, na esquina mais famosa da cidade: a Ipiranga com a São João, a partir das 16h *** A rede de franquias YES! Idiomas é uma das patrocinadoras do Campeonato Carioca.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.