Furacão de oportunismo

Se o governo norte-americano foi lento na reação aos estragos do furacão Katrina, as ONGs foram muito rápidas em culpar o “aquecimento global” pela pior catástrofe natural da história dos EUA. O Katrina, porém, não foi o mais forte furacão a fustigar a região do Golfo do México. Em 1965, Nova Orleans foi atingida pelo furacão Betsy, que inundou a cidade e causou a morte de 70 pessoas. Quatro anos depois, a região foi varrida pelo Camille, o mais forte até hoje registrado, com ventos de mais de 350 km/h, que deixaram 275 mortos nos estados do Alabama, Louisiana e Mississipi. Segundo especialistas citados pelo boletim Solidariedade Latino-americana, a atual temporada de furacões ainda não se compara à registrada no final da década de 1930 e na de 1940.

À própria sorte
O que parece certo, na Louisiana, é que décadas de intervenções equivocadas do homem nos pântanos e lagoas deixaram a região mais vulnerável aos furacões. Além disso, é certo também que a população norte-americana mais pobre – especialmente a negra – está sem nenhuma assistência do Estado, que ainda culpa os loosers pela própria pobreza. Em 30 anos, o número de pessoas na linha de pobreza aumentou 1,5 ponto percentual: 12,7% dos norte-americanos, 37 milhões de pessoas.

Fantasma
Nova Orleans é mais do que uma agradável cidade à margem do Mississipi conhecida pelo fantástico jazz, pela noite boêmia e pelo Mardi Gras. Do complexo portuário de Nova Orleans sai para o resto do mundo a maior parte das mercadorias agrícolas dos Estados Unidos. É também o mais importante porto para as importações de produtos industrializados. Os processos e negócios físicos de um porto não podem ocorrer um uma cidade fantasma e, neste momento, isto é o que é Nova Orleans. Daí o estrago no PIB norte-americano.

Prova dos nove
O número de estudantes de Administração no país saltou de 237 mil, em 1997, para os atuais cerca de 600 mil, tornando-se a faculdade com maior número de alunos do país, segundo levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV-Rio). O avanço geométrico no número de alunos, no entanto, não foi acompanhado nem pela excelência do ensino nem pela garantia de acesso ao mercado de trabalho. No último Provão, a média dos exames dos cursos de Administração foi 3,94.
De olho nesse mercado, digamos, secundário, a FGV decidiu usar sua grife para certificar a qualidade das faculdades que firmarem convênio com ela. Até agora, 15 instituições se inscreveram no programa

Banca examinadora
A Associação Brasileira de Educação lança, dia 21, o livro Avaliação institucional: quem acredita?, de Roberto Boclin, vice-presidente do Conselho Regional de Administração do Rio (CRA-RJ) e presidente do Conselho Estadual de Educação. O livro propõe um modelo  de avaliação do ensino superior. O lançamento será na sede da Fecomércio (R. Marquês de Abrantes, 99, Flamengo) às 18 horas.

Café amargo
Ex-protagonista da pauta de exportações do país, o café segue perdendo importância na economia brasileira. Segundo dados da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA), o faturamento do setor, medido pelo Valor Bruto da Produção (VBP), baixou de R$ 7,1 bilhões, em 2002, para R$ 4,9 bilhões, em 2003, um tombo de 30,7%. “O parque cafeeiro nacional, presente em cerca de 1.850 municípios, distribuídos em 11 estados brasileiros, apresenta-se, a exemplo de outros países produtores, afetado pela agressiva depreciação de preços observada, principalmente, após a histórica produção mundial de 119 milhões em 2002”, diz Thiago Masson, assessor técnico da Comissão do Café da CNA.

Sem conteúdo
A Globo.com, provedor de acesso à Internet das Organizações Globo, está à venda. O preço, segundo o site Bites, seria de US$ 50 milhões. O Goldman Sachs comanda a venda, que inclui os 170 mil assinantes, além de equipamentos. O conteúdo – filé mingon – não está incluído no negócio. Na febre das pontocom, a Telecom Italia pagou US$ 800 milhões por 30% do portal da Globo.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAntigo
Próximo artigoClone

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...