G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

A proposta em análise no G20 de criar uma alíquota mínima de imposto para as corporações, que tem entre seus principais defensores nada menos que Janet Yellen, secretária de Tesouro dos EUA, deve ser saudada como um avanço em relação a uma taxação justa. Mas, em se tratando de grandes potências e empresas gigantes, não se deve abrir a guarda.

Hoje, aproveitando-se das brechas semilegais, as corporações destinam seus faturamentos para países minúsculos onde mal mantêm operações, com objetivo de pagar menos impostos. Boa parte desses locais são protetorados britânicos, súditos de sua majestade.

O G20 analisou, em reunião online na quarta-feira, uma alíquota mínima de 21%, como proposta por Yellen. A Irlanda, por exemplo, que atraiu várias multinacionais, cobra 12,5%. Ilhas Cayman e Guernsey, dependências da coroa britânica, praticam alíquota zero para empresas.

Nos EUA, a taxa foi reduzida por Trump para 21%, e Biden quer elevá-la para 28%. Além do aumento, os norte-americanos planejam dificultar o desvio de lucros para nações com baixos impostos.

A mudança é defendida por todos que desejam um mundo mais justo. O risco é satisfazer os interesses das grandes economias, deixando as pequenas sem arrecadação. Afinal, tal como nas propostas dos bilionários que defendem que eles próprios paguem mais imposto, o objetivo sempre pode ser o de mudar para tudo permanecer como está.

 

País que vai pra frente

Fica a sugestão para os bravos empresários que aplaudem Bolsonaro: viajar para a Índia e se vacinar em clínicas privadas lá, a R$ 20 a dose, mais a passagem. Aproveita, faz turismo e economiza, pois não precisará comprar centenas ou milhares de doses para fingir que está colaborando com a vacinação.

Difícil vai ser conseguir chegar na Índia, com as centenas de barreiras a viajantes procedentes do Brasil.

 

Café

Para comemorar o Dia Mundial do Café, a Casa de Cultura Cocco Barçante e o Portal Consultoria em Turismo Bayard Boiteux inaugurarão na próxima quarta-feira (14), via Facebook, a exposição Uma viagem pelo café, por Valéria Vidigal. O evento apresenta 22 quadros da obra da artista mineira, com curadoria de Viviane Fernandes, no Facebook.

 

Novo capitalismo

Após a notícia de que empregados da Amazon recusaram se unir em um sindicato – com direito a denúncias de fraudes nas urnas (“stop the count!”) – as ações da empresa do homem mais rico do mundo subiram quase 1,3%. Jeff Bezos conseguiu engordar sua fortuna em quase US$ 2 bi.

 

Rápidas

Nesta segunda-feira, a FGV Energia realizará webinário sobre o papel dos agentes público e privado no setor energético nacional, com a presença das CEOs do estaleiro Atlântico Sul e da Potigas, Nicole Mattar e Larissa Dantas *** Aasp fará nesta segunda-feira, às 19h15, o evento digital “Adequação dos contratos de prestação de serviços advocatícios à LGPD” *** O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, solicitou à Superintendência do Iphan que o Espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém seja registrado como Patrimônio Imaterial Cultural do Brasil.

Leia também:

Botes salva-vidas para a classe A

Mortes dos essenciais

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

A ‘revolução verde’ em pauta na Cúpula do Clima

Quatro dos dez maiores poluidores – EUA, China, União Europeia e Índia – estão avançando.

Deputado pede tombamento para evitar venda

Paes quer fim de escola na orla de Copacabana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.