Fábulas

É silogismo conhecido que a interpretação dos fatos é tão ou mais importante que os próprios fatos. É o que comprovam, mais uma vez, as conclusões tiradas sobre o crescimento de 4,2% do PIB ano passado. No mesmo dia em que os marqueteiros oficiais trombeteavam a chegada de uma era de prosperidade e felicidade panglossianas, o Copom dava nova trava na queda da taxa de juros básica (Selic), mantida em inaceitáveis 15,25% ao ano para uma inflação prevista de 4% para 2001.
Ou seja, os mesmos oráculos que proclamam que o país estaria entrando num novo patamar de crescimento, consideram natural uma política monetária que caracteriza o Brasil como detentor de um dos maiores riscos, entendida aí a definição clássica de juros.
Decomposto de seu viés ideológico, o crescimento registrado em 2000 registra um fator positivo, o resultado trazido pela remoção das amarras do câmbio fixo – mal em que segue enroscada a Argentina – e o alívio, ainda que extremamente parcimonioso, da queda dos juros. Em poucas palavras, que o país responde com velocidade sempre que tem afrouxado o garrote antidesenvolvimentista.
Desequilíbrio
Nem tudo são flores, no entanto, quando se analisa os fatores que alavancaram o PIB em 2000. Boa parte desse crescimento, foi assegurado pela indústria extrativa mineral. Embora não seja novidade o papel jogado pela Petrobras em relação à economia brasileira, o salto de 10,98% do setor foi anabolizado pela alta dos preços do petróleo. Confiar em fatores sazonais sem o correspondente aumento de investimentos e garantias de repetição é questão mais teológica do que de política econômica.
Além disso, o crescimento de 3,61% do setor de serviços foi fortemente influenciado pelo subgrupo comunicações, que teve incremento de 16,85%. Como esse setor é pesadamente importador e potencial gerador de déficits em moeda forte, seu crescimento tem desdobramentos potenciais sobre o balanço de pagamento.
O crescimento registrado em 2000 sinaliza o potencial do país, mas a armadilha da combinação de juros elevados, abertura comercial passiva e ausência de uma política industrial aponta mais para um novo pára e avança que para uma nova forma do paraíso na Terra.

1001 utilidades
Os chamados especialistas em mercado de ações precisam maneirar um pouco. Terça-feira o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Alan Greespan, foi apontado por esses profissionais tanto para justificar a queda nas bolsa de valores dos Estados Unidos quanto a alta na Bovespa. E parte da imprensa brasileira embarca nessa canoa furada com olhos fechados e sem questionamentos.

Repercute
O presidente da Associação dos Economistas da América Latina e Caribe (Aealc), Adhemar Mineiro, voltou do III Encontro Internacional de Economistas Sobre Globalização e Problemas do Desenvolvimento, encerrado no último dia 2, em Cuba, e mostrou-se impressionado com a repercussão do Fórum Mundial Social em Porto Alegre. Mineiro, que também é membro do Conselho Editorial do MM, salientou que o ponto alto do encontro foi o debate, que contou com a participação de Fidel Castro e os representantes do Banco Mundial responsáveis por América Latina e Caribe. “Foram colocadas diversas posições críticas, sobretudo ao fato da dívida externa estar sendo usada como instrumento de imposição de políticas econômicas aos países em desenvolvimento”.

Volta à realidade
A derrota do PFL no Congresso Nacional revela fenômeno recorrente na história: ACM foi vítima da crença no próprio mito, a de que seria o imperador do Brasil. Como já explicou didaticamente, porém, o ex-deputado tucano Tuca Angerami “quem manda no Brasil não é nem o PFL nem o PSDB, mas o FMI e o Banco Mundial”. Aparentemente, ACM acreditava em outra versão.

Por conta
Em pesquisa respondida espontaneamente por mais de 1,5 mil internautas, 59,2% disseram que comprometeram mais de 30% da renda mensal com compras de Natal. A enquete foi feita pelo site CredShop, que dá dicas a inadimplentes para renegociar dívidas e ajuda a fazer planejamento mensal de despesas. O número de visitas ao site neste início do ano cresceu 20%, segundo a empresa. Com a concentração de pagamento de impostos em janeiro e fevereiro, os gastos exagerados no final do ano podem se transformar em aumento da inadimplência.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstrangulamento
Próximo artigoVolta à realidade

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais