Fumo sem rodas

A Comissão de Viação e Transportes aprovou projeto de lei, de autoria do deputado De Velasco (PSL-SP), que proíbe o motorista fumar ao volante ou por qualquer ocupante do veículo quando houver criança a bordo. O projeto, que tem tramitação conclusiva nas comissões, ainda será apreciado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação.

Dobro
Usuários do sistema Onda Livre, da Ponte Rio-Niterói, devem redobrar atenção na hora de conferir o extrato com a cobrança das passagens pelo pedágio. Um motorista foi brindado com duas cobranças no mesmo dia, no mesmo horário. Reclamou e recebeu a promessa de que o valor será compensado na próxima fatura. Quem não tiver cuidado paga em dobro. Não é nada, não é nada, são mais R$ 1,70 na conta da concessionária Ponte S/A.

Inversão
Nem a bajulação característica justifica o caradurismo da mídia “chapa branca” de transformar o presidente FH de obstáculo ao aumento do salário mínimo para R$ 180 em baluarte do reajuste do mínimo.

Juros e spreads
A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados reúne-se às 15h de hoje e às 14h30 de amanhã para uma avaliação do resultado das medidas anunciadas pelo Banco Central para a redução das taxas e spreads bancários. Estão convidados, os presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Moreira Ferreira (PFL-SP), da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Antônio de Oliveira Santos, e da Febraban, Roberto Setúbal, além de Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-integrante da equipe tucana.
Já na quinta-feira, às 10h, a comissão tem audiência para debater os problemas identificados na estimativa do valor econômico do Banespa. Estão convidados o diretor do Banco Central Carlos Eduardo de Freitas e o secretário da 9ª Secretaria de Controle Externo do TCU, Jorge Pereira de Macedo.

Herança paulista
Ao assumir a Prefeitura de São Paulo, em janeiro, a prefeita Marta Suplicy (PT) vai dispor de uma receita 3,3% menor do que a administrada este ano por Celso Pitta. O orçamento de 2001 está estimado em R$ 7,9 bilhões, R$ 7,5 bilhões dos quais em receitas próprias e R$ 380 milhões de operações de crédito.
A principal fonte da prefeitura será proveniente do ISS (R$ 1,66 bilhão), seguida por transferência de ICMS (R$ 1,65 bilhão) e IPTU (R$ 1,36 bilhão). De outras transferências do estado, como o Fundef, estão previstos R$ 636 milhões e do IPVA, R$ 576 milhões. Detentora de uma dívida ativa que beira os R$ 5 bilhões, o município deverá destinar até 13% da sua receita líquida para pagamento da dívida com a União. Apenas em 2001, os gastos com a dívida devem consumir cerca de R$ 900 milhões. Além dos débitos de longo prazo, a prefeitura terá de arcar com pagamento de R$ 1,5 bilhão de dívida de curto prazo, também a ser quitada ano que vem.

Deflator
Da declaração do ministro do Desenvolvimento, Alcides Tápias, de que as privatizações criaram 147 mil postos de trabalho líquidos é preciso abater os empregos norte-americanos, japonenes, europeus, asiáticos…

Popularizar
A Federação Paulista de Golfe inaugura na próxima terça-feira o primeiro campo de golfe público do Brasil construído em área privada. O FPG Kaiser Golfe Center está instalado num terreno de 25 mil metros quadrados, próximo ao Aeroporto de Congonhas, e consumiu investimento de R$ 1,5 milhão. A federação sonha em popularizar o esporte, visto como elitista. “Há tempos, o tênis também foi praticado em quadras de clubes freqüentados por uma elite, ganhando mais e mais adeptos com a construção de quadras públicas. O mesmo acontecerá com o golfe”, prevê Álvaro Almeida, presidente da FPG. O objetivo da entidade é elevar em 10% – ou 8 mil golfistas – o número de praticantes em São Paulo. Só falta aparecer um Guga do taco.

Visão única
O deputado Milton Temer (PT-RJ) disse que a exclusão de palestrantes contrários à desestatização na programação do seminário sobre os 10 anos de privatizações, que aconteceu ontem na sede do BNDES no Rio de Janeiro, “transformou o evento em uma celebração, ao invés de um seminário”. Temer pediu a palavra na platéia, logo após a abertura do seminário, feita pelo presidente do BNDES, Francisco Gros. Antes de demonstrar a força dos que defendem a privatização, a exclusão comprova a fraqueza dos seus argumentos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPassivo tucano
Próximo artigoHegemonia

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.