30.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Fumaça distorcida

Apenas duas multinacionais, Souza Cruz e Philip Morris, dominam 85% do mercado brasileiro de cigarro, estabelecendo uma relação de forte assimetria em relação às pequenas indústrias, que lutam para sobreviver nos 15% restantes. Os números são citados pelo presidente do Sindicato da Indústra do Fumo do Estado de São Paulo (Sindifumo SP), José Henrique Nunes Barreto, para criticar o omissão do poder público no restabelecimento das condições de competição para todos: “Regras distorcidas, tributação desigual e o farto capital do duopólio foram os ingredientes para tornarem essas empresas vencedoras, induzindo forçosamente as concorrentes à insolvência. As que resistiram até hoje convivem com um crescente endividamento, sem nenhuma perspectiva de solução, o que as impedem de cumprir suas obrigações sociais”, critica.

Veneno
Em tempo: contrária à atuação de monopólios, principalmente, estrangeiros, que levam ao esmagamento do mercado nacional, esta coluna é, ainda, contrária ao fumo, cujos males, já amplamente comprovados pela medicina, produzem graves danos à saúde, sejam os cigarros produzidos com ou sem sotaque.

Nunca mais
Independentemente do desfecho do nebuloso caso da advogada brasileira Sandra Oliveira, a reação, praticamente uníssona, de governo, opinião pública e imprensa tupiniquim,  deflagrada pela denúncia, na sua versão inicial, de que uma grávida fora atacada por neozanistas suíços teve, ao menos um lado positivo: provar que, em sua esmagadora maioria, o país rechaça tal tipo de comportamento. O fato de o caso caminhar para aspectos fantasiosos ou delirantes não elimina duas questões importantes: cabe ao Estado brasileiro defender seus cidadãos no exterior, comportamento, infelizmente, nem sempre adotado; o fortalecimento da patologia do racismo e da xenofobia na Europa, incluindo a Suíça, é doença real que, mais uma vez infelizmente, não se restringe a mentes perturbadas.

Outro lado
Há alguns anos, um delegado lotado na Zona Sul do Rio detectou estranho fenômeno: o aumento exponencial do registro de furtos e roubos por estrangeiros no último dia de sua estada na cidade. Outro fato chamou a atenção do policial: todos os turistas que faziam a queixa na delegacia exigiam comprovante do registro para apresentar à companhia que fizera o seguro do objeto furtado ou roubado. Ou seja, além de ganharem dinheiro de forma malandra, esses gringos ainda engordavam as estatísticas que mancham o nome do Brasil no exterior.

Sem razão para complexos
Apenas a título de comparação, imaginem qual seria a reação da imprensa européia e estadunidense se o delegado decidisse reter turistas autores de registros suspeitos para melhor averiguação do caso, adiando a viagem de retorno aos países de origem? E alguém acha que, comprovada a malandragem, apareceria algum órgão de comunicação ou representante de governo estrangeiro para pedir desculpas à polícia brasileira?

Rio limpo
A Nova Cedae concluiu a interligação do tronco coletor de esgotos da Rua Sacadura Cabral com o tronco coletor de Alegria, que transporta esgoto até a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) de Alegria, no Caju, Zona Portuária do Rio. Parte do Programa de Despoluição da Baía de Gunabara (PDBG), a ETE de Alegria receberá mais 160 litros por segundo de esgotos. A galeria da Sacadura Cabral foi construída na época do Império em tijolos aparentes e com piso e teto em formato curvo, o que facilita a sua autolimpeza.

Melodia
O Festival Internacional de Música da LBV, edição 2009, realizado no último dia 16, teve como grande vencedora a Banda Melodia da Luz, de Araruama (RJ). O evento fez parte das “Rodas Culturais e Espirituais”, encontros de jovens da LBV que propagam a educação sob um prisma inovador, unindo a instrução básica à espiritualidade ecumênica. Os eventos ocorrerão até março. Mais informações pelo telefone 0800 7707940 ou em www.acaojovemlbv.com.br

Artigo anteriorEle não era Paulo Coelho
Próximo artigoAluga-se
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.