Futurologia de analistas do Morgan Stanley é bem irreal

Técnicos do banco norte-americano apontam para bions negócios com meditação online.

Acredite se Puder / 17:53 - 22 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Quantos investidores vão formar posições em ações de empresas de meditação, redes de quinta geração ou serviços para entrega em casa? Por enquanto, acredita-se que só vão seguir essas recomendações aqueles que confiam cegamente nas opiniões dos analistas do Morgan Stanley que, no último relatório distribuído apresentam um conjunto de empresas desconhecidas dos mais variados setores como recomendações para o investimento após a Covid-19.

No segmento da habitação, os técnicos do banco revelam que a crise está acelerando as mudanças nas tendências da habitação norte-americana com o crescimento na oferta de residências de pequena dimensão para famílias pequenas. E afirmam que os fundos de investimento imobiliário podem disparar a médio prazo. Como o home office vai aumentar o nível de estresse, todos vão procurar formas caseiras de o combater, e esses técnicos já apontam para a meditação E acreditam que as empresas do setor que irão se beneficiar no futuro são as que tem podcasts, vídeos exemplificativos ou aulas online de meditação. No ramo da internet, a corrida ao 5G foi tida em consideração pelo banco de investimento.

Parece brincadeira, mas os analistas do banco norte-americano preconizam que jantar fora deixa de ser uma opção tão recorrente, pois o aumento do desemprego limitará o orçamento para as refeições em restaurantes. Por isso, algumas apostas devem ser feitas nas empresas de entrega.

 

Controladores vendem ações da Magalu

Uma das ações mais recomendada da atualidade é a do Magazine Luiza. As equipes de quase todas as casas de análise recomendam a compra de tais títulos. Acontece que, ao longo do mês de maio, a família controladora e a diretoria venderam R$ 123 milhões em ações ordinárias da companhia, de acordo com o formulário enviado à Comissão de Valores Mobiliários. Foram feitas diversas operações, com pouco mais de 2 milhões de papéis, e a quantia negociada representa cerca de 0,1% do valor de mercado da companhia. Como se trata de uma empresa muito bem administrada, badalada pelos maiores bancos brasileiros, os demais acionistas não deveriam ser informados dos motivos que levaram a tal venda?

 

Balanço da Randon é mais saudável

Os analistas do Itaú BBA destacam que a Randon está com um balanço mais saudável e uma estrutura de custos mais enxuta que na crise anterior. “A empresa possui R$ 2,5 bilhões em ativos líquidos (caixa e equivalentes, aplicações financeiras e recebíveis de curto prazo), o que é mais que o suficiente para atender ao passivo de R$ 1,4 bilhão.” A Randon, que fabrica implementos rodoviários, registrou em maio uma receita líquida consolidada de R$ 317,8 milhões, um recuo de 29,4% na comparação com igual mês de 2019. O tombo, no entanto, foi menor que os 52,4% registrados em abril na comparação com abril do ano passado. No acumulado do ano até maio, a receita líquida soma R$ 1,69 bilhão, recuo de 16% em relação aos cinco primeiros meses de 2019. Na comparação da receita bruta total, a queda em maio foi de 31%, para R$ 449,8 milhões (em abril, o recuo foi de 55,3%). No acumulado do ano, o montante chegou a R$ 2,40 bilhões, queda de 17,4%.

 

Proteína animal ficará mais cara

A China está tomando medidas restritivas para a importação de proteínas. Para os analistas do Bradesco BBI, apesar dessas medidas, os chineses terão de aumentar a importação de proteínas, pois o país ainda está se recuperando da peste suína africana. Porém, as medidas como o distanciamento social estabelecidas pelos países produtores provavelmente limitarão a capacidade global de processamento de carne, resultando em uma perspectiva de oferta e demanda global mais restrita, o que elevará os preços globais e também podem resultar em custos mais baixos, devido ao excesso de animais para abate.

 

Ação do IRB sobe por causa da AGE

As ações do IRB Brasil voltaram a subir mais de 10%, por causa da assembleia que será realizada nesta terça-feira, na qual será votado o plano de reforma na governança, além da criação da reserva de lucros estatutária. Nada que influencie, de imediato, grandes altas do papel.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor