Futuro

A Globo Cabo é uma das 20 “pequenas” empresas de todo o mundo que devem explodir nos próximos anos. A aposta é da revista norte-americana Forbes Global, que publica em sua edição de 1º de novembro a lista das 300 melhores pequenas companhias do mundo, versão 1999. A empresa do Grupo Globo, que em agosto recebeu um aporte de US$ 126 milhões da gigante Microsoft (que ficou com 11% do capital), é a única brasileira na lista da Forbes Global. A revista destacou 20, entre as 300, que devem ser as estrelas do ano 2000.
Decadente
A maior parte das empresas da lista das 300 melhores pequenas da Forbes Global é da Ásia e Europa. Da América Latina entram apenas seis empresas, além da brasileira Globo Cabo: duas do México e uma da Argentina, Chile, Colômbia e Peru. Até mesmo o conjunto África/Oriente Médio tem  mais integrantes (11) na lista das companhias do futuro.

Em defesa da Petrobras
Sob a coordenação do deputado Paulo Ramos (PDT), líder do Governo Garotinho na Assembléia Legislativa, os deputados estaduais do Rio formaram  a Frente Parlamentar Nacionalista  Estadual. Lançada no fim de setembro como “um instrumento em defesa da economia e das empresas nacionais”, a frente já conta com o apoio de 43 dos 70 parlamentares estaduais fluminenses, inclusive integrantes da base governista.
No manifesto de lançamento, a frente se declara contra as privatizações e “outros meios de transferência de empresas públicas e estatais para grupos nacionais e Internacionais” e contra a abertura comercial indiscriminada, que arrasou o parque industrial brasileiro, “gerando desemprego, exclusão social, miséria e levando ao desespero as famílias brasileiras”. Lembrando que o Rio responde por 70% da produção de petróleo do País, os integrantes da frente fazem da defesa da Petrobras uma das principais bandeiras de luta.

Vade retro
Bafejado pela ditadura brasileiro, o ex-ditador do Chile Augusto Pinochet foi considerado persona non grata no município do Rio de Janeiro. Esta semana, a Câmara de Vereadores do Rio aprovou, em segunda votação, projeto de lei autoria do vereador Eliomar Coelho (PT-RJ) nesse sentido.

Sem explicações
O ex-presidente Banco Central Gustavo Franco atribuiu à desvalorização do real o aumento, em R$ 100 bilhões, da dívida pública este ano. Franco, que fez a afirmação sem corar, não explicou, porém, por que, como presidente do BC, tomou a temerária decisão de atrelar cerca de 30% da dívida interna a títulos com variação cambial. Nem muito menos por que entupiu as carteiras dos bancos com papéis indexados à variação dos juros, que subiram para 45% ao ano, tão logo a desvalorização do real explodiu.

Saara nordestino
O Ministério do Meio Ambiente revelou que o Nordeste perde cerca de US$ 300 milhões (R$ 600 milhões) ao ano, por conta das áreas desertificadas, quase do tamanho do Estado de Sergipe. Esse tipo de “déficit” o governo não enfrenta, até porque não interessa ao FMI.

Vida dura
Cerca de cinco anos depois da implantação do Plano Real, 93% dos brasileiros consideram dura a vida que levam. A maioria dos que carregam esse sentimento é formada por pessoas que começaram a trabalhar aos 16 anos – metade das quais não contribui para qualquer instituto previdenciário – possuem TV e geladeira, são eleitores em potencial e sem tempo para ações comunitárias. A revelação consta da Pesquisa sobre Padrão de Vida (PPV), suplemento da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (PNAD) 97, do IBGE, e cuja análise consta do primeiro boletim do Fórum Cândido Mendes, publicado este mês.

Cultura nacional
A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara aprovou projeto de lei do deputado Wilson Santos (PMDB-MT) que eleva a alíquota sobre o Imposto de Renda retido na fonte relativo às remessas ao exterior provenientes das produções cinematográficas brasileiras de 25% para 45%. O objetivo é oferecer à produção nacional tratamento diferenciado, pois o que estava acontecendo não era justo, em termos de tributação, segundo o deputado peemedebista. Segundo o deputado Padre Roque  (PT-PR), relator do projeto, não se trata de prejudicar a exibição de obras estrangeiras em nosso país e sim canalizar recursos permanentes que estimulem as artes e a cultura nacionais, fazendo como os outros países, que taxam nossas produções de forma rigorosa.

Acredita
A Sadia inaugura, nesta terça-feira, em Caxias, uma fábrica de embutidos (salsichas e lingüiças) no Estado do Rio. Orçada em R$ 39 milhões, a nova unidade foi construída menos de um ano depois do incêndio que destruiu as instalações da empresa naquele município. A decisão da Sadia não deixa de ser uma aposta corajosa na produção. Esta semana, o presidente da empresa, Luiz Furlan, revelou que o ajuste fiscal do governo FH elevou em US$ 20 milhões os gastos com impostos, engolindo a economia de US$ 10 milhões obtidos pela restruturação da empresa, que custou milhares de empregos e cortes de custos. Além de Furlan, devem estar presentes o governador Anthony Garotinho e o prefeito de Caxias, José Camilo Zito.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHolofotes
Próximo artigoOficial

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.