Futuros do petróleo apontam alta de 12% e gás natural de 58%

Pressões inflacionárias globais ampliadas por alimentos e energia.

É provável que a inflação permaneça elevada este ano, estima os analistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) Jorge Alvarez e Philip Barrett. “Os ganhos de preços este ano terão uma média de 3,9% nas economias avançadas e 5,9% nos mercados emergentes e economias em desenvolvimento, antes de diminuir no próximo ano, de acordo com nossa atualização de janeiro do World Economic Outlook.”

Se as expectativas de inflação permanecerem “bem ancoradas” e a pandemia dê uma trégua, “a inflação mais alta deve desaparecer à medida que os problemas da cadeia de suprimentos diminuem, os bancos centrais aumentam as taxas de juros, e a demanda se incline mais para serviços novamente, em vez de consumo intensivo de bens”, estimam no artigo “Pressões inflacionárias globais ampliadas com ganhos de preços de alimentos e energia”.

Mas há perspectivas ruins em energia e alimentos. Os contratos futuros de petróleo indicam que os preços subirão cerca de 12% este ano, com o gás natural ficando até 58% mais caro. Esses aumentos para ambas as commodities seriam consideravelmente menores do que seus ganhos no ano passado. Alvarez e Barrett acreditam que seriam seguidos pela queda dos preços em 2023, à medida que os desequilíbrios entre oferta e demanda diminuíssem.

Quanto aos preços dos alimentos, provavelmente subirão a um ritmo mais moderado, de cerca de 4,5% este ano, e cairão no próximo – após um aumento de 23,1% no ano passado, segundo a FAO, organismo da ONU para agricultura e alimentação. “Isso deve aliviar as pressões de gastos para milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente em países com renda mais baixa”, estima o FMI.

Os custos crescentes de energia foram os principais motores da inflação, especialmente na Europa, depois que os preços dos combustíveis fósseis quase dobraram no ano passado. O aumento dos preços dos alimentos também impulsionou.

Interrupções contínuas na cadeia de suprimentos, portos entupidos, dificuldades logísticas e forte demanda por mercadorias ampliaram essas pressões de preços, especialmente nos Estados Unidos. Os preços mais altos dos bens importados contribuíram para a inflação em algumas regiões, incluindo a América Latina e o Caribe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Projeção do governo mostra inflação rumo a 2 dígitos

Ministério de Guedes eleva estimativa para 8%.

Novo terminal de minério em Itaguaí prejudica Rio de Janeiro

Instalação traria mais poluição e pouco agregaria à economia do estado.

Últimas Notícias

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.

Qyon Tecnologia planeja crescer 65% em 2022

Marca deve fechar ano com cerca de 100 franquias.