Fundo público e a disputa em 2022

Por Ranulfo Vidigal.

Compreender a realidade concreta exige alguma teoria por trás, a teoria exige graus de abstração; entretanto, abstrair exige simplificação e ordenamento de uma realidade caótica e dinâmica.

Figura crucial para entender o conflito distributivo e as saídas possíveis para esta crise sanitária que nos assola, o fundo público envolve toda a capacidade de mobilização que o Estado tem para intervir na economia, seja por meio das empresas públicas, ou pelo uso de suas políticas monetária e fiscal, assim como pelo orçamento público destacando-se quatro funções na economia: o financiamento do investimento capitalista, das políticas sociais, da infraestrutura e a remuneração do rentismo.

Na sociedade atual, Estado e mercado são complementares e não conseguem vivem um sem o outro. A presente crise cíclica apresenta certos aspectos estruturais que precisam ser levados em conta na discussão das saídas.

Por exemplo, a contradição entre a expansão transnacional do capital e os Estados nacionais fragilizados na periferia do sistema; ou a crise ecológica e a eliminação das condições naturais da reprodução do capital e da vida digna; bem como a completa impossibilidade de atender à irreprimível demanda por igualdade de oportunidades; e finalmente, mas não menos importante, o desemprego crônico, que castiga a juventude brasileira.

A administração pública brasileira responde por 18% do PIB. Contra 30% dos serviços privados,14% do comércio e apenas 14% da indústria de transformação (setor-chave) e construção civil. Os salários correspondem a 45% do gasto público brasileiro, com remunerações compatíveis com o grau de complexidade das diversas carreiras na administração pública responsável pelas políticas educacionais e sociais no país. A tentativa de reformar este sistema tem como objetivo o uso de recursos em outras prioridades.

Por exemplo, há a dívida pública, mecanismo pelo qual os Estados transferem parte da riqueza socialmente produzida para o capital portador de juros, o verdadeiro maestro do momento presente de mundialização e financeirização do capital. Isso consome hoje cerca de 5% do PIB.

A crise recente tratou de mostrar as reservas dos Estados e sua disponibilidade para salvar as instituições bancárias e algumas empresas na presente pandemia. No entanto, a crise continua agora na forma do endividamento dos Estados, que lançam planos de austeridade e de punção fiscal sobre os trabalhadores para se sustentarem, com um custo social altíssimo.

Daí que, por trás das coalizões políticas para a eleição de 2022, temos interesses e intenções diretas e indiretas no jogo da divisão da bola da riqueza nacional.

 

Ranulfo Vidigal é economista.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de...

BC amplia iniciativas de ESG para suporte ao crédito

As recentes iniciativas regulatórias do Banco Central do Brasil (BC) para intensificar as divulgações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (Environmental, Social...