Funai legisla, executa e julga

Denis Rosenfield, professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especialista em questões fundiárias, criticou a soberania da Fundação Nacional do Índio (Funai) na demarcação de terras indígenas. Em sua avaliação, o processo tem sido feito à revelia do que determinam a Constituição Federal e o Supremo Tribunal Federal (STF), prejudicando muitos produtores rurais, que acabam expulsos de suas terras e ficam desamparados, recebendo apenas a indenização equivalente às benfeitorias da propriedade.

Semana passada, Rosenfield participou da reunião da CPI da Funai na Câmara dos Deputados para investigar a atuação do órgãos e do Incra em relação às políticas fundiária e indigenista no país. O especialista disse que Constituição de 1988 definiu as terras indígenas e que a jurisprudência do STF definiu as condicionantes que orientam a demarcação de áreas destinadas aos indígenas, entre as quais está a proibição de ampliação de terras já demarcadas.

Segundo o professor, os produtores, na prática, ficam sem direito de defesa, pois os recursos contrários às decisões de demarcação são julgados pela própria Funai. Rosenfield defendeu que a indenização nos processos de demarcações indígenas seja feita nos moldes do processo de reconhecimento e delimitação de áreas quilombolas, no qual o Incra prevê pagamento em dinheiro na desapropriação nos casos em que for comprovado o interesse social.

Respeito às leis

Enquanto no Brasil as elites lamentavam a prisão do vice-presidente do Facebook, Diego Dzodan (pelo visto, prender o pessoal do andar de cima só é aplaudido quando envolve os investigados na Lava Jato), na Alemanha a empresa é investigada por não respeitar as leis de proteção dos dados. A suspeita é que a rede social impõe a seus usuários condições que contrariam a legislação alemã.

Purgatorio da beleza e do caos

Pesquisa efetuada por telefone com 3 mil cariocas, entre 22 e 28 de fevereiro, revela que 45% percebe o Rio de Janeiro como violenta, 30% como caótica, 15% como linda, 8% como avassaladora e 2% como a melhor do mundo. O estudo foi feito pelo Instituto de Pesquisas e Estudos do Turismo da Unisuam e Fundação Cesgranrio, com o apoio do site Consultoria em Turismo e a Associação dos Embaixadores do Rio.

Entre os principais problemas estão transporte (40%), saúde (20%), educação (20%) e violência (18%). Sobre os ícones da cidade, 40% a liga às praias, 28% considera a cidade do samba, 20%, das favelas, e 12%, a cidade do futebol. Pouco mais da metade (56%) acredita que as Olimpíadas vão mudar os rumos da cidade.

Movimentação em alta

O Porto Itapoá, localizado no Norte de Santa Catarina, registrou um aumento de 14,5% no volume de cargas em 2015, com um total de 548.463 TEUs (medida padrão para contêineres) movimentados. A evolução ocorreu tanto no segmento de longo curso, onde houve um aumento de 18,6%, quanto no de cabotagem, onde o acréscimo foi de 38%. Apenas nas operações de transbordo houve recuo, de 7,3%.

Patrício Junior, presidente do porto, afirma que “o Terminal tem se destacado não apenas nas crescentes movimentações, mas tem conquistado seu espaço num ambiente de intensa competitividade, o que é excelente para o desenvolvimento do país, que valoriza o empreendimento mais eficiente e de melhor performance”.

Poupados

A sociedade assiste atônita à exposição dos escândalos de corrupção que constituem a prática corrente na vida pública brasileira, mas, curiosamente, eles são majoritariamente concentrados naqueles vinculados ao Partido dos Trabalhadores (PT) e seus aliados no governo. Enquanto isso, pouco ou nada se ouve falar de investigações que atingem o cerne da corrupção maior do sistema financeiro, com o conluio de R$ 19 bilhões entre integrantes do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) e empresários sonegadores, e das manipulações da taxa de câmbio por uma gangue de operadores de 15 megabancos, que causaram prejuízos estimados entre 20-25 bilhões de dólares”, destaca o boletim eletrônico Resenha Estratégica.

Rápidas

Mais de 300 empresários e autoridades são esperados no Fórum Nacional do Varejo, Consumo e Shopping Centers, que será realizado de 18 a 20 de março, no Hotel Sofitel Jequitimar, em Guarujá (SP). A realização é do Lide – Grupo de Líderes Empresariais. O tema central será “O novo momento do varejo e consumo na reconstrução do Brasil” *** Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o Caxias Shopping (RJ) programou uma série de eventos. Nos dias 7 e 8, as mulheres terão orientação jurídica prestada pela OAB Mulher, Oficina de Bijuteria, Oficina de Maquiagem e bate papo com os temas “Mulher: nenhum direito a menos” e “Saúde da mulher” *** A Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos (Ancord) vai oferecer em março nove cursos presenciais, direcionados para investidores, profissionais dos mercados financeiro e de capitais e agentes autônomos de investimento. Informações pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (11) 3111.6322.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Últimas Notícias

TSE autoriza ‘vaquinha virtual’ para financiar candidaturas

Eleitores agora podem contribuir com os seus candidatos.

Botijão de gás poderia custar R$ 60

Segundo Fernando Siqueira, com média de R$ 114, aproximadamente, o botijão chega a custar até R$ 160.

IGP-10 varia 0,10% em maio

Queda verificada em abril e maio nos preços de grandes commodities agrícolas e minerais contribuiu para queda da inflação ao produtor.

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.

Brilhante comércio de cerejas entre a China e o Chile

Um total de 356.000 toneladas de cerejas foram exportadas do Chile durante a temporada 2021-2022, com 88% do total indo para a China, de acordo com a iQonsulting, uma empresa de consultoria, com sede em Santiago, capital do Chile.